quinta-feira, 30 de julho de 2009

HoMeNs! Oq FaRiaM??



“Aos 18 anos o homem não sabe nem como se diz bom dia a uma mulher. Devia nascer já com 30”.
Nelson Rodrigues


Sábio Nelson Rodrigues. A frase é boa, mas meio complicada em se argumentar, pois há homens e homens! Já vi muitos garotões novinhos, novinhos com a mente de um homem de 30 e já vi também homens ‘vividos’ com a mente de crianças. Então o assunto acaba sendo meio relativo a minha opinião.
Se homens são gentis e educados a mente perversa logo os intitula “viados”, agora se são trogloditas, ogros, leigos, são logo descartados. É complicado avaliar em apenas um sonoro e simples “Bom dia”.
Bom dia eu dou sempre que percebo que terei resposta e isso não inclui saber a idade mental da pessoa. Basta um simples ‘oi’ para que desarme qualquer pensamento alheio ao nada, que desarme qualquer mente perturbada ou nos tire do estado ‘alfa’ em que nos encontramos muitas vezes.
Diria que um homem de 18 teria toda timidez botada a prova no simples fato de se doar um ‘Bom dia’ assim logo de cara, mas um de 30 teria toda doçura e segurança e estaria inclusive medido a risca toda conseqüência do seu singelo ato...
Daí a pergunta que não quer calar... Esse “bom dia” estaria cheios de intenções inenarráveis ou seria apenas um ato cotidiano?
Confesso que até questionei via MSN alguns amigos, dando-lhes as duas opções (com intenções ou sem intenções), todos é claro seguiram a primeira opção e me falaram diversas coisas engraçadas. Todas ligadas a um súbito interesse machista e outros apenas afirmaram, que o ‘bom dia’ seria apenas uma ponte para o algo mais tão sonhado... “se após um ‘bom dia’ ela demonstrasse interesse, chegaria chegando (esse foi o termo) ou o daria apenas no dia seguinte, quando acordássemos juntos, agora se a resposta invisível fosse negativa, nem apostariam na conquista”... Ah, homens! Tanto faz terem 18 anos mas com alma de 30 ou vice-versa. Todos meios parecidos, apenas o que muda é a tal intenção.

E saber que a alma feminina embora cheia de mistérios, muitas vezes se é tão clara. Um “Bom dia” súbito e casual significa apenas um mero bom dia e não uma incógnita. Damos mais valor no que vem por trás do olhar do que nas palavras em si.
Um olhar derruba nossas defesas e nada mais importa.

Há os que acham quase impossível se conquistar alguém através de um ‘bom dia’, mas não existem os tão comprovados amores à primeira vista?? E ao que me parece, nesses casos não se precisa dizer absolutamente nada... é tudo lei da atração.
Outros diriam o bom dia depois de sorrirem, outros trocariam olhares até terem segurança para se abrir à boca e outros se sentem tão seguros que acham que o charme basta (risos).

A conclusão é magnânima. Não há como ‘ensinar’ um homem a falar um ‘bom dia’ carregado de emoções as quais, nós mulheres sonhamos naquele momento em si. Pois hora ouvimos apenas o óbvio e necessário e em muitas outras fantasiamos. E cá entre nós (mulheres), homens literalmente se perdem nesses momentos tentando decifrar nossos desejos e daí se vinga as mais absurdas mancadas. Eles se perdem por não saberem jamais decifrar nossos estados de espírito, nossas emoções, nossos sentimentos...

Não dizem que homens demoram a amadurecer? Que são de marte?
Embora eu os ame, seja fanática e tals, acredito fielmente nessas colocações sinceras. Ei, mas não estou sendo feminista, peraí...
É que homens nascem com a razão e nós (lindos seres de saias e mortais) nascemos com coração!!
E que venham os “Bons Dias” todo dia. São bem aceitos e nos fazem um bem enorme.

Viva os seres de Marte! Amo vocês.

Bjux
Jana

sexta-feira, 24 de julho de 2009

FriOziNhUuuu

Eita tempinho desaforado meu!
Na real, estou cansada de encarar todas essas noites frias (e pra piorar, chuvosas) totalmente agarrada ao meu travesseiro, de meia e entupetada de roupa. Esse tempo é melancólico e até mesmo sádico com as solteiras feito eu. Não vou negar que a-d-o-r-o essa liberdade de ir e vir sem ter que despencar uma série de desculpas ou obrigações em se dar satisfação. Não nego que amo ter aquele pensamento: "onde quero, eu vou". De circular de calcinha pela casa sem algum tarado (mode de dizer é claro) me agarrando, de ter no banheiro apenas coisas minhas, de olhar no varal e constatar o fato de que nenhuma cueca poderá cair de lá em fração de segundos...
Ai, acho até que me tornei meio feminista, puxo sem dó e nem piedade a sardinha para meu lado sempre “Viva a liberdade das mulheres”.
Só o fato de não ter em um dos meus dedos uma aliança escancarando meu dono, já se é um grande alivio.
Mas em dias assim, como esse em que meus pés estão frios feitos cubos de gelo, minha boca rachada, meu cabelo detonado com tanto vento e meu corpo tremendo a cada meio segundo, eu sinto SIM uma terna saudade de um amor por perto... ah, sim, claro, claro... Pode não ser um amor ou um príncipe encantado, mas pelo menos um bem disposto a me fazer feliz, mesmo que momentaneamente ou até esse inverno passar.

Pois nada que eu faça agora, vai tirar de mim esse súbito desejo maluco de estar acompanhada... Eu posso chegar em casa agora, me empanturrar de brigadeiro de panela, estando bem aquecida debaixo dos cobertores (e assistindo a mais um capítulo banal de Caminhos da Índia) e mesmo assim, meu eu interior vai estar me cobrando aquele carinho que nem eu mesma posso me dar e sim receber. Cruel essa vida - tem horas!

Sossego e me conforto. Hora de ser diferente! Já tive tanto isso, porque tanto martírio apenas porque está frio?
Será solidão? Caretice ou (ai meu Deus) Carência??

Sem muitas conclusões eu opto. Nem quero saber a resposta vai!
Lei da atração... hoje tudo posso... TPM X Dias frios dá nisso.

Bjuxxx
Jana

quarta-feira, 22 de julho de 2009

BuEnOs SoNhoS, BabY!


Esse aí é o sofá-conceito Cloud (nuvem em português), criado por David Koo (ressaltando uma meramente idéia, não lançada ‘ainda’ no mercado).
Fiquei pasma! E morrendo de inveja é claro.
Jamais, na altura do campeonato, dessa minha humilde vida, poderia imaginar tal invenção tão extraordinária.
A engenhoca me parece bem convidativa, já que flutua por meio da força magnética gerada pela base do chão... hmmmm... bem interessante.

Na verdade eu nem gostaria de dar ênfase ao assunto, mas desde que li essa matéria (no portal MSN de ontem), estou aqui a sonhar com uma nuvenzinha dessa estacionada no ‘meu lar, doce lar’. Faltam apenas me venderem os sonhos dos céus – foi o que pensei na hora, afinal estou farta de pesadelos.

Sempre me espanto com a capacidade humana e essas criações vêem exatamente para me mostrar que somos capazes de tudo, basta ter uma boa idéia na cachola. Somos capazes de recriar sonhos, coisas materiais e quem dirá sonhos os quais julgamos impossíveis.
A matéria é uma prova viva disso. Alguém colocou em prática um desejo e pumba! Eis a realização aí. Nada seria possível, sem a persistência, esperança e força de vontade.

Só queria de fato, dormir uma noite (umazinha só) nesse sofá das nuvens e esquecer meu velho colchão sofrido (mas mui amado por sinal, afinal são anos de dedicação). É nele que esqueço a vida, que passo horas com meus livros preferidos e dou altas gargalhadas com as meninas naqueles momentos que lá em casa são pra lá de especiais e necessários.

Bom, mas enquanto meu poder aquisitivo não me permite ter o sofá dos sonhos, ou melhor, o Sofá Cloud (que alias nem se encontra a venda, não passa de um projeto), vou ficar aqui pedindo aos anjos para que no futuro eu possa me esbarrar com algo parecido na sala de casa, pois serei COM CERTEZA uma usuária assídua hehehehe, afinal a pobre aqui adoraaa uma mordomia.

Beijos

P.s.; De volta a net... 100% de sinal – ufaaaa!!!!







sábado, 18 de julho de 2009


Ando aleatória...
Hora aqui... Hora trancafiada em mim (rsrsrs).
Quantas saudades sinto daqui!
Saudade de meu mundo, mas que há vários dias ou meses, anda meio que ‘privativo’ a meus pensamentos e emoções... É tudo tão ruim, guardar as coisas para si, quando o hábito parece ter mais força dentro de um ser como eu.

É meus caros, ando sem net e acabo de perceber que ando sem eira e nem beira, como dizem os populares. Mas a vida continua... trabalho, casa, filhos, emoções, solidão, anseios... tudo no mais absoluto lugar.

Sinto-me diferente ou indiferente a tanta coisa que gostava e cultivava como ‘prioridades’.
Parece que me rendi de vez à vida caseira. Cansei-me do mundo! Ele me trouxe tantas experiências desnecessárias, tantos dissabores (...), que o melhor é se render ao chamado dos cobertores nessas noites frias e ir para cama cedo (não ganho nada, mas também não perco – simples e fácil).

Incrível como a mente muda de percurso em questão de segundos. Antes amava ou odiava, hoje simplesmente ignoro. Absorvo o necessário, sorrio quando realmente vejo graça. Acho mesmo que estou com a Síndrome dos 2.8 (ai meu Deus, quase 30).
Dizem que o amadurecimento total chega aos 30. Dizem que você passa a viver direito e como realmente tem que ser, não aos trancos e barrancos como antes... mas apenas digere o que acha gostoso, prazeroso.
Como sempre fui estupidamente ‘precoce’ eis que minha alma provavelmente já se sente uma trintona hehehehe.
Mas sem muitos sustos, apenas com alguns ‘quelóides’ que juro! Não gostaria de enxergá-los por cima de sua fina pele, mas...

Do resto, ao que parece (pelo menos o exterior) está tudo bem, obrigado. Alterações mínimas, afinal sou uma mulher ‘normal’ como tantas outras. Dispenso as formalidades e não me gabo por qualquer alucinação masculina.

Prefiro viver. Prefiro que vejam aquilo que de cara não posso mostrar... meu coração!
O tempo torna-se algo qualquer, quando o assunto é se enxergar a alma!

Buenos Dias, PessoitaSss AdorÁveis

Jana



P.s.; logo-logo de volta ao mundo virtual.