Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Julho, 2009

HoMeNs! Oq FaRiaM??

“Aos 18 anos o homem não sabe nem como se diz bom dia a uma mulher. Devia nascer já com 30”.
Nelson Rodrigues


Sábio Nelson Rodrigues. A frase é boa, mas meio complicada em se argumentar, pois há homens e homens! Já vi muitos garotões novinhos, novinhos com a mente de um homem de 30 e já vi também homens ‘vividos’ com a mente de crianças. Então o assunto acaba sendo meio relativo a minha opinião.
Se homens são gentis e educados a mente perversa logo os intitula “viados”, agora se são trogloditas, ogros, leigos, são logo descartados. É complicado avaliar em apenas um sonoro e simples “Bom dia”.
Bom dia eu dou sempre que percebo que terei resposta e isso não inclui saber a idade mental da pessoa. Basta um simples ‘oi’ para que desarme qualquer pensamento alheio ao nada, que desarme qualquer mente perturbada ou nos tire do estado ‘alfa’ em que nos encontramos muitas vezes.
Diria que um homem de 18 teria toda timidez botada a prova no simples fato de se doar um ‘Bom dia’ assim logo de cara, mas…

FriOziNhUuuu

Eita tempinho desaforado meu!
Na real, estou cansada de encarar todas essas noites frias (e pra piorar, chuvosas) totalmente agarrada ao meu travesseiro, de meia e entupetada de roupa. Esse tempo é melancólico e até mesmo sádico com as solteiras feito eu. Não vou negar que a-d-o-r-o essa liberdade de ir e vir sem ter que despencar uma série de desculpas ou obrigações em se dar satisfação. Não nego que amo ter aquele pensamento: "onde quero, eu vou". De circular de calcinha pela casa sem algum tarado (mode de dizer é claro) me agarrando, de ter no banheiro apenas coisas minhas, de olhar no varal e constatar o fato de que nenhuma cueca poderá cair de lá em fração de segundos...
Ai, acho até que me tornei meio feminista, puxo sem dó e nem piedade a sardinha para meu lado sempre “Viva a liberdade das mulheres”.
Só o fato de não ter em um dos meus dedos uma aliança escancarando meu dono, já se é um grande alivio.
Mas em dias assim, como esse em que meus pés estão frios feitos cubos d…

BuEnOs SoNhoS, BabY!

Esse aí é o sofá-conceito Cloud (nuvem em português), criado por David Koo (ressaltando uma meramente idéia, não lançada ‘ainda’ no mercado).
Fiquei pasma! E morrendo de inveja é claro.
Jamais, na altura do campeonato, dessa minha humilde vida, poderia imaginar tal invenção tão extraordinária.
A engenhoca me parece bem convidativa, já que flutua por meio da força magnética gerada pela base do chão... hmmmm... bem interessante.

Na verdade eu nem gostaria de dar ênfase ao assunto, mas desde que li essa matéria (no portal MSN de ontem), estou aqui a sonhar com uma nuvenzinha dessa estacionada no ‘meu lar, doce lar’. Faltam apenas me venderem os sonhos dos céus – foi o que pensei na hora, afinal estou farta de pesadelos.

Sempre me espanto com a capacidade humana e essas criações vêem exatamente para me mostrar que somos capazes de tudo, basta ter uma boa idéia na cachola. Somos capazes de recriar sonhos, coisas materiais e quem dirá sonhos os quais julgamos impossíveis.
A matéria é uma prova vi…
Ando aleatória...
Hora aqui... Hora trancafiada em mim (rsrsrs).
Quantas saudades sinto daqui!
Saudade de meu mundo, mas que há vários dias ou meses, anda meio que ‘privativo’ a meus pensamentos e emoções... É tudo tão ruim, guardar as coisas para si, quando o hábito parece ter mais força dentro de um ser como eu.

É meus caros, ando sem net e acabo de perceber que ando sem eira e nem beira, como dizem os populares. Mas a vida continua... trabalho, casa, filhos, emoções, solidão, anseios... tudo no mais absoluto lugar.

Sinto-me diferente ou indiferente a tanta coisa que gostava e cultivava como ‘prioridades’.
Parece que me rendi de vez à vida caseira. Cansei-me do mundo! Ele me trouxe tantas experiências desnecessárias, tantos dissabores (...), que o melhor é se render ao chamado dos cobertores nessas noites frias e ir para cama cedo (não ganho nada, mas também não perco – simples e fácil).

Incrível como a mente muda de percurso em questão de segundos. Antes amava ou odiava, hoje simplesmente…