quarta-feira, 27 de maio de 2009

PlAnO B


Ressurge então essa idéia, a de incorporar certas decisões ao longo desses meus 27 anos e definitivamente entrar de cabeça! Falo sentimentalmente é claro, pois já que não encontrei as chaves das incógnitas, que elas cheguem atraídas pelo imã da decisão oportunamente certa.
Sábios os conselhos (e há os que dizem que eles supostamente não são concretos numa vida – pura ilusão), pelo menos para mim são razoáveis e sustentáveis.
A atração física é um mal desde que o mundo é mundo - “mal necessário, sem dúvida e muitas vezes sem lógica, pois o desejo carnal se vai com o ato concretizado e pelo suspiro de alivio" – Passou... Já era!
O problema maior está cravado (e com raiz) na mente. É ela quem determina a busca, fantasiando, iludindo, rindo do seu (do meu) fracasso. Temos que ser contraditórios.
Evoluir, crescer, liderar essa massa de neurônios que se dizem ‘apaixonados’ e retomar de vez o controle da situação.
Erros e acertos, eis a questão!
Peco quando estou embriagada de sentimentalismo, Acerto quando uso a razão. Já decipei paixões loucas, que me deixaram doente e sem razão (atire aqui uma boa critica ou pedra mesmo quem nunca foi escravizado pelo coração!). Sou apenas mais uma, em meio a toda essa confusão.
Ser diferente custa-se o olho da cara, mas por dentro mesmo (onde poucos notam), custa-se muito mais. E é por dentro minha batalha, aqui fora, o meu ‘externo’ o tempo se encarrega magnânimo.
Que me vale a velha carcaça se dela não levarei nenhum centímetro? Absolutamente, os vaidosos que reflitam, pois a minha teoria é esta e será sempre a mesma.
O interior é mais belo, moldável e caracterizado ao meu modo. Esse sim me preocupa. O Plano-A eu descarto e molduro o Plano-B (já está em tempo das modificações tomarem seus lugares – o passado que se dane!).
O agora consiste em viver, sem desanimar, apostando nas novas estratégias. Se o amor não chegou, chega de buscas – ele me encontrará e estarei de braços abertos calmamente. As tolas paixonites vão dando o fora... Validades vencidas.
Preciso de mais que uma atração física para me deixar atordoada... é necessário mais que um rosto encantador, um cheiro, um sorriso para me tirar do rumo outra vez. É preciso ter alma, coração e razão...
É preciso sair do casulo “querida borboleta’ e ver que essa ‘flor’ aqui tem muito mais a te oferecer do que um adocicado perfume (pense nisso) e sejamos felizes ou abraços, até nunca mais...

Voe, apenas isso.


By Jana

domingo, 24 de maio de 2009

O DePoiS é O ABisMo


Salve blogueiros... eis-me aki!
Alheia, sem muitas palavras e um turbilhão de sentimentos contraditórios.
Puts! Que situação.
O terrível é falar entrelinhas um assunto que eu gostaria de escancarar... mas não posso!
E pra piorar esse meu sexto sentido que me leva a sentir e ver coisas que não quero, NÃO AGORA!
Do que vale uma felicidade ‘instantânea’ se o depois é pior do que um tapa na cara?

Sou meramente assim... sei o que vai dentro de cada ser que eu esteja (in)Diretamente ligada... sinto os remorsos e o estado de choque, as frustrações... tudo, tudinho. E desde ontem estou meio que estagnada...

Sei as respostas, aff... elas me bastam! Mas ignoro-as por momentos que julgo sentir falta.
Queria continuar racional, mas não sou forte o bastante... me iludi (que merda isso). E pior, por nada, besteiras... Nada era importante pra mim, nada e em fração de segundos, tudo mudou...

Mas...Ei, estou aqui!
Sou ainda melhor que isso tudo, desde que não sinta essa avalanche de perturbações sentimentais baratas e pior, mais uma vez pelo errado.
Não consigo entender essa atração que me puxa feito imã, que me faz deslizar pelo ralo como água comum...

Entenda... eu não o quero também... nada se parece comigo e nem nunca fará parte do meu mundo... Mas meu autocontrole anda um lixo, admito.
Talvez seja apenas meu brio gritando, me implorando “Sai Dessa!!”, mas continuo surda a minha própria razão e me desconheço quando a teimosia me leva a realidade como agora.

Bom, banalidades que passarão, tenho certeza...
Sem mais,


By Jana
(momentos)

sábado, 16 de maio de 2009

OuTrAaa


Páro, penso...
Desse jeito não dá mais pra continuar...
Essa contramão é banal, não faz sentido.

Se antes fora azul, agora tem que ser branco...
Como a paz, como as flores, como cada nuvem do céu...
Se tiver que subir a ladeira com trocentas malas nas costas, eis que decido dar o primeiro passo...
Vou seguindo, mas antes devo esvaziar os bolsos. Jogar e/ou abandonar cada peso inútil, cada papel velho, cada sonho absurdo... Quanto mais leve, mais livre!
Chuto a primeira pedra e antes mesmo de cair já sinto saudades do passado. Mas o que é ele senão algo que não mais existe? Apenas recordações...

Eita mundo vazio!
Eita quanta coisa errada. O preço será alto em tentar mudar tudo, mas não desisto!
Ta ficando pesado e na real nem entendo o por que devo carregar tanta mala assim... melhor descansar e analisar.
Há uma aqui toda enfeitada, cheia de coraçõezinhos, flores e pintada de rosa -"Vou abri-la"-.
... Hmmm ... nada de mais! Amores antigos, paixões banais. Mas decido deixá-los, já que estão aqui escondidos e não de fato comigo, qual o motivo de levá-los? Nenhum mais.

Toda mudança é drástica, mas necessária... sempre necessária.
E pra ser franca, já me cansei de toda essa história sem razão, de buscas, filosofias...
Hoje acordei assim, buscando a perfeição, o diferencial e o melhor pra mim, mesmo que isso demore um pouquinho para ser conquistado. Estou na luta, até o fim (sempre guerreira, mas não heroína).

Os valores passam a serem outros agora!
Sinta, observe... note...
Eu estou aqui, evoluindo a cada dia.
Decifre-me!


“Garimpem e descubram tesouros”


Bjux
Jana

terça-feira, 12 de maio de 2009

SÓo hj Eu QuEriA vOcÊ


Tic-tac... as horas não passam, arrastam-se!
Hoje dei um pulo na melancolia e senti saudades...
Saudades de alguém, que nem sei quem...

Tudo anda sem graça
Tudo meio sem razão, pois me falta esse pedacinho essencial.
Falta-me você!

Faltam-me suas mãos macias,
Seu olhar me paralisando,
Seu cheiro inconfundível no ar,
Sua voz doce e suave, como uma canção de ninar...

E hoje sinto sua ausência mais que presente,
Em cada gesto, em cada música e em cada olhar...
Eu só queria aquele sonho lá que combinamos,
Só queria que estivesse aqui...

Morreria em seus braços se pudesse, porque neles encontro
A minha verdadeira paz...
Encontro-me em você
E nesse momento seria tudo que eu queria...
Tudo mesmoOoo!

By Janynha

segunda-feira, 11 de maio de 2009

ElAs... aPenAs ElAs..


Dois abraços ternos confortaram meu grande dia ontem e eu jamais conseguiria traduzir a sensação boa de ser duplamente ‘mãe’. Essa palavrinha tão simples mudou tanta coisa aqui dentro, me transformou e me fez a mulher de hoje.
Não importam as complicadas histórias anteriores... Não importa e nem nunca importará a terceira pessoa desse contexto e sim o que deixo prevalecer é apenas todo esse amor que sinto pelas minhas gurias...
Ser mãe é ser anjo constantemente...
Ser mãe é toda essa batalha de querer matar um leão a cada dia, a casa hora e minuto. É viver sob tensão 24h só para amar e proteger.
Em certos momentos me prendo a inútil possibilidade de não ter e nem ser nada disso... acho que morreria, pois aqueles olhinhos avalistas são as reais certezas da minha vida.

Além de mãe, sou acima de tudo filha!
Filha de uma mãe exemplar e sem igual, a qual nem consigo imaginar meu dia sem sua presença... ‘minha mãe é tudo’. Ès meu refúgio em dias tristes, minha ouvinte, minha conselheira, minha fiel amiga e a luz no fim do túnel... Não importa a escuridão, se tenho os olhos dela por perto como refletores mega potentes.

Agradeço aos céus pela sua existência MÃE.
Agradeço aos céus pelas minhas florzinhas...

AmOoo-te

Bjux
Jana

sexta-feira, 8 de maio de 2009

SeJa o MelhOr prA vC


"A gente pode morar numa casa mais ou menos, numa rua mais ou menos, numa cidade mais ou menos e até ter um governo mais ou menos.
A gente pode dormir numa cama mais ou menos, comer um feijão mais ou menos, ter um transporte mais ou menos e até ser obrigado a acreditar mais ou menos no futuro.
A gente pode olhar em volta e sentir que tudo está mais ou menos.
Tudo bem.
O que a gente não pode mesmo, nunca, de jeito nenhum, é amar mais ou menos... sonhar mais ou menos, ser amigo mais ou menos, namorar mais ou menos, ter fé mais ou menos ou acreditar mais ou menos... Senão, a gente corre o risco de se tornar uma pessoa mais ou menos.”



Um bom final de semana à todos que amoOoo
by Jana

segunda-feira, 4 de maio de 2009

EnTenDeR pRa q?


Correntes não se quebram...
Elas são fortes, resistentes e manipulam a liberdade.
O destino é uma corrente imaginária... te dá limites, imposições e te puxa quando e como quer.
Não somos tão donos do destino como se parece, há os desvios, as dúvidas e nunca sabemos se realmente estamos no caminho certo. O acaso não existe, isso é óbvio, mas depender de uma visão turva nos deixa a mercê de um amanhã incerto.

Sonhos, planejamentos sobrevivem e quebram muitas correntes a partir da força de vontade (interna) de cada um. Diga a si mesmo, EU QUERO, EU CONSIGO!
São palavras tão pequenas, mas que causam uma mudança inevitável do seu dia a dia.

Sou positiva sempre, mas ignoro muito meu eu interior, meu lado bom, meu anjo da guarda e com isso dou passos largos e irreversíveis.
Chorar pelo que se foi eu não faço mais. Perdi tantas coisas e pessoas importantes, mas se foram ou se perderam, tenho na mente a certeza que não eram pra mim.

Algumas pessoas enganam-se tanto a procura de uma felicidade, se prendem a coisas pequenas e adquirem correntes imagináveis, irreais. Embolam-se tanto que não conseguem sair do principio. Eu não!
Eu quero continuar daqui do meio, mas minha corrente maior chama-se tempo.
É o tempo que cicatriza as feridas, será o tempo que irá curar minha mente acorrentada de passagens e precipícios.

Hoje posso permitir que meus pensamentos sejam alienados, desordenados, amanhã permitirei apenas a ordem total, pois depende apenas d’euzinha aqui mudar o principio aqui dentro para depois colocá-lo em prática.

Meus valores não nasceram comigo, foram moldados ao longo do tempo e ao instante em que eu crescia. Restam ainda tantas dúvidas, certo – errado, mas a percepção do bem e fazê-lo é muito bem estabelecida.
Sei o que quero, dou asas ainda aos sonhos e suas concretizações. De certa forma, chegarei a algum lugar, pois aprendi que se ficar aqui acorrentada, não serei livre, não mudarei, não haverá evolução e quebra dos laços.
Quero me prender ao que existe de melhor dessa vida ou então partir livre feito pássaro!