sábado, 29 de maio de 2010

** EsToU oUviNdO, JurO **


- Ei coração, alguém aí??
- Vamos, chega dessa tolice... volte a bater forte. Preciso te ouvir!
- Preciso de você, afinal o tempo de tristeza terminou. Vim te curar e te dizer que o sofrimento acabou.

... É, as lágrimas cessaram. Já ouço as velhas músicas de sempre e me arrisco a sorrir. Estou tentando. Uma banal ligação me fez voltar a si e perceber que nada valeu a pena pra mim. Claro, estava com as emoções abaladas, todas jogadas ao chão, mas a frieza que encontrei foi pior que um tapa.

Acordei e diga-se de passagem, da pior maneira possível, mas Deus estava ali, me mostrando todas as reais verdades e eu as ignorei... demorei muito a acreditar e esse ‘buraco’ é meu preço.

Tudo bem! Enganos acontecem, pessoas mentem e machucam e tristezas deixam suas seqüelas as quais aprendemos duramente a conviver. Será outra, entre tantas que me assombram.
Perante meus olhos, tudo ainda é enorme, tudo dói bastante a ponto de fantasiar que meu coração não está comigo, mas no fundo eu ainda o sinto, sei que está aqui. Por mais que ultimamente desvia de certos caminhos e me veja em certos lugares que não quero ir, meu velho coração está sim comigo.

As fugas cegam, tiram proveito e sempre acabam nos jogando a buracos obscuros e numa escuridão jamais se encontra algo proveitoso e sim frustrações. É assim que encaro tudo hoje.

Ah, minha querida mãe... confesso que se não fosse por ela eu não saberia escalar esse abismo e muito menos me curar dessas feridas. Ela é a única que consegue enxergar além de mim e me conforta com seu amor infinito e claro.

Não procuro amigos quando estou no meu casulo peculiar. Não sinto vontade de ver ninguém e muito menos conversar, pois meus erros começam a me envergonhar.
Havia trazido a tona uma velha Jana guardada há anos, aquela doce, sonhadora e uma menina irremediavelmente sentimental. Onde o amor era sua meta e se sentia feliz mesmo não tendo nada. Ela invadiu meu ser com sua alegria irresponsável e desnecessária (tai o motivo pelo qual eu a abandonei dentro de mim). Mas como a não convivência trás também à tona a realidade, sabia que aquela não era mais eu. Não faz parte do meu mundo atual e assim fui inconseqüente demais comigo mesma.

Aff... guardei-a mais uma vez, mas agora está trancada. Não tenho espaços para criancices e voltar a si vem sendo a coisa mais sensata que ando fazendo. Foi loucura encaixotar as experiências de uma vida inteira, só para ser feliz por momentos...
A inocência definitivamente não faz parte de mim. Afinal ‘experiência’ não dá pra esconder. São medalhões da alma, os quais se adquirem vivendo... vivendo.

De quebra ganhei mais uma. Mas ao invés de orgulho, sinto arrependimento. O que tirei de bom disso tudo ainda não consigo descobrir (minha autocrítica não permite tal façanha).
Não olho mais pra trás, me recuso a isso. Estou apenas em busca do pulsar forte do meu coração e esse é o único que devo me preocupar.
Uma hora vou entender os porquês de tudo isso e volte a acreditar. Por enquanto, meu casulo é o meu melhor lugar.

By Jana

domingo, 23 de maio de 2010

** Vai **


Dias de aprendizado e de uma aproximação máxima com Deus.
É ele quem está alimentando minha alma de boas esperanças e me preparando para um novo seguimento. Fiz muitos planos nesses dias em que estive ausente e olhando o mar parece que consegui fazer com que minha essência pudesse se acalentar com um pouco de paz. Em dias assim, sem sol, como costumo classificar, nada melhor que meu próprio silêncio, afinal não tenho nada pra falar com outras pessoas e muito menos se queixar.

A saudade ainda me faz chorar ao acordar e sempre quando sinto certo aperto no peito. Mas sei que é meu coração tentando me fazer entender que tudo continua. Sei que certas lembranças vão ficando para trás conforme meu desejo... e que um dia estarei livre desse sentimento absurdo e que fez de mim feliz momentaneamente. Talvez isso que mais machuca.
É difícil abandonar algo que te fez tão bem e não adianta tentar encontrar erros só para se sentir menos culpado. Vivi querendo acertar e perdi porque não era meu destino. Hoje tudo está claro. O fim já não machuca tanto, como disse, é só a saudade que incomoda.

Ando adormecendo nos braços do pai. Ele que sopra aos meus ouvidos minha força interior, que me alimenta e vem tentando acalmar meus soluços. Ele que enxuga minha face molhada e me diz... continue...

E a palavra ‘esconder’ já não me fere. Pois as gurias são as quais eu tenho que verdadeiramente viver, mesmo que sem um coração, mesmo que sem o amor que sempre sonhei. Elas são e serão sempre, as flores do meu deserto.

O amor continuará dançando sua música pra mim. Serei sempre essa sentimentalista nata, mas não mais sua escrava – tai uma das coisas que aprendi.
Hoje sou diferente de antes, algumas idéias se consolidaram e não sinto mais a necessidade de curar o amargo com novas ilusões, não sinto vontade de procurá-las em cada canto e nem procuro meias verdades em um olhar. Pra ser sincera quero me curar sozinha, como um paciente que em plena saúde do nada entra em coma e gradativamente vai retornando a si, vai deixando suas dores para trás e adquirindo novamente sua vida.

Dissabores acontecem. As seqüelas ficam, isso é inevitável e quando a dor passar, sei que vou ver tudo diferente. Sabia do risco e arrisquei sem ter tempo para pensar em mim. Confesso que certo arrependimento me bate, pois poderia ter evitado, mas a gana do meu coração falou mais alto e hoje só posso respeitar sua entrega. Não importa que nesse momento eu sinta que o pior ficou para mim e meu mundinho de contos de fadas.

Mas enfim, estou me limpando. Tirando tudo aquilo que não me serve e jogando fora. Ainda há muita coisa para tirar da gaveta da alma e me desfazer e o tempo vem me ajudando muito. O foda é olhar as gavetas e ver tudo vazio, pois não sobrou nada de bom pra deixar ali, nem mesmo um sorriso...
Mas o tempo não depende de minhas vontades, na hora certa terei muita coisa boa pra guardar, o jeito é esperar. O ponto de luz pode ter sido retirado ou apagado, mas eu continuo viva e segurando com todas as forças, essa mão divina que está ao meu lado.

Obrigada Senhor, meu Deus... Por tudo.

By Jana

sexta-feira, 21 de maio de 2010

** Se FoRam **


Confesso, acordei achando tudo indiferente, sentindo cada dia igual. Talvez isso passe, sendo eu tão inconstante. Ontem cheguei desfazendo tudo, me livrando de alguns pesos, perdoando meus enganos, quem sabe assim não chegue mais perto de mim...


Tanta coisa foi acumulando e agora sinto falta de um vão para me esconder. Tudo está preso na garganta e meu coração anda cada dia mais calado, como se quisesse me punir de alguma maneira.


Estou triste comigo. Verdadeiramente.

Nem mesmo o mar me trouxe sossego ou paz de espírito, pois estou fria ou congelada por dentro, sei lá. Finjo não ver nada disso, finjo que estou bem, isso me faz imaginar que nada existiu de fato, que me encontro no mesmo lugar de meses atrás.


Mas dessa vez não vou esperar nada de ninguém, vou trocar os passos com a solidão como sempre, pelo menos essa não machuca tanto.
Na verdade minhas “esperas” me levaram para muito longe e nunca dei importância que o retorno seria sozinha, onde fatalmente me arrependeria de ter distanciado tanto. Aprendi coisas incalculáveis dessa vez e pago o preço alto por ter sido tão confiante (caralho, o homem perfeito não existe!). Hoje sei o significado de uma entrega verdadeira, mesmo passando por cima de todas minhas feridas... mas tudo acabou! E lá no fundo acredito que essa tal felicidade ainda vai sorrir pra mim, mas de verdade... sem enganos.


E aqueles sonhos que tinham tanta vida, deixei que fossem embora em um barco qualquer que fiquei olhando até desaparecer no horizonte... As lágrimas são as ultimas coisas que me importo agora, uma hora secam...
É a única certeza que tenho nesse momento.

By Jana

terça-feira, 18 de maio de 2010

** O cAmiNho VoltA a SeR o MesMo **



Eis me aqui novamente antes do esperado... sim... eu mesma... e meu coração amargurado...

Dessa vez a página se virou...

E estou de encontro com uma totalmente em branco, sem saber direito como preenche-la... se com palavras doces ou com tudo isso que gostaria de por pra fora...


Se alguém tiver em mãos uma receita para se viver uma nova vida sem partes importantes, me ensine...

Viver poderia se resumir... em eu e eu mesma... sem sombras, sem passados, sem esconderijos internos, sem buscas ou perdas...

Mas meu mundo é altamente surreal.


Crio e fantasio, tudo a minha mais grotesca maneira de achar o que tanto procuro...

Amanhã estarei na praia (sim, uma fuga... pois eu sabia do meu presente, já o sentia indo ao longe, me dando suas contas, magoando meu viver, levando consigo sua representação tosca).

Porque sempre cabe a mim pular no abismo de olhos fechados??


Pulei.

E minhas únicas certezas era o bater descompassado do meu coração, o qual me ilude sempre que sente necessidade de enganar...

E tudo que senti hoje, foi a vontade imensa de sair daqui (desse lugar escuro), mas algo prende minhas pernas, minha vontade, minha história e minha visão.


Nesse momento eu estou indo embora...

Quero distancia de mim...

Prometo ignorar qualquer lembrança de felicidade que senti...

Prometo esquecer o rosto da saudade...


Não há mais espaços embora essa página esteja em branco em minha frente...

Arranco de mim com todas as forças do meu ser esse sentimento besta que só viveu por si só.

Vou esquecer.


Novamente a caminhada é solitária...

Não preciso de mais nada no momento... ficarei bem!


(...)

by Jana





sábado, 8 de maio de 2010

** HoRa d DesCanSar **



Estarei ausente por uns dias, mas prometo sempre que puder postar alguma coisinha...
Que Deus esteja presente em nossas vidas, sempre!


bjOoo

Jana

sexta-feira, 7 de maio de 2010

** S2 **


Sobre todas as coisas que eu desejo acreditar, estar com você é que mais se parece real.

Pois saiu dos sonhos e me salvou.

E tento apenas aprisionar nossos momentos...

Não desejando que se acabem jamais.

Mas eles se vão e apenas os compassos de uma música me trazem de volta.


Sempre perto de você.

As horas tornam-se inimigas...

E conseguem fazer seus próprios estragos em mim...

Deixam a saudade...

Saudade constante...

Absurda!


Mas que se torna ausente quando encontro seu olhar...

Que me invade violentamente,

Mas não sinto dor...

Sinto-me aliviada, afinal novas lembranças restarão...


Algumas coisas nos fizeram rir,

Outras chorar...

E presente ou não, somos um.

Estou em você, como está em mim.

E nada pode mudar isso, apenas nossas próprias vontades.


E sei que quer ficar.


Ignoro meus medos,

Mas eles me atormentam de vez em quando sim.

Sempre vai ser assim,

A insegurança vai me fazer tremer de frio quando quiser.

Mas se estiver agasalhada com seu amor,

Aqueço-me depressa.

Esqueço.


A cada palavra escrita nessa história,

Torna-se mais e mais real.

E tudo ganha vida...


... no seu olhar está a paixão que sonhei pra mim.

Esta que é a grande verdade!



(...)

By Jana


quinta-feira, 6 de maio de 2010

** ... NoVo ReComEçOo SimMm **


Velhos fantasmas surgem para me assombrar.

Eis que venci uma etapa inteira sozinha, ofegante, mas passei por ela.

Dias, meses a fio aprisionada em um contexto apenas meu... Criado pela imaginação e desfeito com uma realidade um tanto quanto cruel. Tudo acabou.


Sinto alivio e nem uma mínima vontade de olhar para trás.

Mas os fantasmas insistem... insistem...

Hoje me vêem, hoje se deslumbram em meio a sonhos grotescos e exigem minha presença, mas se esquecem que já parti há tanto tempo... não deixando nada para trás, nem mesmo uma lágrima... nada!


Só eu sei o que se passou de fato. Das noites que não dormi e as manhãs que eu não tive coragem de enfrentar... Do riso verdadeiro que perdi ao me olhar... e o preço alto que paguei por minhas escolhas.

E minha escolha tem nome e meu sobrenome. Minha, apenas minha.

Uma flor rara nascida em meu deserto. Digna do meu amor incondicional.

Em certas partes, morri para que ela nascesse em mim...

E faria isso mil vezes se necessário...


E agora esses fantasmas me aparecem?

Por Deus!


Nada mais posso sentir do que desprezo (uma palavrinha com um sentido forte eu sei), mas que se encaixou perfeitamente nessa história sem herói ou mocinha.

Estou e me sinto diferente agora. Recuperei-me em meio à devastação da minha própria essência... há outro sentido no brilho dos meus olhos...

Uma luz radiante, que ilumina tudo... Enche-me de sentimentos bons e me fez descobri que o amor não é mais intenso ou maior que os outros se é sofrido, amargurado ou triste. O amor é também se sentir feliz e em paz...

É estar bem consigo mesmo e achar que se renasceu de novo, sem feridas abertas, sem lacunas, sem histórias sofridas ou passadas... é tudo novo!


Sou e estou feliz com meu ponto de luz.

E nem sei explicar o quanto.


É meu novo amanhecer a cada dia.

Xô, fantasmas...



By Jana


http://www.youtube.com/watch?v=3VIQ3Mo2x9w