quarta-feira, 27 de agosto de 2008

CulTuRa é TuDoOo



quarta-feira, 27 de agosto de 2008 17:14h

Realmente a cultura de uma pessoa não se resume apenas em ler bons livros, tem que se atualizar. Saber oque se fala e como fala. A prática requer atenção e simplicidade para não sair da linha e acabar ridicularizado por sua façanha. Sempre fui sincera em dizer que um homem culto me atrai. Se ele for misterioso, calmo e calado, vixi perco as estribeiras (mas nada de dar na vista, tudo discretamente admirado).
Hoje em dia é praticamente raro ver alguém com um livro a tira a colo (seja no ônibus, em um banco qualquer ou naquela hora gostosa do almoço). Esses dias até assustei. Era domingão (eu vinha do trabalho, mais cansada por perder meu domingo trancada nesse marasmo, do que com o trabalho em si). Nem acreditei quando cheguei ao ponto de ônibus e lá estava o microônibus me aguardando... Não pensei duas vezes para jogar o cigarro (que acabará de acender, já imaginando as horas de espera do tal ônibus) e passar a roleta. Sentei-me no fundo. Dois minutos depois, entra um homem (talvez beirando minha idade). Lindo (alto, forte, moreno, olhos claros e com um perfume digno de um Deus)... poxa, para minha fraqueza sentou-se ao meu lado e em seguida retirou de sua mochila um livro volumoso (mas infelizmente minha curiosidade não pode ser sanada e acabei desistindo de tentar ver o título ou do que se tratava – ah, só por curiosidade).
Sempre tive o hábito de observar o semelhante em si. Posso estar à toa, mas reparo cada gesto, cada movimento (isso é como uma brincadeira, não há maldade nenhuma nisso) e assim fiz com o tal rapaz até o momento onde ele fechou aquele livro para seguir seu destino.
Cara, esse desconhecido nem imagina os pontos que teve comigo (ta certo, que entre uma página e outra ele talvez tenha notado minha admiração, pois houve um momento que olhou para mim e sorriu discretamente). Eu simplesmente retribuí o sorriso (como forma de desculpas, por tentar invadir seu mundo, sua intimidade).
Ele desceu. Foi embora e eu fiquei imaginando como iria postar essa minha indignação contra a não-leitura.
E pensar que descobri a leitura aos meus 12 anos e tive como foco nada menos que aquelas revistinhas de romances (do tipo Sabrina, Bianca). Ah, eu chorei muito com as histórias e em poucas horas devorava duas edições sem perceber. Acabei pegando gosto pela coisa e comecei a devorar tudo que via pela frente (até na Biblioteca municipal eu me enfiava, não a trabalho-escolar, mas sim por curiosidade). Graças à modernização, hoje posso me considerar uma internauta de porte. Mexo em tudo que é site, leio tudo que me prende a atenção. Sinto saudades de um velho livro. Da sua companhia fiel. Mas não o deixei por completo. Ainda encho o saco dos amigos para sempre me trazerem algo para ler e assim vou indo.
Como aquele homem no ônibus, com certeza, devo instigar a curiosidade alheia (pois não penso duas vezes em tirar meu livro da bolsa e dar-lhe espaço em minha vida). Pois não há nada mais gostoso do que se prender a uma historia fascinante totalmente fora da realidade... Enfim, a imaginação continua sendo prazerosa se usada positivamente.

BjoO
Jana

sexta-feira, 22 de agosto de 2008

O q ViRá sOh DeUs SaBe!


sexta-feira, 22 de agosto de 2008 16:12

Sexta-feira gritando e um tal de fenômeno climático conhecido como ‘veranico’ fazendo o que bem entende com a gente. Agora sim, eu estava a espera de retirar todas aquelas blusas e calças do armário e ao invés disso, sou obrigada a guardá-las e sair por aí carregando uma garrifinha de água a tira colo (com medo da desidratação precoce), sem contar que o meu desejo do momento seria o de estar bemmm a vontade como costumo ficar em casa, curtindo o calor da minha solitude. Ah, os tempos deixaram de ser os mesmos e ao contrário, brincam com nossa saúde (algo lamentável). Um calor desses e eu aqui, amargando uma gripe daquelas!

Ontem tive o mérito de trabalhar no turno da manhã (o meu favorito por sinal)... Parece brincadeira, mas passar a tarde toda em casa e a noite também acaba fazendo uma grande diferença para o meu curriculum de mãe. Agora, trabalhando no turno da tarde, eu mal tenho tempo de cuidar da casa de manhã e a noite chego junto com meu estresse físico e mental... Conclusão... não sou boa mãe e muito menos dona de casa, falta-me tempo até para ser eu mesma.

Os pensamentos são positivos para uma mudança total em minha vida. Não deixei de sonhar, mas a realidade me impõe certos castigos. Estou aguardando o sinal verde para poder avançar (com cautela dessa vez, sempre olhando para os lados, para prevenir acidentes).
Por ser delinqüente, meu coração está sendo mantido em cárcere privado. Nada de visitas, nada de procurar amores de verão (já que estamos no inverno, certo?!). O momento é de reflexão. Tudo detalhadamente manipulado. Novas técnicas, nova maneira de encarar as coisas e pessoas.

Deixei de ser cética há muito tempo. Parti para a realidade e para a paciência em aguardar o momento e hora certa dos acontecimentos. Não preciso ver pra crer. Prometi não me arriscar mais nesse impulso infantil que me trouxe grandes danos (até que enfim, estou aprendendo). Estou apenas obcecada em acertar os pontos comigo mesma.


Bom, mas voltando a sexta (meu dia predileto da semana). Hoje marquei um happy hour com dois amigos, que alias, toda essa bagunça sentimental me trouxe de presente: Tato e Lulu – ambos tenho grande estima e consideração.Trarão com eles lembranças que eu quero esquecer (sim, claro) mas já que resolvi sair dessa maré que não me leva a nada, aprenderei a controlar minhas emoções. Brindarei a favor da libertação e isso o passado e nem o presente poderão me tirar, já que a escolha é só minha. Viva! E Tim-tim pra todos.

BjoOo
Jana

quarta-feira, 20 de agosto de 2008

DeScOBrIr-Se!!!!



segunda-feira, 18 de agosto de 2008 17:11h

Como diz meu horóscopo de hoje, ando sentindo uma sensação de peso ultimamente, e isso não é normal. Estou realmente tentando fazer da minha casa o meu útero.
Nada de baladas, nada de curtição. O momento real é de descanso mental. Filosofar sobre minha própria experiência e tentar me achar.
Confesso que colocar as coisas no lugar requer ‘grande’ trabalho e desempenho de minha parte. Mas já arregacei as mangas e estou na luta!
Depois dos 25 anos as pessoas tendem a entrar numa fase de descobrimentos. É uma tal de busca interior... busca pelo cara certo, pela realização dos sonhos perfeitos, trabalho ideal, amigos companheiros. Enfim, você acaba na obrigação de ‘se colocar no eixo’ de uma vez por todas.
Anseio pela calmaria total. Olhar o horizonte e encontrar a paz necessária ao pôr-do-sol.
Essa enchente emocional irá passar (tenho absoluta certeza disso). Eu só queria que ela fosse embora logo e desnudasse meus pensamentos e parasse de me deixar freqüentemente em crises desnecessárias.
A vida por si só, vale a pena. Independente de qualquer conquista ou situação, estamos todos navegando em um mesmo barco que certamente nos levará a um lugar de paz, harmonia e tranqüilidade. Eis o que busco depois dos 25 (e olha que daqui a dois meses entro para o clube das mulheres de 27).
Sou curiosa com o mundo ao meu redor, principalmente em relação às pessoas, seus sentimentos e atitudes, e porque não ser assim comigo mesma?
Eu só sei que tudo é complicado quando enxergamos tudo negativamente.
O bom é usar a dose do realismo quando precisamos dele. È juntar forças entre um sorriso e outro para liderar a embarcação e tomar controle da situação.
Li em um artigo que devemos nos acostumar com a solitude (ou solidão, chame-a como quiser!). Ela serve como um espelho... mostra teus medos mais ocultos, suas falsas personalidades, seu jeito mesquinho de ser, seu eu altamente modificado por suas fantasias e ilusões.
Fugir não é a solução!
Fique e encare. Descubra o que você quer “agora” para você ou de você.
Tudo é esquisito... amor, ilusão, alegria, solidão. Mas tudo está dentro da gente sem manual de instrução... O prazer é descobrir-se cada dia mais.
Pelo menos eu, to sem preguiça!!!!!

BjoO
Jana

sexta-feira, 15 de agosto de 2008

VoCê... sEmPrE vOcê!



Eu te procurei, mas não o encontrei em lugar algum. Talvez esteja perdido em algum lugar qualquer, em meio à bagunça da gaveta, em meio a papéis sem importância. É assim que te vejo, oculto, alheio a minha vida e a meus movimentos.
A culpa sempre cairá sobre mim. Pois eu deixei que chegasse... permiti sua presença sem valor e depois quis esquecer. Agora é tarde.
Aonde quer que eu vá, te levo comigo. Estás meio escondido, mas sei que está aqui. Hora em toda minha corrente sanguínea, hora meio ofuscado no cantinho dos meus olhos.
É inevitável te esquecer, já que seu rosto se faz presente em cada pessoa que observo. Até seu perfume vem com o vento para me fazer chantagem e derrubar minha alegria. Perco a vontade de continuar, quero apenas fugir.
Sinto-me feliz quando acordo sem sua presença, mas basta alguns minutos admirando o amanhecer para que meus planos percam os atrativos, afinal onde você está? O que está fazendo? Por que não some de vez, levando consigo toda essa loucura.
Eu quero esquecer seu sorriso, seu cheiro, sua presença forte.
Quero ser eu só mais uma vez, sem lembranças... apenas eu.
Não haverá borracha que apague toda escrita e nem fogo que destrua o que comigo está.
Há apenas uma ventania incessante estagnando meus sentidos.
No final, sou apenas mais uma... apaixonada entre os milhões de corações desse mundo a fora. Nada que digo é excesso ou anormal para quem já sentiu, para quem já perdeu ou que queira se perder nessa ilusão tola.

Grande loucura!

BjoOo
Jana

P.s.; NoOosaaAa, como estava inspirada hein!!!! Escrevi isso ontem, meio por acaso, meio que num impulso... Vale lembrar que não há dedicatórias, nada... Apenas deixei meu lado "romântico" aflorar um pouquinho, já que há tempos ele se mostra totalmente mudo e oculto...

bom final de semana

aTirAndOo nOo EsCuRoOo



Estava sentada e por instantes naveguei em meus sentidos. Tanta coisa para resolver, tanta vontade de me colocar na direção dessa máquina chamada vida e resolver tudo a meu modo. Pular planos acaba sendo frustrante, mas o que fazer diante de um destino indeciso? Eu apenas segui meus impulsos e optei pelo que achava certo.
Vejo os anos se passando, impiedosos como um trem desgovernado. Quero parar essa máquina, quero ter controle sob ela, mas não dá. As opções são poucas e o negócio é continuar atirando no escuro, achando que terá como alvo sua felicidade...
Sempre busco a felicidade. Independente de como ela se pareça, ou seja. Quero ser feliz e isso não me deixa naufragar. Vacilo sim e muito, mas sempre querendo acertar. Uma hora acabo dando sorte, mas por enquanto a briga é no mano-a-mano com o destino.
Escorrego nas lembranças e tropeço no que já se foi e no que virá. O passado e o presente são para mim feito fantasmas perturbadores.
Acho que todo mundo já passou pela fase de ‘desejar’ mudar tudo na vida, assim de um dia para o outro, do nada. Mas infelizmente as mudanças acontecem quando você menos espera, assim de surpresa. Deus realmente sabe o que faz (afinal ele é o senhor do tempo e do que chamamos “de o livro da sua vida”).
Se fossem mencionar aqui meus sonhos, acho que esqueceria de mim, pois são tantos. Então prefiro a opção de deixá-los quietinhos dentro de uma caixa imaginária.
A prioridade atual consiste em desenhar o futuro das minhas florzinhas (essas sim merecem todo o meu desempenho). Está em minhas mãos dar-lhes o meu melhor (muito mais do que tenho de sobra: amor incondicional).
Não importa se tive sonhos rasgados ou desfeitos. Já que tenho que ser espelho para duas coisinhas lindas, que elas tenham em mãos o reflexo de uma guerreira...

BjoO
Jana

sábado, 2 de agosto de 2008

sEm JulGaMenToS... ViVa aPeNaS!



sábado, 2 de agosto de 2008 18:01h

Falta pouco para curtir o sábado da maneira que me é de direito. Trabalhar é bom, mas cansa. Chega a ser tedioso (se ao menos eu estivesse de frente a uma paisagem bonita! Mas o bosque lá fora não me trás muitos atrativos e nem mesmo muita opção).
Estou curtindo o momento favorável – eu decido as coisas como quero, sem muitos grilos (mas no fundo estou realmente sem saber o que fazer, mas não serei trouxa em mostrar-me vulnerável). Auto-confiança é tudo, devo acreditar no que quero.
Sou insegura sim e em muitas coisas, mas procuro me manter do outro lado do muro – observar é meu ponto forte.
E pra quem já não está entendendo nada, ESTOU NITIDAMENTE falando de sentimentos.
Já fui pior. Já fui romântica ao extremo e quebrei a cara com isso. Só que romantismo não se perde, se perde sim é à vontade de mostrar isso claramente (pois no fundo você acaba esperando uma boa ação da parte que o seu coração escolheu). Você não deixa de sonhar só porque teve parte dos sonhos queimados feito um papel sem valor. Você não esquece aquilo que está impregnado em você feito perfume ou marcado como tatuagem. É grotesco, eu sei. Mas é a real. Sentimentos são inexplicáveis. Amamos e ponto e se odiamos também.
Por enquanto ainda deixo rolar o sentimento que aflora quando menos espero. Se um dia ele vai embora?? Só o cara lá de cima poderá arrancar-me do peito (pois não é ele quem decide meu caminho? Pois então. Que assim seja).

Já havia dado por vencida, mas não estou. Havia decidido mil e uma coisas e falado tantas outras, mas para se terminar algo descobri que dependo de um acordo em comum com a parte alheia e essa não quer deixar que eu voe sozinha. Se eu não gostasse, o mandaria passear. Mas está ali todo o meu pensamento diário (e é exatamente aí que me traio).

Mas uma vez estaremos nesse sábado, frente a frente. Me pergunto se saberei ter nas mãos as rédias da situação, se serei firme mesmo ou firme feito prego na areia! O problema é e sempre será a aproximação. Essa aí é fatal.

Bom, sem muito o que escrever paro por aqui para não trair meu próprio dedo digitando aquilo que a minha razão não deseja nem por um milímetro. Além de não ter controle sobre minhas ações, a minha alma me faz perder totalmente a razão. Espero que me entendam.

Um bom sábado e um domingo melhor ainda.
BjoOo
Jana

sexta-feira, 1 de agosto de 2008

Ele lEvA tUdO, sEm PeDiR... pQ?




sexta-feira, 1 de agosto de 2008 16:48h

Mais uma semana se põe em seu devido lugar: no passado. Lamentável saber que tudo que vivemos um dia vai embora. Ficará preso em sua história e morrerá junto com você, em sua lembrança.
Sinto saudades de muita coisa que já vivi. Dos amigos antigos, de lugares, de certas brisas e principalmente do sorriso inocente e verdadeiro.
A vida seria frustrante se pensarmos só no que se foi. O bom (e o que todo mundo gosta) e de sonhar com o futuro, de fazer planos e mais planos. A saudade é um sentimento egoísta e que ao meu ver nem deveria existir, mas é o que move nossas vidas, nossos sentimentos (então, que venha essa senhora saudade e nos deixe a mercê do momento).
Hoje eu tive vontade de mudar minha vida (mas mudar de verdade). Gostaria de sair da cidade e deixar para trás anos de história. Mas tenho raízes, tenho já saudades do que ainda nem mesmo tive coragem de deixar... Correr definitivamente não é a solução (acho que estou precisando mesmo é de um momento só meu, sem rostos conhecidos, sem sentimentos aflorados).
Para relaxar essa mente que não pára, acabo de sintonizar meus pensamentos a uma boa música (calma, suave) e deixo fluir meu estado de espírito negativo, afinal não preciso dele nessa sexta e muito menos em um final de semana que está brotando no horizonte.
Cansei de inflar a auto-estima alheia, to precisando encher a minha bola. Pois ultimamente só ouço, mas ser ouvida que é bom, nada... Aprendi que sou euzinha a única a meu favor e tenho a obrigação de cuidar de mim. Amigos te acham quando precisam, te buscam no inferno se precisam!
Deixei de ser assim há muito tempo, os anos me trouxeram a experiência de cuidar da minha vida sozinha, sem apoios, sem muletas (mas isso não quer dizer que eu não preciso de amigos – apenas os quero por perto para dividir momentos bons e não problemas sem solução). Deixem os momentos ruins pra lá e curta intensamente os bons, pois estes são passageiros na vida de uma pessoa comum como eu. Pois assim, quando a senhora saudade chegar, teremos coisas agradáveis para lembrar.

Que a noite chegue e abale meus sentidos. É isso que espero pra logo mais. Que eu tenha uma boa noite e que adormeça feito criança sem deveres, sem remorsos. Que toda amargura fique no passado, este cara responsável em levar toda minha vida na bagagem sem nem mesmo me pedir permissão.

Boa noite galera!!!
BjoOo
Jana