sexta-feira, 29 de janeiro de 2010



Sozinha, meu pensamento focaliza em alguém. Deixo-o livre, e de repente meu coração aperta. Mas não estou triste, pelo contrário, deixo escapar um sorriso.
Comer não me parece tão importante, agora me sinto alimentada por outra coisa.
Acordo sempre com os mesmos pensamentos, e os mesmos me impulsionam a ter um grande dia. Quando te vejo sinto coisas estranhas, mas boas. Quando falo com você minha cabeça pensa direito, mas minhas palavras saem embaralhadas, e minhas mãos ficam suando.
Meu pensamento focaliza alguém, esse alguém é você.
É, estou amando.
---------------------------------------------------
(Bob Marley)

terça-feira, 26 de janeiro de 2010

** AoNdE mE eNcOntRaR **


Essa vida é mesmo minha?
Sei lá. Às vezes acho que sim e muitas outras, acho que não.
Sigo o curso de uma vida escolhida, mas deixo para trás tanta coisa que queria fazer ou viver... Deixo para trás todos os dias sonhos moldados com carinho, mas que na realidade
Tornam-se contrários, pois acabo vivenciando aquilo que não sinto realmente meu.

Estranho!
Sinto-me estranha. Sinto-me perdida em minhas próprias entrelinhas.
Estou a observar o desenho da minha vida e descubro que exagerei nas cores. Queria o sutil. Mas saiu tudo diferente, forte... Inconseqüente.

E o drama é que não há rotatória. Desvio ou uma forma para se voltar e consertar tudo.
É fato.
Aceitável ou não, meu próprio dilema.
Fruto meu, erros meus.
Que se fazem presentes, perturbam minha mente.
Velhos camaradas assustadores que me visitam o inconsciente, quando menos quero.
Apontam meus sonhos esquecidos e me assombram com punições bestas.

O que fiz da vida?
Porque não tive ao lado aquele anjo que ajuda a tornar tudo realidade?

Ah, nem julgo pela falta de fé. Porque essa sim, sempre esteve em mim. Nem me levanto contra a esperança, pois esta também esteve aqui como amiga que não larga, não abandona. Foi fiel a mim...

A frustração é obvia quando ao longo de certos anos, não se enxerga nem mesmo um pedacinho do próprio castelo. Nada construí.
E não adianta apontar um culpado... não há como mudar o contexto e nem fingir que estou bem. Nessas horas tudo vai mal.

Tenho só as violetas que ganhei (dos céus) para se por na janela (e que janelas?). Elas ainda são imagináveis, grandes e feitas de madeira pintadas em branco. Cor da paz. Reais em meus sonhos.

Outrora o caminho parece-me longo e quando estou assim, curto.
Borro o desenho de cores exageradas com lágrimas, que sei lá de onde surgem... Apenas brotam. Antes tinha o autocontrole, hoje deixo que venham... que ganhem o mundo. É o que menos me preocupo.

Se esta vida é ou não minha, estou no piloto confusa.
Uma hora me acho, numa dessas esquinas... onde por equívoco me perdi, onde fiquei parada esperando nascer o sol e com ele uma nova vida...

By Jana

quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

** Se ACaLmE, nAtUrEzA **


A natureza ultimamente vem detonando a vida de muitos – ou nós a detonamos há algum tempo? – sim, certamente que sim. Mas mesmo assim não posso evitar essa sensação de ‘inutilidade’ toda manhã quando chego ao trabalho e me deparo com o noticiário matinal. Lamento mesmo pelo povo do Haiti e pelos irmãos brasileiros que a cada nova gota de chuva choram desesperadamente vendo seus sonhos de uma vida indo correnteza abaixo. Isso sem contar os irmãozinhos e irmãzinhas que tiveram suas almas levadas nesses dias sem sol, de deslizamentos, enchentes e tristeza.

Resta apenas alagar meu coração de compaixão. Deixar a lagrima escorrer solitária toda vez que vejo na TV o sofrimento do meu próximo – haitianos, brasileiros – não importam. Pra mim serão sempre irmãos de almas. O que será desse povo? O que será das tantas crianças que ficaram órfãs? O que será dessas pessoas que ficaram desse lado de cá?

Claro que Deus é justo demais para abandonar teus filhos. Tenho em mim que mesmo em meio aos escombros, a luz divina está lá... Confortando, acariciando o espírito daqueles que se vêem na escuridão de não saber por onde sair... De onde recomeçar. Amanhecerá um novo dia, talvez ainda um pouco distante... mas amanhecerá. A escuridão sempre é uma professora oculta... nos ensina a vencer e nesses casos, voltar a viver.

Torço para que a natureza abrande sua fúria. Se acalme.
Peço por todas essas pessoas diariamente.
E agradeço a Deus por estar aqui, intacta, com minha rotina habitual.
Sou solidária espiritualmente. Isso não me cansa, não me falta.

Enquanto todos lutam por uma nova vida, novas conquistas, novos espaços. Eu apenas luto pela paz espiritual, pelo conforto da alma, pela esperança perdida, partida. Nas minhas orações não peço por mim, peço pelo mundo, peço por minhas filhas, por minha família e todos aqueles que amo incondicionalmente. Pois minha alegria é vê-los bem. Sorrindo.
Nesses momentos é que encontro minha felicidade.
Pois o resto é meramente uma conquista!


By Jana

quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

** QuEirA sEr FeLiZ **


A felicidade é um horizonte conquistável.
Você olha, admira e sabe bem lá no fundo do coração, que pode sim ser feliz. Muitos desistem no meio da caminhada... criam obstáculos ainda maiores, vivem de criticas e esquecem-se apenas de caminhar... aos poucos e lentamente... rumo ao sol que brilha lá na frente.

Eu quero e posso ser feliz – eu vou ser.
Sei que até chegar à felicidade completa, serão várias as mudanças de tempo. Enfrentarei dias de sol, chuvas, tempestades, alagamentos, frio e vento. Mas se tenho esperança, tenho tudo. Pois a esperança vem do céu, daquela força divina que sempre falo.

Ontem eu achei que a imagem desse horizonte estava meio ofuscada, sem brilho, sem cor. Por um instante me vi perdida, sem chão, sem coragem. Mas a felicidade conspirou a meu favor. Usou o que tem de melhor (o amor/amizades) e me colocou novamente no caminho certo.
Chorei.
Por um triz me vi entrando de bagagem e tudo a aquele mundo que eu tanto temo. O meu próprio. Frio e solitário. Escuro.
Mas tudo ficou bem.
Puxaram minhas mãos. Trouxeram-me as cores novamente.
Foi a felicidade batendo em minha porta, pedindo para que continue a observar pela janela. Calma e serena.

Sim. Agora estou de volta em mim.
A tempestade se afastou... vejo-a lá longe...
Mas estou aqui, segura com meus sentimentos. Intactos.
Ficaria infeliz se perdesse de vista esse meu horizonte de felicidade...
Não saberia retornar para casa sem você, coração.

Se entregue... a felicidade é toda nossa!

By Jana

terça-feira, 12 de janeiro de 2010

** AcEiTe-mE ApEnAs, EsSa SoU eU **


Aprecia-se o que é belo, bom vocabulário, papo versátil. Aprecia-se a beleza física, cores de cabelos, estilos de se vestir, diga-se de passagem, o mais comportado ou no estilo da moda que seja.
As pessoas apreciam opiniões, criticas e são eternos escravos dos pensamentos alheios.
Faço isso ou aquilo não por mim, mas para agradar fulano de tal ou bertano ou até mesmo cicrano. Canso-me disso.
Ninguém tem mais vida própria. Opinião própria. É sempre uma questão de se agradar.
Sinceramente não nasci para agradar ninguém, nem mesmo minha mãe, tal pessoa esta que sonhava com meu rostinho angelical nove meses a fio. Nasci como escolhi. Com as características que quis pra mim e que Deus me permitiu que as trouxesse para essa vida.
Mas enfim, não nasci pra agradar ninguém. E continuo com a mesma sensação.
Quero usar as roupas que gosto... Aquelas velhas e desbotadas... curtas, pretas e básicas.
Às vezes acordo com instinto de princesa e muitos outros, quero ser apenas eu. Cabelos em desalinho, sem sombras e maquiagem... pés no chão descalços, fala simples e debochada.
Posso ser mansa, mas na maioria das vezes é meu temperamento forte que prevalece. Gostos das coisas certas, sinceridade. Gosto de verdade.
Não sou fácil, sei disso. Pois até mesmo os meus defeitos foram escolhidos a dedos para saber superá-los ou aprender compreendê-los.
Mas no geral, sou humana. Coração gigantesco de alma transparente.
Sou feito um bicho carente, que esquece de sua força demasiada e deita-se num canto qualquer querendo cafuné.
Do nada sou mulher.
Mas o espírito sempre criança, moleca... onde não vejo maldade em tudo. Quero apenas viver. Da maneira que foi proposto, traçado pela linha do destino.

Não quero lembrar da maldade alheia. Das opiniões sobre mim. Do que gostam, do que não gostam. O que vêem de belo ou aquilo que não é agradável.
Sou bonita pra mim. Sou sincera comigo. Sou honesta na minha visão. Aceito apenas minhas próprias criticas e mesmo assim, ainda as jogo fora, sempre com uma nova aceitação. Aprendo comigo mesma.
Preciso estar ao lado das pessoas que realmente amo. Aquelas que fazem diferença em minha pequena caminhada. Cada uma eu dou a forma de uma flor. Possuem seus espinhos, mas exalam um perfume especial nesse meu jardim.
Sou feliz dessa forma.
Tenho o que preciso.

Hoje precisava que as pessoas fossem elas mesmas. Agissem conforme suas vontades... Saíssem por aí sem rumo, se libertassem. Aceitassem as almas irmãs, olhassem para dentro e não para uma velha carcaça a qual julga-se de passagem, transporta há anos todo peso.
Não há perfeição nesse mundo. Não no coração das pessoas.
E ainda dizem que as plantas não sentem... como não?
Só não entendo como conseguem serem tão belas por fora, tão cheias de vida se por dentro sugam toda maldade dessa terra?
E ainda sim são belas! Nos presenteiam diariamente com um verde incomum. Com o ar mais puro... com a brisa, com sua sombra, perfume e cores que chocam....

Chocam os sensíveis de alma.
Pois muitos outros, embora vivos por fora, ainda não nasceram... não vivem. Dormem perante a um estilo de vida imposto – sabe lá por quem – por uma sociedade – ou bando – de corações vazios.

E numa dessas, que prefiro sempre... ser mais eu.
“Seja você também, mas só se valer a pena. Do mais, continue dormindo”

by JANA

terça-feira, 5 de janeiro de 2010

** DiA eSpEciAl **


Começo o ano com u m post muito especial pra mim...
Hoje minha pequena “Brunynha” completa onze anos... Ah, quanto tempo já se passou e eu ainda insisto em vê-la como uma bebezinha... linda, meiga e fofa.
Sim... ela mudou muito. Agora têm suas opiniões próprias, suas próprias vontades e aos poucos está desenhando sua própria história.

É meu vaso de violetas... aquele que zelo e cuido com todo carinho... dou broncas sim, mas no fundo ela sabe que apenas desejo o seu melhor... que se torne uma mulher preparada nesse vasto mundo complicado. Só quero mesmo e estar ao seu lado sempre...
Sempre segurando suas mãozinhas...

Hoje talvez comemoro mais que ela... pois sua entrada em minha vida foi um presente dos céus.
Costumo dizer que a Bruh é minha base de vida. Meu porto seguro e a Luiza a luz que ilumina tudo... juntas são o que tenho de melhor... de mais profundo...

Agradeço a Deus pela oportunidade de cuidar dessas flores... de poder regá-las diariamente com meu amor incondicional... de ter ao meu lado, almas tão belas... parte de mim... que me completam... me fazem feliz... e fortalezas que me protegem...
Sou eu quem precisa delas e não necessariamente elas de mim...


Bruh, filha...
Meu coração vibra com sua existência...
E nesse dia especial em que você abriu os olhos para o mundo... eu desejo apenas a sua felicidade...
Que meu amor por você seja essencial...
Parabéns anjo!