segunda-feira, 28 de junho de 2010

** Cadê ?? **


A dúvida!

Muitas vezes nos vemos cercados de dúvidas e incertezas. Algumas pessoas quando passam por esse tipo de situação, costumam recorrer a outras pessoas próximas e de confiança, tal como amigos e familiares, ingenuidade pura delas, não sei ao certo oq buscam, experiências dos outros? Sinto muito, mas não valem muita coisa, a experiência é única e não se repete, cada uma se difere das demais, pois envolvem lugares diferentes, pessoas diferentes, pensamentos e palavras diferentes e até mesmo a aceitação das mesmas. Com certeza o aprendizado nunca termina. Não existe parte da vida que não contenha lições. Se você está vivo, há lições para aprender. O problema é que pelo medo de errar, as pessoas costumam checar todas as mínimas possibiliades antes de agirem em busca de alguma coisa, não que isso seja errado, cada um tem seu modo de correr atrás de seus objetivos, mas único modo de evitar os erros é adquirindo experiência, a única maneira de adquirir experiência é cometendo erros, então o erro é necessário, não há como evitá-lo, cedo ou tarde ele acontece, a experiência não vem dos outros, vem de si próprio, com o tempo você vem a perceber o que deve ou não fazer. O que estou tentando dizer aqui é que a experiência não deve ser buscada em outras pessoas, nem em outras vidas, a experiência deve acontecer através do erro, do seu erro, as vezes os outros enxergam isso melhor do que você, mas eles não vão te dizer o que deve fazer, e sim, o que você fez. Enfim, tentar e falhar é, pelo menos, aprender. Não chegar a tentar é sofrer a inestimável perda do que poderia ter sido, por isso sempre pense antes de agir, na incerteza, use a intuição acoplada a razão e nunca esqueça que o êxito só virá através da ação.

Pedro Souza - blogueiro

****

Hoje eu estava a procura das palavras mas elas me traíram, pois desapareceram. Talvez seja por que estou diante de um dilema que nem eu mesma sei explicar. Esse texto que coloquei fala por mim mesma e de quebra, acaba me dando uma certa sacudida.
Chegou o tempo de mudar - e há tempos venho ouvindo essa voz e ignorando-a. Não porque faço por mal, mas como toda pessoa, a tendência é sempre seguir apenas o que desejo e nada inicia-se por aí.
Há momentos em que as portas se fecham, que o escuro aparece e certa solidão é eminente... Já não dá pra ser mais dessa forma... e uma atitude preciso tomar... e eis que estou aqui pensando na melhor maneira de fazer isso...

"Deus" - qual a melhor maneira de seguir? o que fazer?
Sei que fala comigo, mas como uma ovelha desgarrada eu me perco. E faço tudo ao contrário.
Sinto-me cansada.
Essa desobediência vem me sufocando. E sim, é de fé que estou falando. Pois não basta eu saber que ela existe... tenho que alimentá-la, por pra fora... e entregar tudo nas mãos d'Ele.
Mas erro nos piores males... sou teimosa.
Encontro várias pedras, acho o caminho estreito e várias outras coisas... mas no fim das contas eu sei sim onde peco... na falta de confiança, no medo e me agarro nas frustrações passadas.

Eu havia entregado, eu havia seguido e havia esperança. E quanto mais buscava, mas surgiam. Desisti.
Não deixei de amar, mas não fui mais ao seu encontro.

Hoje sinto falta dessa comunhão e ainda cobro as promessas, mesmo sabendo que a cada milésimo de segundo, sou falha.
Hora de retornar...
De pegar as coisas que estão no chão espalhadas e não olhar para trás. Não como costumo.
A opinião alheia não acrescenta nada, o que vale ouro agora é a minha.

Peço a Deus forças para que me guie pelo caminho certo e que modifique tudo.


by Jana

domingo, 27 de junho de 2010

** Di PasSagEm **

Grande verdade...

Amor

Faz sentir uma porrada de coisa tambémMm...
BoMm domingo e estejam abertos a novas descobertas, novos rostos... nova felicidade.
Pois a melhor maneira de se atrair uma é desejando com a alma...

milhões de beijos
E que venha a Segundona


Beijos




** EtErNiZadAs **


Chega certos momentos que não sentimos mais a necessidade de expor palavras e sim analisar tudo no mais silêncio profundo.

Ah! Inspiro e expiro... uma liberação de ar comum, mas que as vezes vai mais fundo. Saudades sinto folheando álbuns alheios. Amigas com suas histórias e jeitos inesquecíveis. Saudades de um tempo que ficou lá atrás, mesmo que eu estivesse agarrado a ele com minhas unhas aprofundadas.


Sorrisos, gargalhadas e discussões banais. Um ponto de encontro em meio a um sonho em comum... era nossa turma!

Uma meio que sem querer, se trancou em seu mundo após uma grande perda (memorável, difícil de esquecer... e justo em meu aniversário). Outra se juntou a sua pouca força e está aí tentando esquecer partes de sua identidade, sua história sequelada, tentando absurdamente ser feliz, já que a vida lhe roubou o sorriso na cara dura. Lá adiante vejo mais uma, batalhando... colhendo os frutos de uma árvore gigantesca, sua vida...e nos olhos verdes, ainda vejo uma tristeza profunda... carência de seu velho pai.

Há as demais, mas essas ainda não sei por onde andam, apenas estão presentes naquela sala de aula. Mas com certeza estão correndo... feito loucas em busca de um único propósito que muitas vezes se encaixa ao meu em construção.


Eu... estou voltando exatamente de onde parei. Tranquei o sonho com lágrimas nos olhos e assisti a ultima aula com um pouco de cansaço e tristeza. Foi com essa mesma sensação que retornei há poucos dias.

O que me custa é aceitar o novo. É ver nas novas almas algo que me identifique, que me traga um pouco do que retirei de mim mesma.

A única coisa certa no momento é a distancia e nostalgia de minhas trutas de batalha – como eu costumava classificá-las. Irmãs com o mesmo dom... o de cuidar sempre!

Esse ainda continua sendo o objetivo maior. Pelo menos em mim floresceu mais uma vez, como se me gritasse tentando me colocar de volta em meu destino.

Por isso retornei... pelas almas adoecidas que me aguardam. Pelo amor que sinto ao ver o mundo e não saber por onde começar a doar-me. Eis minha única chance de testar minha própria capacidade... e mergulhar fundo mesmo não sabendo nadar.


O que antes era um sonho único tornou-se recíproco. O que havia se tornado um conjunto, hoje caminho sozinha. Pela minha própria culpa em modificar os caminhos.

Mas creio que tinha que ser dessa forma. Aquela zoeira toda me deixou saudades sim, mas no agora eu me sinto diferente. Os anos pesaram.

O que antes eu me abdiquei a dar valor, hoje estou segurando nas mãos com certa força.

Vai ser tudo diferente eu sei. Mas já ouço o sonho chorar após nascer com seus pulmões novinhos em folha.

Para as que continuaram caminhando, deixo aqui eternizado a grande falta que vocês me fazem (Débora, Aline (abaixo) e Karyn). Um misto de orgulho me bate quando reencontro vocês... cada uma tentando... cada uma mudando... crescendo espiritualmente... sendo felizes da maneira que escolheram.


Uma pena que o relógio não páre.

Que nos faça apenas ter lembranças.


Amo vocês meninas! Levarei cada uma comigo e sei que estarei com vocês, pois nossa amizade é um anjo oculto agora, mas sempre presente.


Felicidades gurias!


By Jana

sexta-feira, 25 de junho de 2010

** Só sE fOr d VerDadE, AmE **

Poderíamos falar de amor sem conhecimento de causa, a julgar apenas pelo que sentimos dentro do peito... ora avalanche de emoções, ora um nada?

Na verdade acho sempre que nunca sabemos de fato o que sentimos. Classificamos erradamente e falamos frases que só poderiam ser ditas com a máxima certeza.


O que é amar? O que é paixão? E o que é apenas gostar?

Costumo dizer que a paixonite é que nos leva ao céu e depois nos chuta ao inferno quando bem entende. E creio que nunca amei, pois não é possível que o amor seja algo tão passageiro, tão sem noção a ponto de entrar na minha vida para logo sair.

Dizem por aí que amor... Amor mesmo, se sente uma vez só na vida. Outros dizem que viver intensamente um momento feliz já é amar – discordo disso.


O amor deve ter cores excêntricas.

Agora os demais sentimentos, só são meras conseqüências que nos confundem o viver.


Nunca fui de me apaixonar fácil. Nunca dei muita trela para essas bobagens, pois sempre deixei meu coração meio que sob aviso e ainda assim apaixonava-me pelos mais complicados, pelos mais difíceis e em todos os casos, tive que abandoná-los para que pudesse viver melhor sem eles. Como se fosse um carma, como uma praga isso me persegue... sempre tenho que abrir mão das minhas paixões e elas sem querer levam pedaços de mim tão importantes... E o pior é saber que nada é recuperado, terei sempre que aprender a viver sem ‘essa parte importante de mim mesma’.

Às vezes odeio a paixão. Por ser algo tão inconseqüente. Por nos deixar em estado de êxtase e depois num escuro absoluto. Simplesmente desaparece, sem deixar rastros... apenas saudades.

Queria mesmo poder falar do amor. Saber defendê-lo, brigar por ele com unhas e dentes e me orgulhar de sua companhia. Mas ainda não sei.


Gostaria de dizer a um amigo hoje que o amor é isso, assim ou assado... mas eu não soube dizer, apenas desejei que ele descobrisse isso logo, o quanto antes para não machucar ninguém com suas paixonites.

Pois a paixão é uma ingrata viajante... passageira.

Ela vai embora quando se tem medo. Desiste quando é encurralada. Tapas os olhos e os ouvidos para a verdade e é cega quando se tem a obrigação de enxergar. Sem contar que é uma fraca... nunca tem armas para se transformar, para mudar.


Sabe aquela música do Jota Quest... “Amor Maior”?

Então... sempre ouço e me identifico sempre com ela. Pois eu sempre desejo um amor maior que eu. Um amor pra qualquer hora, um amor que eu desconheço...

Ainda não sei se estou preparada para esse amor. Mas eu espero por ele sim. Pois sei que ele não vai me machucar, não vai brincar comigo... vai viver por mim como viverei por ele e morreremos juntos, pois foram feitos para a alma e não apenas para o coração.


E almas são eternas...


(by Jana)


************

P.s.; Meu caro e amado Ed. Uma pena eu não poder te dizer o que é amor, como lidar com um se nem eu mesma o encontrei. Sei sim falar de amor maternal, de amor que sinto pelas coisas, pessoas e amigos como vc... Creio que não exista uma forma, um jeito especial de ensinar uma pessoa a amar a outra, pois aprendemos isso sozinhos. Mas a melhor coisa é nos prepararmos para receber esse sentimento... mas de peito aberto, sem escondê-lo dentro do coração. Até onde sei o amor nasce para ser livre e jamais preso, oculto na vida de uma pessoa. Se vc ama... Mostre, demonstre... corra atrás, se mostre vivo e esperançoso... nunca desista, porque um dia talvez, seja tarde demais.Deixe as palavras virem conforme seu coração manda e olha que esse aí grita para que sejamos felizes sempre. É nosso maior torcedor, embora nos ponha muitas vezes em grandes enrascadas. Pense nisso hein! Te amOoo meu grande amigo e só quero o melhor pra ti.



http://www.youtube.com/watch?v=WoLzSzD5VX0

quarta-feira, 23 de junho de 2010

** SeR DiFeRenTe **



Mensagens





É... acredito que tudo pode ser diferente quando tentamos que realmente seja. Não dizem por aí que a vida é feita de nossas próprias escolhas? Então, basta firmar um propósito que tudo se diferencia de fato. Claro que mudar certas coisas é pra lá de complicado e muitas vezes exige um sacrifício a parte, mas temos que ser fortes sempre... por mais que esteja derrubado, sem motivação alguma.
Sempre fui de analisar muitas coisas em minha vida... acabo sempre passando a limpo muita coisa que vivenciei ou que sinto dentro do peito. Analiso tudo com o máximo cuidado e tento sim melhorar naquelas partes que tenho plena consciência que errei ou deixei a desejar - pois todos nós sempre vacilamos em uma coisinha ou outra.
Vacilamos quando desistimos de viver - mesmo por instantes.
Vacilamos quando deixamos de sorrir por coisas mais absurdas e sem nexo.
Vacilamos quando erramos e temos a ignorância de acharmos que ainda sim estamos certos.
Vacilamos com pessoas que amamos, com amigos e até mesmo com desconhecidos...
E por ultimo vacilamos com nós mesmos.

Eu serei sempre uma eterna aprendiz dessa vida... já vivi tanto e ao mesmo tempo não sei de nada e muitas vezes vacilo comigo, mas uma coisa me admira... eu sempre tenho forças (nem sei da onde surgem) de querer melhorar... de pedir desculpas caso machuquei, de me por no lugar da pessoa que magoei... procuro não carregar pesos desnecessários, que não acrescentam nada em minha vida. Procuro ser melhor com minhas próprias criticas... talvez ser diferente seja isso.

Me considero diferente por olhar o mundo através de suas cores - sim, classifico o mundo, o tempo, pessoas e emoções através das cores vibrantes, das menos vibrantes... das sem graça alguma.
Tem dia que vejo um monte delas dentro de mim, outros não vejo nada e fico incomodada com isso... então tento ser diferente e acabo imaginando que tudo é colorido... assim fico melhor, me sinto radiante, mesmo que ilusóriamente.

Hoje minha cor é cinza fosco... tentem imaginar a cor e as sensações que ela trás e saberá como estou me sentindo... é assim que faço com tudo a minha volta, classifico.
Afinal, ser diferente é isso...
é ter seu próprio modo de ver o mundo.

bjux
Jana

segunda-feira, 21 de junho de 2010

** CoTidiAnOo **


Hoje definitivamente é um dia especial pra mim.
Embora esteja com uma leve sensação que sou um peixe-fora-d’água ou uma aluna repetente, estou me sentindo realizada.
Estou me proporcionando mais uma vez a terminar de construir um sonho parado há quase três anos. Sim, o de Enfermagem.
Após ter até desistido, eis que retornei a minha velha casa (meu curso).
Rostos diferentes, papos estranhos e professores meio alienados e meu propósito: me formar.

Ao fundo da memória eu retirei velhas imagens das saudosas amigas (Karyn, Débora, Linão, Nadja, Gi, Fabi, etc). Em cada canto de certa forma ainda estamos lá... foi o que me deu forças nesse primeiro dia. Isso que dá paralisar no tempo seja lá o motivo... você sente que ele não vai passar nunca. Mas passou e é hora de renovação e abertura para o novo.

Estou na verdade ferrada... no bom sentido (se é que isso exista). Tenho que retirar do baú meus antigos conhecimentos e aprimorar com os novos, os quais já notei que vão infernizar minha vida e mesmo tendo essa avalanche de apostila para estudar, eis que me dou o direito de ter meu próprio tempo para fazer o que também gosto muito... Estar aqui nesse meu mundinho virtual.

Chegando no trabalho, me deparei com algo que pra ser sincera eu nem esperava mesmo. Uma resposta.
Uma resposta a minha bandeira de paz (nem sei como consegui ter forças pra isso, mas fiz de coração). Ler certas palavras, sentir a presença viva de certa pessoa em uma simples resposta me deixou sim feliz. O mesmo que outrora roubaste minhas cores, me trouxe um arco-íris rápido nesta tarde. Claro que não vou me prender a isso. Mas não serei ingênua em tentar mentir pra mim mesma. Isso não.
Querendo ou não, é o que resta em meu coração – e olha que dei uma passada rápida por ele pra não se contaminar com suas tolices. Querendo ou não, um certo sentimento é o que ficou lá dentro e eu acabei abandonando pois ainda não sei uma maneira de retirá-lo de vez. Descobri que isso não depende de mim ou da minha vontade. Só amenizo as coisas tentando não olhar e não sentir. Mais está vivo, vai se fazer o que?

Sem saber das verdades ou mentiras eu preferi seguir minha vida sem peso algum. Embora eu não encontre motivos, escolhi estar em paz e não alimentar esse sentimento com ódio ou raiva. A melhor forma de matá-lo é não alimentá-lo.
Gosto de ter paz, independente de tudo. Não suporto a idéia de conviver com uma mágoa. As emoções negativas nunca tiveram vida longa dentro de mim... graças a Deus.

Infelizmente se amo, amo pra valer.
Amo intensamente meus sonhos, minhas metas, pessoas. Arrisco. Quebro a cara, se cair me levanto. Uma hora tudo vai dar certo.

Saudades ficaram. Machucam de vez em quando. Mais são superáveis.
Enquanto eu não tiver forças para abrir essa porta novamente, essa é minha escolha.
Posso viver ignorando meu próprio coração, mas a razão nunca. E essa danadinha sempre me chacoalha a fazer as coisas certas... sempre.

(by Jana)

sábado, 19 de junho de 2010

** TeNtE, MaS nÃo vAi mE eNcOntRaR **



Sentinela


Porque me vigia tanto? Qual a razão de não permitir que meus passos sejam dados ou que eu procure um lugar ermo qualquer?

Essa sua decisão de manter-me presa aqui é desumana.

Não me cabe, não faz parte de mim.


Esqueceu-se que presa eu não posso nada, não vejo nada?

Ou esquiva-se da verdade ou da própria razão?

Sim... é um texto de perguntas... pois preciso entender.


As horas caminham sorrindo e só percebo com as variáveis do sol.

Ora quente, quente... ora fraco, opaco... como se estivesse morrendo num suspiro de agonia.

E a escuridão aproveita-se e vem com suas sombras me abraçar nesse vazio.


Não sabes você Sentinela, que sinto frio?

Que fico imóvel com medo que esse buraco imaginário me absorva sem dó?

Mas com os olhos ardendo me rendo...

Pois a exaustão é eminente... uma dona com forças escrupulosas até.


Quando me livro dela, percebo que já é dia e que você Sentinela continua no mesmo lugar.

Imponente, dona de si.

Mantêm-se sempre virada a de costas pra mim...

Por que? Pra quê?


Por acaso sentiria alguma coisa se olhasse para mim?

Será que teria o ímpeto de me salvar?

Ou teria coragem de me pegar no colo, só para que eu sinta seu calor...


Creio que tens luz, Ah... isso deve existir em algum lugar de você...

Fico aqui praguejando para que forças do universo te cansem, que o ar te falte, que caia no chão...

Juro, juro... não vou te ajudar!

E ao mesmo tempo, sei que não vai ser assim...

Terei sim a delicadeza de te abraçar.


É... Sentinela... talvez esteja no lugar errado e vigiando a pessoa certa.

Talvez eu mesma tenha te colocado aí...

Tentando me dissipar eu me prendi.


Será que essas paredes existem?

Será que o sol é tão ingrato e que a lua é tão inimiga assim?


Apenas sei que em dias sinuosos a saudade do que era, e do que será me invade.

O mundo volta a ser um marinhado de linhas coloridas,

todas presas em mim numa ilusão de ótica inquestionável.

Só eu sei o caminho de volta,

mas por hora, aproveitando que o sol está lá em cima...


É melhor ficar aqui...

Presa a você, Sentinela...

Que tem como maior responsabilidade... zelar por mim!


(...)

by Jana



**********************

Obs.; Hoje falei entrelinhas, sei bem disso. Mas de certa forma tinha que expressar meu momento. Acordei com saudade de sei lá o quê. Uma sensação esquisita, uma obrigação em ser vigiada por meus próprios conceitos. Descobri recentemente um meio de tirar proveito dos minutos: “eu e minha mente” e por mais que ande calada, algo grita dento de mim.

São palavras fragmentadas, mas vivas. E o melhor disso tudo, é que eu as ouço nitidamente... e assim perco meu tempo dando-lhes formas, fazendo suas vontades.

Alias, de um certo tempo para cá, eu não quero deixar nada dentro de mim e sim colocar tudo pra fora... permitir que as velhas emoções voem sem rumo e manter uma “Sentinela” de plantão 24h para que elas não retornem.

Não quero me dividir em mágoas, em ressentimentos desnecessários.

O todo tem que ser um só. Uma coisa única. Um sentimento absoluto sem restrições ou exceções. Por enquanto me limito à faxina espiritual e a ficar bem comigo mesma. Uma meta discreta e bem trabalhada há dias... está aí a razão do ‘quase’ poema.


Um beijo

terça-feira, 15 de junho de 2010

** ACrEdiTe **


Dê mais às pessoas, MAIS do que elas esperam, e faça com alegria.
· Decore seu poema favorito.
· Não acredite em tudo que você ouve, gaste tudo o que você tem e durma tanto quanto você queira.
· Quando disser "Eu te amo" olhe as pessoas nos olhos.
· Fique noivo pelo menos seis meses antes de se casar.
· Acredite em amor à primeira vista.
· Nunca ria dos sonhos de outras pessoas.
· Ame profundamente e com paixão.
· Você pode se machucar, mas é a única forma de viver a vida completamente.
· Em desentendimento, brigue de forma justa, não use palavrões.
· Não julgue as pessoas pelos seus parentes.
· Fale devagar, mas pense com rapidez.
· Quando alguém perguntar algo que você não quer responder, sorria e pergunte: "Porque você quer saber?".
· Lembre-se que grandes amores e grandes conquistas envolvem riscos.
· Ligue para sua mãe.
· Diga "saúde" quando alguém espirrar.
· Quando você se deu conta que cometeu um erro, tome as atitudes necessárias.
· Quando você perder, não perca a lição.
· Lembre-se dos três Rs: Respeito por si próprio, respeito ao próximo e responsabilidade pelas ações.
· Não deixe uma pequena disputa ferir uma grande amizade.
· Sorria ao atender o telefone, a pessoa que estiver chamando ouvirá isso em sua voz.
· Case com alguém que você goste de conversar. Ao envelhecerem suas aptidões de conversação serão tão importantes quanto qualquer outra.
· Passe mais tempo sozinho.
· Abra seus braços para as mudanças, mas não abra mão de seus valores.
· Lembre-se de que o silêncio, às vezes, é a melhor resposta.
· Leia mais livros e assista menos TV.
· Viva uma vida boa e honrada. Assim, quando você ficar mais velho e olhar para trás, você poderá aproveitá-la mais uma vez.
· Confie em Deus, mas tranque o carro.
· Uma atmosfera de amor em sua casa é muito importante. Faça tudo que puder para criar um lar tranqüilo e com harmonia.
· Em desentendimento com entes queridos, enfoque a situação atual.
· Não fale do passado.
· Leia o que está nas entrelinhas.
· Reparta o seu conhecimento. É uma forma de alcançar a imortalidade.
· Seja gentil com o planeta.
· Reze. Há um poder incomensurável nisso.
· Nunca interrompa enquanto estiver sendo elogiado.
· Cuide da sua própria vida.
· Não confie em alguém que não fecha os olhos enquanto beija.
· Uma vez por ano, vá a algum lugar onde nunca esteve antes.
· Se você ganhar muito dinheiro, coloque-o a serviço de ajudar os outros, enquanto você for vivo. Esta é a maior satisfação de riqueza.
· Lembre-se que o melhor relacionamento é aquele em que o amor de um pelo outro é maior do que a necessidade de um pelo outro.
· Julgue seu sucesso pelas coisas que você teve que renunciar para conseguir.
· Lembre-se de que seu caráter é seu destino.
· Usufrua o amor e a culinária com abandono total.


- Dalai Lama -


----

Meio difícil em se por em prática?? kkk Eu sei. Nós sabemos. Mas o que vale mesmo é tentar, mas não tentar e desistir no meio do caminho e sim ir até o fim, conseguir êxito. Creio que todos buscamos um só ideal... a felicidade e não importa se ela seja minúscula, pequena, média ou grande... o que é essencial mesmo é sentir essa emoção verdadeiramente e fazer de tudo para que ela permaneça viva dentro da gente. Mas confesso que ando pensando muito no que acabei de postar. Eu mesma me desculpo pelos meus erros sem 'esperar' um pedido desse nipe vindo das pessoas que me machucaram... se assim o fizeram, era pra ser... era meu destino e minha maior lição disso tudo é saber que até mesmo as dores são necessárias de alguma forma em minha vida...

Não crio ligação com elas (as dores), mas uso-as em meu favor. Sei que o amor que tenho por mim, pela vida, pelas cores e pessoas é uma herança que Deus plantou em meu coração...

A melhor maneira de se curar uma ferida é esquecer que ela lateja... parece besteira, mas é bem por aí.


Um beijo no core

E vivaaa nosso Brasil rumo ao hexa!!!


by Jana


domingo, 13 de junho de 2010

** EsTou AqUi **


Pára, essa não é você!
(eis que acabo de ouvir vindo de uma pessoa em que em algum lugar do passado vivi uma historia pra lá de proibida, mas já esquecida há tempos).

Seria um possível resgate? Alguém achando que estou muito distante de mim e queira me fazer à força retornar?
Sei lá.
Não entendo e não vejo tais mudanças brutas. Apenas me sinto ávida em devorar toda e qualquer emoção existente em mim. É meu propósito. Só isso. Por que tanto espanto?

Novos rostos e velhos fantasmas me perturbam, como se soubessem lidar com esse meu momento de transição... Ah! se soubessem que estão todos ligeiramente enganados.

Sou apenas uma jogadora que usa sua nova estratégica. Nesse momento não é me chacoalhando ou gritando que vão ouvir meu pedido de desculpas e muito menos me puxando a força que vão me encontrar novamente.
PORQUE ESTOU AQUI (caramba, porque não vêem??)

Posso estar escondida por trás da retina, mas estou aqui. A curiosidade insana em se descobrir o novo não existe, agora prefiro analisar o campo minado e cuidadosamente depois dar um passo.

Ouvir os átomos gritarem é o que leva uma pessoa a ruína. E das bravas.
Não desejo isso a mim.
Ouço palavras boas, outras ruins... Perco-me no sorriso das pessoas. Fico minutos paralisada, mesmo se bem acompanhada. No fundo ando mesmo só ouvindo minha própria razão falando sem parar, feito uma mãe altamente protetora e chata.

Levanto e vou embora. Se pudesse sair sem ser notada pra mim seria ainda melhor, pois nessas horas já não estou nesse mundo e sim no meu. E ele é pesado demais para que eu divida. Sigo meu caminho com ele a tira a colo.
Mas estou bem. Isso ninguém entende de fato.

Estou bem quando digo que quero ficar sozinha. Estou bem quando não digo uma só palavra. Estou bem quando meu sorriso não sai e quando prefiro a solidão a uma pessoa do lado.

A única coisa no momento que me assusta em todas as noites são os pesadelos.
Eles não cessam, não vão embora... e nessa hora é o único momento que sinto falta de um abraço de verdade, com carinho... mas estou me habituando a dormir com a luz acesa, quem sabe assim ela não aquece superficialmente meu ser ou ilumine essa parte em mim que todos crêem estar mesmo apagada... rs.

(...)
by Jana

quinta-feira, 10 de junho de 2010

** OlhA oq ReceBi **

Um lance.

Numa conversa de saudade...
sintonia dos opostos.
a inversão de polos,
ué? era eu pra te consolar?
Nessa conversa... uma proposta
meu empolgamento dislumbrado rs
Sim! Sim! eh lógico.
Desejo antigo a se consolidar =]
meu horário fragmentado
pura distração... =[
"sem chance ela vai desmarcar."
Não! não sou bom nesse lance...
lance de sensibilidade talvez
Ainda bem, ainda bem.
ok. Padaria Veneza!

Padaria Veneza?
Eu descubro na intuição o/
nem isso tava me restando...
desci... subi... olhos nos dois lados...
qual dos lados combina com sua beleza?
Fachadas em chinês,
chineses falando japonês,
Enfim, atras de mim! achei!

Ponto perdido de onibus
eram seis! faltava trinta...
Matemática da ansiedade,
numeração que me conduz.
Ta! entaum o lance eh...
repira pelo diafragma talvez. =]
Olhos fechados não resolvem.

Olhos que se abrem,
Um lance de distração.
Quem senta ao meu lado
e me lança um sorriso?
ai moça vc chego! =D
Não nega seu olhar piscado
Sinais de vc, eu sabia...
como eh bom te contemplar.
Foda eh encurtar o conversar,
olhar o relógio apressado. =[

Meu cheiro eh de incenso?
E o seu é de melância... rs
Que bom te ter por perto,
Jana, Seja bem Vinda!

Bjus! c cuida,
ate outro dia...
=]


----------------------
P.s.; Eita nós, olha só o que me deparei hoje na minha caixa de mensagem... Simplesmente amei pois veio do fundo de uma alma transparente, a qual eu pude ver suas cores escondidinhas... mas presentes. Ed ou Dê (pq seu nome é tão complicado heinnnNNn?)... obrigado pelas palavras, pelo carinho imenso e por nossas risadas. Está aqui dentro com certeza, guardado no coração... O lance vai acontecer di novo e será que terei novos textos em forma de poemas? kkkk tomara que sim... Valeu!

mil bjux
Jana

quarta-feira, 9 de junho de 2010

**CoR d EsTreLaS **


O tempo já vem colaborando demais comigo... esse mesmo, muitas vezes frio, quente... Com o céu e suas cores exuberantes ou quase nada delas.
O que ando observando mesmo é a existência absurda de tais corações vazados. Sedentos de sei lá o que...
Na verdade, a vida só nos trás um amontoado de ziguezagues de sentimentos e emoções altamente contagiantes...hora amamos e em outras odiamos. Tudo junto, numa mesma panela cuidadosamente zelada pela alma...
To sacando... é tudo meio que complexo, mas o texto segue mesmo para os que entendem de essencia... os que se descabelam, o melhor é parar por aqui, nem vale a pena chegar ao final sem entender porcaria alguma.

Sei lá, ando radical demais. Sei disso também.
To passando do normal para o clássico seletivo. Nem tudo me agrada não e nem mais aceito certas porcarias desnecessárias. Só ando querendo o melhor.
Tem certas horas que ainda vejo cores, dou risada e até me arrisco em ser cordial. Mas essa mania besta, me trás o juízo de volta e de repente é tudo cinza. Nebuloso. Esquisito.

De certa forma resumo as pessoas em cores. Uma brincadeira boba, mas que se for analisar é pra lá de coerente. Pessoas são coloridas quando querem, são opacas quando seus disfarces estão ativados, são transparentes, são escuras ou possuem cores claras... tão claras que confundem a visão.

Eis o que me atrai. Enxergá-las como são.
Me fascina ver o que quero e até mesmo o que nem espero.

Opa, uma dúvida (e se possível comentem se sentirem à vontade)...
Será que consigo mostrar minhas cores?
Ou é mais fácil saber quando eu mesmo as descrevo?

Nem vou ressaltar minha própria opinião. Assim não vale, perde-se a graça.
Gosto quando descobrem sozinhos, se surpreendam ou até mesmo se assustem.
Sou mesmo chegada a um impacto... ops,ops...disse IMPACTO e não a choques traumáticos (pensem bem pelamore).

Se fosse classificar certas coisas em cores, eu diria que a vida é como o azul celeste, mas com seus borrões...
Certas pessoas, os amigos, por exemplo, diria que são umas aquarelas... tudo depende do atual estado de espírito de cada ser.
O mundo...Ahhh esse já nem classifico, é tanta cor junta, uma mistura onde você sempre quer que o resultado seja bonito. Mas acaba sendo extravagante demais na maioria das vezes.
Os sentimentos são sempre divididos em ‘vermelho’ ou ‘preto’. E engraçado, a alteração só ocorre entre um e outro, nunca ganha uma nova cor.

Agora a alma, tem suas cores mágicas – bem estilo brilhante de ser.
E o resto vamos colorindo a maneira que encaramos os pincéis (a vida).
Certo momento eu desisti de pintar. Por mais que eu procurasse uma tinta, não achava...
Foi e está sendo uma busca violenta.
Mas surgiu me uma nova cor – que eu nem sei explicar.
Alguns chamam de Deus e eu, carinhosamente... de o melhor pintor da minha história.


By Jana


sábado, 5 de junho de 2010

** ElAs EstArÃo jUnto, SeMprE **



Sinceramente contei os minutos hoje, como se quisesse sumir daqui o mais rápido possível. É como se algo inesperado estivesse me aguardando lá fora. Sim, sei que está. Pode até ser fantasia, mas tenho absoluta certeza.
A semana foi corrida, muito trabalho, algumas mudanças e pra completar sem net. Mais o jeitinho clássico impera.
Prefiro mesmo é esse silêncio absoluto. Gosto de olhar para trás e ter apenas as imagens das pessoas indo e vindo, telefones tocando e conforme fixo o olhar elas vão desaparecendo... uma a uma, restando somente o barulho dos meus passos neste lugar.

Ouço uma música...
http://www.youtube.com/watch?v=NvR60Wg9R7Q

Sento-me de frente a janela e fico alguns minutos observando o balançar das folhas... nada na cabeça, nada na alma. Que bom sentir isso. Mas tento não me aprofundar, senão vou encontrar coisas que não quero ver...

Então a vida passa como um filme diante de mim.
Lembro-me da minha infância, das coisas que me faziam sorrir ou como gostava de brincar sozinha trancada no quarto, eu passava o dia ali. Depois vejo-me com os cabelos compridos já mais crescida... Lembro do ginásio e chego a sentir o peso das emoções... Gargalhadas à toa, choro sem motivo, tudo parecia começar e terminar em fração de segundos.

Fico minutos nessa nostalgia.
Acendo um cigarro e continuo com o olhar parado na janela. E vejo que dessa vez, algumas das lembranças são distorcidas, ou melhor, apagadas... Há coisas que vejo claramente e outras que estão totalmente ofuscadas (onde estão?). Percebo que as lembranças até aqui são alteradas, manchadas e me assusto, isso significa que cresci.

Descubro que as partes ofuscadas foram alteradas pelo meu próprio bem. A meu favor.
Partes importantes e que fui obrigada a esquecer e dar novos rumos na vida. Fases onde comecei a desfazer de lembranças que não desejo levar comigo... por isso, algumas estão danificadas.

Fecho os olhos.
Analiso o que sobrou delas. Nada. Mas mesmo ‘apagadas’ elas carregam suas próprias energias e só de tocá-las (mesmo depois de tanto tempo) sinto o peso do sofrimento.
Deixo-as no mesmo lugar. Saio desse embaralhado nó de lembranças negativas. Fecho a porta, saio de mim.

Há certas lembranças que mesmo que eu não queira, sei que ficarão presas aqui dentro e que partirão comigo quando todas essas luzes foram apagadas de uma só vez.
Por enquanto, elas atraem minha curiosidade, gritam meu nome feito um bando de fantasmas...
Atendo o chamado.
Mas volto a si.

A vida continua seu ciclo. Relembrar é uma coisa natural... deixar-se levar por lembranças também. O importante é saber retornar e não se alimentar no presente do que já se foi. Se estão apagadas ou cheia de cores, mortas ou vivas, o melhor mesmo é ignorá-las. Pois não alteram nada no agora.
O presente é sempre um novo vazio a ser preenchido.

A música terminou.
Ouço-a mais uma vez, só para ter a certeza que estou aqui de volta.
E estou.

Como eu disse no começo, algo lá fora me espera...

Hora de continuar.

(...)
by Jana

** tiEtaNdOo MsMm **

Se tenho um sonho eis um deles aí: Vivinho da Silva... com 48 aninhos e perfertinho.

Sim minha gente, o magnífico e ‘ainda’ belo – pelo menos na minha humilde opinião, é claro – vem se apresentando e, diga-se de passagem, com o mesmo sorriso que desde a minha infância me encantou.

Carrego no peito um ‘amor eterno’ por “Bon Jovi’, tenho lá meus DVDs, CDs e já há alguns anos acabei me desfazendo de alguns recortes de revistas, fotos e tudo mais que uma adolescente, fã de carteirinha costumava guardar em uma pasta.

Aff... o tempo passou pra mim também! E no meio dessa bagunça toda, o ultimo espaço que sobra é para recortes antigos, mas o amor é o mesmo. O mesmo vislumbre, a mesma empolgação e desespero quando ouço essa voz.
Embalou muitas de minhas paixões e me fez soluçar em noites frias do meu mundinho peculiar.

É... ainda o ouço e muito, nesses últimos dias então nem se fale rs.
Pra quem não sabe, ele enlouqueceu nessa ultima sexta-feira sua legião de fãs abrindo a turnê do lendário festival do Rock in Rio Madri.
-Eita nós, eu dava tudo pra estar lá, assim como daria tudo pra ir ao Egito (outro sonho, mas fora de cogitação).

Mas prefiro acreditar que estive, pois quem ama sempre está perto.

http://www.youtube.com/watch?v=RASKaZFZtS8&feature=fvst

Amo as atuais, mas confesso que as clássicas são o que me levam ao delírio.
Salve, salve... Bon Jovi.


http://www.youtube.com/watch?v=9BMwcO6_hyA
minha preferida

Um bjoOoo

Jana







quinta-feira, 3 de junho de 2010

** EsToU d VolTa e pRa ValEr**


Pesadelos é o que venho tendo todas essas noites. Talvez seja tudo que esteja em meu subconsciente e esteja gritando dentro de mim, sempre me fazendo acordar.
Calma... calma... estou acordando, meio atordoada, mas me libertando. Os dias ultimamente não existiram, amanheceram e se foram sem que eu tivesse tempo de repará-los. Tudo bem, já que a não existência deles seja lá algo necessário pra mim.
Nunca me importei com amanheceres que não quero ver. Sou egoísta a tal ponto. Algo aqui dentro está mudando e nem me importo em não ter mais aquela sensibilidade inquestionável, ando mesmo querendo esquecer que alma ou coração sejam de fato reais – acho que estou conseguindo.

Chega até ser bom não sentir nada. Absolutamente nada pelo mundo, pelas pessoas ou coisas (a não ser por aquelas que tenho vivas dentro de mim). Mas tenho consciência que isso é passageiro, um jeito de dizer a mim mesma que os muros de proteção foram reerguidos.

Sei que demoro a encontrar soluções e que não dá pra introduzir na mente a tal frase: “Ei, sai dessa, bola pra frente”. A razão vai chegando aos poucos, como quem não quer nada e quando menos espero ela está ali, altamente minha aliada. Até eu mesma me cansei disso tudo e estou respondendo bem ao meu próprio tratamento solitário.

O choque que uma decepção trás é inexplicável. Mas trás a tona emoções preservadas, como o orgulho, por exemplo. Não sinto vergonha em admitir que sofri um bocado, que traíram minha confiança e todo o amor que expus ao mundo. Sim... gostei muito do surreal mas a minha vida foi muito real para algo que não existe. Sou mais que isso, sempre.

Lições sem necessidades, mas Deus é quem sabe as respostas, vou morrer tentando decifrá-las. Consegui dizer “Adeus” ao sofrimento quando me vi capaz de escrever esta carta (abaixo na íntegra) e como um remédio potente, deixar as palavras sairem naturalmente me fez um puta bem, já que não fui capaz de falar diretamente. Escrevi sobre o assunto pela ultima vez, tal como chorei. Não haverá aqui mais espaços a isso. O propósito agora é desfazer do passado e saudar o futuro... EI, SEJA BEM VINDO!

Estou mais cautelosa, isso sem dúvida. O mundo como sempre mostra diversas ‘opções’ e a melhor forma de aproveitá-las é melar a boca, só para sentir o gostinho e nada de querer mais. Doce, agridoce, salgado... tudo já foi provado. Meter a cara é para inexperientes... eu só posso rir dos enganos ou dos enganados. Era assim antes, mas tive que abrir minhas exceções.

Estou refeita e de volta a normalidade.
TIM-tim, essa sou eu.
(by Jana)

** Eis a CarTa **

(...)

Onde está você agora?
Até onde sei, sai por ai em busca de um amor que te complete e te faça melhorar já que tem consciência do quanto errou. Não dá pra te perdoar, não agora, não assim onde meus sentimentos estão jogados no chão de um vazio qualquer.

Porque agiu dessa maneira? Porque me deixou tão perto do seu olhar e tão longe de você?
Eu sinto raiva, ódio talvez. Uma mistura com meu amor gigantesco e que vem transformando-se em meu mostro interior.


Não tenho reação alguma. Não consigo, já que o pouco de alegria que eu sentia pela vida, me foi levado... e olhar para dentro vem sendo minha tortura diária. Às vezes acho que nem minha própria vida eu sinto mais.

Procuro a razão, o porque de tanta mentira e não consigo me considerar culpada, álias minha única culpa foi minha própria entrega sem medidas. Vivi esse tempo com você e por você e de repente sou deixada em um canto qualquer, como uma coisa sem importância alguma, fui diminuída a nada.

Sim. Tudo dói aqui, lateja dia a dia. Me castigando, me matando aos poucos. E você aí está, ignorando tudo a sua volta e fazendo de conta que não existi. Saber disso machuca, mas me trás um pouco a sensatez de volta.

Aceito tudo, me desfaço aos poucos de você, mas ter sido enganada na minha própria historia não dá pra fingir que não aconteceu... é como enfrentar o inverno, crente que é verão, não dá pra mudar a situação, não consigo digerir facilmente.

Eu quero de volta meu sorriso, meus sonhos, minha força de vontade e alegria de viver. Por Deus, é tudo que peço a ele.
As poucas forças que ando tendo, estou utilizando para matar você dentro de mim e indiretamente isso vem me afetando a alma.
Creio que tudo vai passar, que tudo isso está para terminar. Estou me limpando gradativamente... uma hora nem mais saberei quem foi você.


Não te desejo absolutamente nada, nem que seja feliz, nem um resto de felicidade qualquer... o que fez a mim, vai voltar, ah isso com certeza... e eu estarei bem longe da sua vida quando isso acontecer, mas você vai se lembrar de mim...
E nessa hora, mesmo que eu não queira, vou sorrir...


Vou estar refeita dessa sujeira toda e em meu próprio caminho.

Adeus,
Janaína

P.s.; Essa carta foi escrita como um adeus a todos meus momentos passados. Aos que estão lendo, queiram sempre um amor maior... gostem apenas do lado bom e não do ruim das pessoas... a descoberta da sinceridade é algo minucioso, o qual requer cautela e necessita de um certo tempo. Eu aprendi isso duramente. Mas tirei a nota máxima. E nunca, nunca guardem o ruim com vocês, joguem no lixo mais próximo e sejamos felizes. Deveria ter ouvido a tal de Jennifer, quando mesmo sem querer me avisou que não valia nada. Foi uma amiga sincera nessa hora, mas o pior cego, é sempre aquele que não quer ver... taí uma lição e nunca vou esquecer.

http://www.youtube.com/watch?v=ee3iuhJaA6A

terça-feira, 1 de junho de 2010

** Distração **

De volta a correria frenética do dia-a-dia de um trabalho comum... gosto disso, alias, estava com saudades. Precisava do tempo
livre para distrair a mente, dar um pouco de risada das coisas mais bobas, pois aqui a conversa rola solta, sem contar
que rever rostos conhecidos e que aprendi a ter imenso carinho, é como bálsamo para a alma...
Não fiz absolutamente nada em minhas férias, a não ser um rápido passeio forçado na beira do mar. Ah, sim... fiquei muito,
mas muito pertinho das minhas florzinhas.

Vivo uma fase de sossego, onde apenas desejo ficar no meu canto, no aconchego da minha casa e perto da minha família.
Nunca imaginei que logo eu, uma zoeira nata e baladeira de plantão fosse 'sossegar o faixo' (rsrsrs), mas enfim, não vejo
mais numa noite tantos atrativos. As coisas mudam... acho que mudei um bocado.

Agora o coração, ah esse aí há alguns dias estou sem (como vcs podem ter notado através dos meus últimos posts). Não é
que eu queira colocar pra fora apenas palavras tristes, mas é que minha alma não se encontra num momento bom e pra ser sincera
eu nem sei mais aonde ela está ou onde encontrar uma certa alegria nas coisas ou pessoas. Queria encontrar nem que fosse
uma alegria minúscula e me agarrar a ela, mas estou sem forças. Fora a obrigatoriedade em se viver o dia, quando me encontro comigo
eu desabo. Não tem como mentir pra mim mesma... por fora engano, mas por dentro jamais.

Esses dias certas verdades vieram a tona, descobri coisas que eu jamais queria ouvir e como num quebra-cabeças eu fui juntando
as peças e tirando minhas próprias conclusões... onde será que as mentiras iniciaram... até que ponto foi real?
Infelizmente não aprendi nessa vida a me conformar com perdas e nem mesmo consigo substituir pessoas na minha vida tão facilmente. Eu
sofro sim, muito quando me vejo obrigada a expulsar alguém de dentro do coração, fico de luto... fico em meu mundo por algum período.

Não tem sido nada fácil. As lembranças de um sonho estão impregnadas em mim e como olhar de frente um abismo eu fico aqui parada, sem nada
fazer, ando sem condições de reagir a esse vazio enorme.
As vezes fecho os olhos e me vejo em um lugar bem alto... e o vento forte e frio bate em meu rosto e vai invadindo todo meu corpo...
por onde passa gela tudo e só assim (nessa imaginação toda) é que não consigo ver nada, não sinto dor, não tenho lembranças, não sinto saudades...
Nem mesmo sinto a vida pulsar... tudo pára.
Mas logo volto em mim e tudo está do mesmo jeito.

Realmente matar um sentimento é uma das coisas mais dificieis de se enfrentar. A pessoa sobrevive, mas indiretamente mata mais coisas em si do
que aquilo que era sua meta.

Bom, mas vai passar. Há alguns remédios para a alma e quando quero abuso deles... Estou falando de DEus, dos meus amigos, das pessoas especiais que estão
ao meu lado. Abuso também da solidão, embora aparentemente ela seja negativa, pra mim foi sempre uma grande amiga.

... hmmmm... o melhor é voltar a trabalhar... e esquecer um pouco esse mundo sem cor.

Um beijo
Jana

P.s.; aos meus amigos um beijo na alma, Xandoka, Ti, Iara, maninha, Wag e Ed - inclusive dxo aki uma resposta ao seu comentário carinhoso, quem sabe meu amigo, um dia eu libere essa menina novamente, mas por enquanto, é melhor esconde-la do mundo para que ninguém mais a machuque... Amo vocês e o carinho que me passam é uma das coisas que me faz continuar...