Pular para o conteúdo principal

** ElAs EstArÃo jUnto, SeMprE **



Sinceramente contei os minutos hoje, como se quisesse sumir daqui o mais rápido possível. É como se algo inesperado estivesse me aguardando lá fora. Sim, sei que está. Pode até ser fantasia, mas tenho absoluta certeza.
A semana foi corrida, muito trabalho, algumas mudanças e pra completar sem net. Mais o jeitinho clássico impera.
Prefiro mesmo é esse silêncio absoluto. Gosto de olhar para trás e ter apenas as imagens das pessoas indo e vindo, telefones tocando e conforme fixo o olhar elas vão desaparecendo... uma a uma, restando somente o barulho dos meus passos neste lugar.

Ouço uma música...
http://www.youtube.com/watch?v=NvR60Wg9R7Q

Sento-me de frente a janela e fico alguns minutos observando o balançar das folhas... nada na cabeça, nada na alma. Que bom sentir isso. Mas tento não me aprofundar, senão vou encontrar coisas que não quero ver...

Então a vida passa como um filme diante de mim.
Lembro-me da minha infância, das coisas que me faziam sorrir ou como gostava de brincar sozinha trancada no quarto, eu passava o dia ali. Depois vejo-me com os cabelos compridos já mais crescida... Lembro do ginásio e chego a sentir o peso das emoções... Gargalhadas à toa, choro sem motivo, tudo parecia começar e terminar em fração de segundos.

Fico minutos nessa nostalgia.
Acendo um cigarro e continuo com o olhar parado na janela. E vejo que dessa vez, algumas das lembranças são distorcidas, ou melhor, apagadas... Há coisas que vejo claramente e outras que estão totalmente ofuscadas (onde estão?). Percebo que as lembranças até aqui são alteradas, manchadas e me assusto, isso significa que cresci.

Descubro que as partes ofuscadas foram alteradas pelo meu próprio bem. A meu favor.
Partes importantes e que fui obrigada a esquecer e dar novos rumos na vida. Fases onde comecei a desfazer de lembranças que não desejo levar comigo... por isso, algumas estão danificadas.

Fecho os olhos.
Analiso o que sobrou delas. Nada. Mas mesmo ‘apagadas’ elas carregam suas próprias energias e só de tocá-las (mesmo depois de tanto tempo) sinto o peso do sofrimento.
Deixo-as no mesmo lugar. Saio desse embaralhado nó de lembranças negativas. Fecho a porta, saio de mim.

Há certas lembranças que mesmo que eu não queira, sei que ficarão presas aqui dentro e que partirão comigo quando todas essas luzes foram apagadas de uma só vez.
Por enquanto, elas atraem minha curiosidade, gritam meu nome feito um bando de fantasmas...
Atendo o chamado.
Mas volto a si.

A vida continua seu ciclo. Relembrar é uma coisa natural... deixar-se levar por lembranças também. O importante é saber retornar e não se alimentar no presente do que já se foi. Se estão apagadas ou cheia de cores, mortas ou vivas, o melhor mesmo é ignorá-las. Pois não alteram nada no agora.
O presente é sempre um novo vazio a ser preenchido.

A música terminou.
Ouço-a mais uma vez, só para ter a certeza que estou aqui de volta.
E estou.

Como eu disse no começo, algo lá fora me espera...

Hora de continuar.

(...)
by Jana

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

FrOntEirAs dA ViDa

As fronteiras são simultâneas, vão e vem sem que gritemos por sua necessidade, elas apenas acontecem e se colocam como uma linha imaginável entre o certo e o errado. Somos educados apenas para respeitá-las, como reais limitações. A fronteira de uma vida tem fases, nomes, sentimentos e emoções. Quando pequenos nossa fronteira chama-se tempo. Ela nos impede de termos a noção de nossas escolhas, nos colocam um freio e vivenciamos um mundo infantil, totalmente alheio, tão imensamente inocente. Depois a fronteira se estende e entramos numa espécie de confusões e anseios infinitos e de difícil moderação. Somos enfim, adolescentes.
Apáticos, alegres e dificilmente compreendidos. A fronteira é única, a de um mundo de ilusões sem fim. Tudo acontece, tudo se perde da maneira como se chega.
A fronteira da maturidade é a felicidade...
Certo? Errado? Não mais. A questão agora é tudo ou nada. Ou tenho tudo ou não tenho nada. Quero meus sonhos aqui agora, ou não os quero mais. Abandono-os na fronteira …

Amizade conveniente

Hoje acordei com saudade de ter um amigo por perto. De jogar conversa fora, de dar aquelas velhas gargalhadas ou simplesmente de olhar para o tal amigo e desvendar suas mensagens codificadas, sejam elas quais forem (através de um olhar, de um gesto, de meias palavras ou de seu próprio silêncio). Li certa vez que “amigos são anjos que Deus colocou a nossa volta”, será que isso bate com a realidade??
Só acho uma tarefa um tanto quanto difícil. Imagina entender a alma alheia? Decifrar códigos, saber suas cores preferidas, o que gosta ou que não gosta, aceitar numa boa suas opiniões (mesmo tendo a sua totalmente contrária) e acima de tudo apoiar-lhe quando as chances de acertos são nulas e “seu amigo” não enxerga isto.
A probabilidade de ser ter um amigo fiel – justo – perfeito é de 0,05% (acha pouco?) então saia pelas ruas e pergunte ao número de pessoas que quiser se este ou aquele já não foi traído por um amigo??? Cara, você vai se surpreender... As pessoas se traem a todo instante. E …

** Na BrinCadeiRa, eu diGo a VerDade **

Certas palavras são ditas como por brincadeira, meio sem jeito... toda tímida... Mas são palavras... Que não voam com o tempo, permanecem com vida! Às vezes digo que amo, outras nem isso...
Mas basta ver aqui na menina dos meus olhos a alegria de estar com você o êxtase, o sorriso solto, minha maneira sem jeito de mostrar que me faz falta
Falta da felicidade eternizada na memória das lembranças boas
Fico sempre com a platéia das emoções, do seu cheiro inconfundível, da batida calma do seu coração que adoro (adorava) escutar facilitando sentir seu amor próximo ali adormecido velado muitas noites  pelo meu...
(by JanNe)