terça-feira, 30 de dezembro de 2008

QuE vEnhA 2009!


Para mim o ultimo dia ano chegou hoje... Último dia de trabalho e quatros longos dias de folga pela frente (ah, nem acredito!).
É bom estar no aconchego da minha casa, entre minha família, curtir as meninas e passar um tempo comigo.
Sinto uma falta enorme de mim, sabiam?
Sinto saudades das minhas risadas descontraídas, de sentir aquele vento no rosto sem a velha preocupação de estar perdendo a hora...
Há tanta coisa pra se fazer lá em casa... minha família resolveu passar o
reveillon comigo e com as crianças, estou feliz por isso, pois geralmente sou ‘eu’ quem passa com eles.

Agora é diferente...

Sinto-me diferente...
Tantos sonhos pela frente, tantos pensamentos positivos. A mudança brotou em meu coração feito uma rosa linda... estou bem, bem mesmo – de verdade! Pelo menos agora.

Eu quero deixar para trás toda tristeza, todo choro ou sinal de lágrima. Quero enterrar os pesadelos, a revolta... e tudo mais que não presta.

Sentirei saudades do sol... ahhhh e como! Mas por enquanto nossos caminhos são diferentes... me ocultarei para que ele brilhe...
Mas nem por isso deixarei essa sensação gostosa de paz de lado...
Seguirei em frente, tenho dois grande motivos pra isto... BuH e LuH

Bom, que todos tenham um Feliz AnoOo NovOoo
Que maravilhas aconteçam neste próximo ano...
BjoOO
Janynha

segunda-feira, 29 de dezembro de 2008



Vou falar de ansiedade... eis que coisinha mais chata!
Eu sou ansiosa ao quadrado, pra tudo. Sofro muito com isso. Mas quem não quer passar por aquele momento de espera, de angustia, de mãos frias, dorzinha na barriga?
Ah, não estou longe disso. Chega a ser uma característica autêntica da minha personalidade.
Se estou ansiosa percebe-se ao me tocar – fico com as pontas dos dedos geladas, ando pra lá e pra cá e minhas unhas são detonadas em questão de minutos...
Hoje por exemplo, estou contando as horas para ir embora... Estou ansiosa pela chegada de 2009 (como se um pulo de um dia ao outro fosse mudar minha vida!).
Talvez sejam os planos brotando em meio peito, à vontade de fazer tudooo diferente.
Sei que é isto. Tem que ser!
Não quero dar vazão a este meu sexto-sentido (FDP) que só me coloca em roubada. Eu não quero sonhar com um sol maravilhoso, se aqui dentro tudo ainda continua noite... (melhor esquecer – mas me sinto aliviada sobre a questão SOL X NOITE).

O meu natal resumiu-se em “horas extras”. Trabalhei, trabalhei e no momento, chego a ter raiva da pessoa que inventou esta palavra. A virada eu passei lendo um livro... aff que coisa chata! Mas não tive muitas opções... O ruim disso tudo foi estar acordada em plena meia-noite, mas meu sono (como por vingança) desapareceu...
Tudo bem, terei outros Natais pela frente e prometo: CASA ESTARÁ CHEIA!
Meu presente?
Ah, ganhei muitos abraços, torpedos, ligações, e-mails e muita palavra de carinho (está tudinho guardado no meu coração)... e mais, fiquei felizaça por ter ganho um amigo especial... Existe coisa melhor??? Não. Jamais.

Bom, falta pouco... Dois dias apenas, para abandonar mais um ano de lutas e vitórias.
Estou preparada para o que vem por aí, pelo menos me sinto mais forte, mais viva...
– EU E MINHA ANSIEDADE!

Hehehehehehehe...
Buenas NoitesssSsss
bitOkInhAsS
Jana

quinta-feira, 25 de dezembro de 2008



Que o espírito da bondade aflore não somente neste dia, mas em todos os que virão...

"Um Feliz Natal"

bitokassss

Janynha

terça-feira, 23 de dezembro de 2008

QuAl SeU lAdOoo?


Até que ponto se leva uma traição?


Você perdoaria ou seguiria firme com sua dor, mostrando-se inabalável?
Difícil.
Tento ver os dois lados e confesso, a sensação não é nada boa.
Eu odeio traição e isso engloba todos os sentidos... Na parte financeira (quando se é passado para trás), nos relacionamentos amorosos (estes nem se tem muito oque falar) e tanto na amizade.
Há amigos que são amigos até o momento que tudo é favorável, mas basta uma ventania de oposições e opiniões diferentes para mostrar-se o verdadeiro valor. Seria companheirismo eu concordar com tudo o que você faz de errado ou que pelo menos que se acha certo, só para mostrar-te que sou de fato sua amiga?
Seria eu companheira quando seus planos lhe convêm e os meus ficam de fora??
Ah, basta!
Isso pra mim não é amizade. Chama-se “conveniência”.
Sinceramente não preciso de sua amizade se esta tiver tais características. O que detesto nessa vida é a dissimulação, a cara de pau mesmo.
Tropeço nisso às vezes e fico revoltada.

Sou boa amiga, quando concordo com tudo, quando minha opinião não é sequer ouvida. Sou amiga quando você chora e sente falta de colo. Sou mais amiga ainda quando você me procura nos momentos de angustia e solidão. Ah, vá pro inferno!
Que se dane a minha opinião, as minhas vontades e viva a este companheirismo mesquinho e barato que as pessoas vivenciam dia-a-dia, só para se mostrarem cordeirinhos.

Traição amorosa também é o fim da picada. Quem já não traiu ou foi traído. Atire aqui uma pedra e danifique seu computador, se eu estiver errada.
A traição é presente.
Penso que uma traição mental tem a mesma ou maior conseqüência que um ato.
Basta você desejar com o coração que já está traindo seja lá quem estiver te esperando, achando-se dono (a) de seu amor. Isso é horrível.
Ninguém sabe assimilar bem as questões. No momento da traição vive-se um inferno astral, após alguns segundos o impacto é ainda mais profundo, pois lhe cabe sua consciência para julgar-te...

Há traições positivas, a de descobrimentos, de busca de certezas as quais não se tem, afinal, sou eu ou ele (a) quem está errando? A terceira pessoa acaba sendo mesmo a ‘cobaia’.
Há traições pelo simples fato de “não consigo me conter” – como um hábito.
Há traições que ocorrem, sem explicações. Muitas vezes você não sabe nem que está traindo alguém, pois as mentiras são tantas que você acredita fielmente que encontrou sua cara metade.

O complicado é o depois. A descoberta.
Sendo esta ou aquela traição, a seqüela é grande. Machuca profundamente.
Eu não quero ser traída e muito menos você. Sendo por amigos ou por amores inconseqüentes.

Quero sim, uma amizade fortalecida com bases na sinceridade, lealdade, companheirismo.
VOCÊ SERIA CAPAZ DE ME OFERECER ISTO?

Pense bem. Como vivo dizendo (ou melhor, escrevendo), o caráter de uma pessoa nasce com ela. Está intacto. Irá florescer o lado bom ou ruim se você os desenvolverem.
Nada como a passagem do tempo para se classificar esta ou aquela amizade ou este ou aquele amor.
Sou grata a Deus, pelo discernimento me ofertado. Pelos ensinamentos dados por meus pais como herança e grata, por todos os anos vividos de olhos bem abertos.

E respondendo a pergunta inicial... A traição pra mim é julgada por um todo e por sua conseqüência.
Aos que trai (conscientemente ou inconscientemente), minhas sinceras desculpas e aos que me traíram, felicidades!!! Afinal sou maior que tudo isso.
BitokasssSss
Janynha



segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

Porque será que todo final de ano bate aquela velha sensação de querer mudar tudo?
Tudo que não está legal... e transformar a vida num conto de fadas!
Tenho esta sensação e ela é tão boa. É como se tivesse nas mãos a oportunidade de fazer tudo diferente.

Mas um ano por aqui no trabalho... festinha de confraternização e a grande oportunidade de poder reunir todo o pessoal – unificar os turnos e dar boas gargalhadas (sem contar a comilança vip e 0800 hehehehe). Hoje posso dizer que conheço parte de todos. Não existem máscaras, cada um está com a sua altamente original. Boas ou ruins, estão aí, a mostra.
Gosto de uns um pouco acima do normal, aceito outros por não se ter opção. Mas aceito numa boa, pois sei que os críticos estão de plantão e a minha imagem não deve (com certeza) agradar a todos. Isso é absolutamente normal. Nem me encano.

O que importa é ser amigo. SEJA UM, MAS DOS VALIOSOS... OS VERDADEIROS!
Pelo menos tento!
Devo ser a mais palhaça, a mais estouradinha e a favelada barraqueira (como eles falam por aqui), mas sei que sou amiga quando precisam. Aprendi demais nessa família. Aprendi certos valores que talvez não os tivesse com meus 19 anos - quando entrei pra equipe.
Vi muitos amigos partirem em busca de seus sonhos... até chorei sentindo falta de alguns, mas no fundo estava mesmo orgulhosa deles, pela capacidade de conquistarem algo melhor.
Não dizem que todos teem seu momento de "voar"?
Assisti muitos vôos... um dia chegará a minha vez...
Só sei que sentirei saudades, afinal 'abandonar' o ninho é complicado e doloroso.
Mas na hora certa, pois a hora agora é de comemorar mais um ano puxado!
Viva meus companheiros diários! Um brinde pra nós.
******************


Obs.; Estou me sentindo estranha hoje. Sei lá. Não sei explicar. Um aperto, uma vontade louca de deitar no colo de alguém e esquecer da vida. Como se tivesse necessitando de proteção.
Sabe, estou acostumada a ser a fortaleza, a passar segurança, afeto... a mostrar que sempre tudo ficará bem, afinal estou aqui. Mas hoje... talvez eu necessite do contrário.

Bom, mas nem vou dar ênfase ao assunto para não incorporar uma certa tristeza que não quero. Hoje não! Por favor.
Quero meu espaço, quero brindar a mudança que nem ao certo sei como será. Apenas a sinto de certa forma que causa medo (mas um medo bom, se é que isso exista)...
Tudo pode ser culpa do clima natalino... Afinal devo aproveitar essa ‘bondade instantânea’ nos corações alheios e sorrir...
É o que de fato, me resta.

bitokassSss TotosAss
BY JANA






quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

NoSsAs DeCisÕeSs





O que falar da vida, do mundo, das pessoas há exatamente 13 dias para a virada do ano?
Descobri que não tenho muita coisa pra dizer não. Tudo me surpreendeu neste ano, as canalhices, os atentados, a política sem-vergonha de muitos, as tragédias (naturais e as causadas pelas mãos de pais, mães, madrastas)... Óbviamente, não tenho muito o que comentar.
Seria isto um aperitivo para o que ainda está por vir?
Sabe lá Deus!

Ninguém pode desenhar o ano novo diferente, ninguém pode acreditar que “o ano novo cochila dentro de você” (eis que os marketeiros de plantão jogam essa frase todo final de ano em uma certa propaganda aí).
Tá, tudo bem... A poesia chama-se “Receita de Ano Novo” e se mostra muito tocante, mas será que esse ‘espírito de solidariedade’ toca os corações alheios apenas nesta época, de confraternização??
Ah, acho uma tremenda sacanagem!

Eu... você...nós.... temos a obrigação de sermos ‘bonzinhos’ sempre. Afinal, não são as atitudes e pensamentos positivos que mudam tudo, que realmente fazem a diferença? Sim, claro.
Mas não. Basta o velho ser passado de fato e o novo surgir e com ele vem impregnado suas manias tolas de sempre... Inveja, desamor, individualidade (e uma lista enorme de maldades) e no peito aquela velha frase pendurada: “Cada um por si, e Deus pra todos”.

Lamentável.

Falo de obrigações, pois acredito que todo ser racional que tem sua crença, que tenha sua fé estabelecida mereça retribuir ao seu Deus ou aos seus Deuses (no meu caso, Jesus Cristo é claro, meu único salvador), as coisas boas lhe ofertadas. A começar por sua vida, uma dádiva, um presente dos céus. Agradeça por sua saúde absoluta e a sua alegria constante.
Ops, temos as ventanias, os temporais... mas tudo se é passageiro. Basta acreditar!

Sou fraca, sei que também desanimo. Mas me levanto sempre.
Gostaria de acreditar e faço votos positivos para que os 365 dias que virão sejam mesmo diferentes...
Que não tenhamos mais tanta sacanagem pelo mundo, que as pessoas sejam mais sinceras e positivas, sejam participativas, solidárias, amorosas para com o próximo, sejam enfim, verdadeiras.
Não é difícil agir assim.
Mas infelizmente ou felizmente o caráter nasce com você, logo nos primeiros suspiros...
O seu lado bom e ruim está ali, numa briga constante e sem tréguas...
MOSTRE A SI MESMO A SUA ESCOLHA e seja FELIZ!

Buenas Tardes (quase noite) GaleraaaAAaaa
BitokinhaAsSss TotosaSs
de: Jana
17:25h


terça-feira, 16 de dezembro de 2008













Seja maior que seu problema!



A renovação da águia

(O VÔO DA ÁGUIA - Na decisão de uma ave, um ensinamento para nós)
A águia, a ave que possui a maior longevidade da espécie, chega a viver a 70 anos.
Mas, para chegar a essa idade, aos 40 anos ela tem que tomar uma séria decisão.
Aos 40 anos, está com as unhas compridas e flexíveis, não consegue mais agarrar as suas presas das quais se alimenta. O bico alongado e pontiagudo se curva, apontando contra o peito. As asas estão envelhecidas e pesadas em função da grossura das penas, e voar já é tão difícil! Então, a águia só tem duas alternativas: morrer... ou ... enfrentar um dolorido processo de renovação que irá durar 150 dias.
Esse processo consiste em voar para o alto de uma montanha e se recolher em um ninho próximo a um paredão onde ela não necessite voar. Então, após encontrar esse lugar, a águia começa a bater com o bico em uma parede até conseguir arrancá-lo, sem contar a dor que terá que suportar.
Após arrancá-lo, espera nascer um novo bico, com o qual vai depois arrancar suas velhas unhas. Quando as novas unhas começam a nascer, ela passa a arrancar as velhas penas. E só após cinco meses sai para o famoso vôo de renovação e para viver então, mais 30 anos.
Em nossa vida, muitas vezes temos de nos resguardar por algum tempo e começar um processo de renovação. Para que continuemos a voar um vôo de vitória, devemos nos desprender de lembranças, costumes, e outras tradições que nos causam dor.
Somente livres do peso do passado, poderemos aproveitar o resultado valioso que uma renovação sempre traz.

Pense nisso!


PaRa ReFlEtiR...


Quando as tempestades da vida
Surgem escuras à minha frente,
Me recordo de maravilhosas palavras
Que uma vez eu li.

E digo a mim mesma:
Quando pairarem nuvens ameaçadoras,
Não dobre suas asas
E não fuja para o abrigo.

Mas, faça como a águia,
Abra largamente suas asas
E decole para bem alto,
Acima dos problemas que a vida traz.

Pois a águia sabe
Que quanto mais alto voar,
Mais tranqüilos e mais brilhantes
Tornam-se os céus.

E não há nada na vida
Que Deus nos peça para carregar
Que nós não possamos levar planando
Com as asas da oração.

E ao olhar para trás
Verá que a tempestade passou,
Você encontrará novas forças
E ganhará coragem também.

segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

uMa Soh CerTezAa! CuiDe BeM dElA!




Não dá pra compreender o mundo, e me assusto com essa certeza. As pessoas são egocêntricas ao limite. Preocupam-se em cuidar da vida alheia apenas por prazer, cheios de criticas e conclusões negativas.
Isso é o fim.

Gosto de pessoas sinceras, de amigos verdadeiros. O mundo não precisa da classe suja, imunda e de corações vazios!
Eu cuido da minha vida e você cuida da sua, certo????
Errado. Você cuida da minha e a sua eu quero que se dane! Não estou nem aí para suas sugestões malignas e muito menos para a sua consideração desclassificada e sem valor quanto ao meu respeito.
Afinal não tenho o poder de mudar o mundo e muito menos as pessoas que nele habitam. Umas fazem apenas peso e outras dão o verdadeiro sentido. Creio que sou da classe que faz sentido, pois procuro viver dignamente, agindo da melhor forma possível. Sou critica sim e muito, mas não gosto da maldade existente na menininha dos olhos de alguns. Isso sim, tenho medo.

Tenho medo da falsidade, do egoísmo, da maldade.
Sou simpatizante da sinceridade, da amizade, do amor. Coisas que não se cobram preço algum para se tê-las. Simplesmente afloram em seu ser, como uma flor em meio a lama.

A cada dia renasço, vivo e peço a Deus novas oportunidades. Participo da sua vida, se me permitir do contrario te acompanho de longe, e no peito, carrego um grande desejo de ver a sua felicidade. Mas sem invejá-la, sem desejá-la, pois acredito que cada um tem aquilo que merece.

E assim quero que pense mim... Que não me invejes, não deseje o meu pouco mas que para mim é muito... Peça sim, que eu te abrace forte e lhe passe amor. Passarei sem problemas e sem dramas.
Te apresentarei a minha fortaleza e mostrarei o meu dono: Jesus.

“Já não tenho mais palavras”!!!


by Jana





sábado, 13 de dezembro de 2008

DoUGlAs... Soh VocÊ!

Buenos Dias Galera, Sabadão – 06:25h

Cara... Quanto mais eu viajo nesse mundo infinito e virtual, descubro coisas...
Descubro mais ainda que não somente eu estou à procura de um amor sincero e sofro com isso. Há diversas pessoas no mesmo barco! Bem que um “cupido” poderia visitar este navio e distribuir flechas para todos os lados, assim teríamos pelo menos um THE END feliz...

O texto abaixo que eu vou publicar, o autor (tal pessoa esta que é muito, muito meu amigo) me pediu para não dizer sua autoria, mas depois de uma conversinha via e-mail como sempre, acabou cedendo aos meus encantos... Afinal, tudo que vai a alma é bonito... É puro... Então porque não assinar poemas, versos ou textos?? Não foi assinando que os poetas ganharam suas famas e estão aí - imortais???
O anonimato não condiz com o momento... Liberte-se! Não ocultem os poetas vivos dentro de vocês... ISSO CHEGA A SER CRIME.

********

Perdido

Quem eu sou?
Para onde eu vou?
Sou alguém perdido em alto mar, tentando me encontrar.
Sinto-me vazio. Falta algo. Mas o quê?
Talvez eu saiba a resposta, mas não queira aceitar. Talvez não, talvez seja só confusão.
Continuo perdido em devaneios.
Divago no esmo tentando achar uma resposta. Não obtenho sucesso.
Nunca quis ser assim. Sempre tive certeza do que queria, ainda tenho, mas meus desejos se confrontam com meus sonhos.
Deus me ajude.
Não agüento mais essa angustia em meu peito.
Qual é a minha missão aqui?
Estou aqui para servir? Ou pecar e viver na desgraça?
O que é certo? O que é errado?
Amor, prazer, solidão, sofrimento. Sentimentos que lutam dentro de mim, em uma guerra que não tem fim.
Estou perdido em alto mar, tentando me encontrar. Estou sozinho e começo a me afogar, a solidão começa a puxar-me para o abismo, frio e escuro. Sinto-me só.
Meu coração se aperta, meus olhos nublam, minha mente entorpece.
Será o fim?
Não! Não posso me entregar. Tenho uma vida inteira para tentar. Essa fase vai passar.
Consigo ver um brilho, uma luz. Um calor acolhedor, algo está me puxando de volta a superfície.
Morri? Onde estou, será o céu? Não, são vocês meus amigos!!! Pai... em seu infinito amor me salvou da morte, através dos meus amigos, sempre ao meu lado, meus anjos da guarda.
Preciso me levantar. Irei lutar até conseguir, não desistirei, irei até o fim. Coragem eu terei, meus medos enfrentarei. Um dia te encontrarei e até o fim dos meus dias feliz irei ser.

“De nada vale uma vida na eternidade, se não tiver um motivo para vivê-la.”
Acima de tudo, o amor...


Douglas Ferreira Mota
01/12/2008 – 14h.


*********************************************

Eh, quem disse que anjo não tem rosto e coração???

Por isso te amoOo bundudo do meu core, sempre!

Aplausos pra vc

bjuxxx

Jana













sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

O liMiTe QuAl SeRÁa?



A eternidade seria o limite de um sonho?
Seria na verdade, o desejo fulminante dos apaixonados. Daqueles enfeitiçados pela “Deusa do Amor?”
Creio que sim. Mas no fundo desejo da senhora eternidade apenas congelar os momentos com minhas filhas. Desejaria ser a mãe delas para todo o sempre.

O amor é eterno para os poetas, não foi feito pra nós, meras pessoas urbanizadas e escravizadas por uma sociedade.

O amor “Romeu e Julieta” suicidou-se com eles, não existe mais! Porém há os sonhadores do mundo atual. Amar tornou-se algo fútil, de tão pouco valor. São poucos que ainda se dizem apaixonados, pois sentimentos verdadeiros são caretices, coisa de quem não se tem o que fazer.

Amores atuais são comprados numa vitrine qualquer, tipo: Se ele é bonito, todo saradão... Eu o compro. Se me oferece riquezas, eu o quero. Se não tem pudores, eu o desejo... assim vai...
Amar por amar, sem trocas, não está com nada! O legal são as promissórias da compra de algo proveitoso. Um negócio rentável e bem sucedido.

Não quero um amor assim. Estou fora!
Não me enquadro. O melhor é colocar uma plaquinha no coração com os dizeres:
“Fechado Temporariamente”.

Acredito no amor (ah, um pouquinho vai), mas ele é um personagem velho e esquecido por detrás das cortinas vermelhas desse palco. Seu público envelheceu também. Tampouco os que se encontram vivos...
Sou parte dessa platéia sem graça e minúscula – hora enxergo bem, hora meus olhos se fecham e mergulham numa escuridão de desamor.

A paixão realmente é a dama do século. É linda e exuberante e um tanto sem escrúpulos. É dona dos corações vulneráveis. Mas meu amigo, CUIDADO!!
Ela destrói sua vida e como feiticeira te encanta, te ilude. Mostra-te paraísos falsos e na hora que o encanto termina: a realidade. Cruel, mas uma amiga mais que verdadeira.

Você então acorda, chora... lamenta... encontra-se ali, acuado em um canto qualquer, sem coragem, totalmente descrente e com vergonha de sua própria ilusão. Numa dessas, o amor – velho e caquético – está ao seu lado. E você como bom futurista enxerga apenas o horizonte... E o amor?

- Que se dane!! Afinal a eternidade termina quando se deixa de sonhar.













(Ei, meio confuso eu sei... mas leia com os olhos da alma. Escrevi isso ontem a noite, enquanto as meninas relutavam em se entregar ao sono...
bjuxxx
Jana).


quinta-feira, 11 de dezembro de 2008








E vOcÊ? VaI aPrEnDeR QuAndOo?
LuTe, ViVa Vai!! AsSim ComOo eU...


by Janynha

OáSis, ApaReCe aMigOo!



Buenas
tardes!

Acordei meio em desatino... Sabe quando seus olhos não enxergam nenhuma verdade, nenhum sentido nas coisas. Estou assim.
Uma vontade louca de pegar um ônibus e me entregar a novos caminhos, sem rumo.
Vivo em transgressões. Uma espécie de mutação interior constante. Pra simplificar, chamo isso de buscas...

Existem pessoas que não passam por isso, que enxergam tudo belo e não cogitam questionamentos. Eu não. Quero entender o meu mundo para estar preparada para compreender os alheios...
Estou nessa escola para aprender e não apenas por estar. Por mais que seja uma passagem, eu quero entender direitinho minha parte.

São inúmeros os caminhos... Uns cheios de flores e outros nem tanto.
Eu apenas quero o ápice, o meu melhor.
Os sentimentos parecem ter a obrigação de me deixar sem chão. Estou aprisionada a eles como uma espécie de maldição. Cara, porque gosto apenas do incerto?
A marca está em mim, uma cicatriz gigantesca, descomunal. Nada tem valor, nada realmente fará sentido enquanto eu permanecer aqui.
Mas por enquanto, nada posso fazer...

Estou em abstinência do amor. Tratando-me literalmente. Ele só me fez mal ultimamente, só me magoou.
Estou limpando minha alma, mas cada etapa é dolorosa (como apagar uma tatuagem). Enquanto você está empolgado a dar-lhe belas formas, nem sente a dor... Mas quando se quer tirá-la da sua pele o processo é outro...

Alguns devem se perguntar... Por que falo dessa forma, se o amor que recebemos a cartilha quando criança nos parece tão sublime e tão pleno??
Sim.. Ele é tudo isso e mais. Eu apenas o recebi num momento errado, só isso.
Acredito que o oásis do meu coração esteja próximo, sinto-o. Mas por enquanto não o enxergo. A busca torna-se absoluta, eis explicação para tanta desarmonia sentimental.

Serei melhor daqui a diante, mas continuarei transparente comigo mesma (isso é lei).
Sinto medo apenas das mudanças, mas estou preparada, afinal eu não seria essa muralha se não estivesse. O problema é que as pessoas enxergam apenas esta fortaleza imaginária e não olham direito... Gostaria que vissem que tenho alma, coração e que choro feito criança perdida de vez em quando. Infelizmente aprendi na marra a ocultar essa sensibilidade.

Por isso, só hoje... Quero ser a Jana, que brilha aqui dentro e não um ser intocável... O mito da minha atual história.

Uma pena, que nem todos lêem o meu blog!


terça-feira, 9 de dezembro de 2008

AtÉ o FiMm



Após 3 dias em casa, de boa, curtindo as meninas, eis-me aki de volta ao batente. Jogo no lixo mais próximo, toda canseira, desanimo e sadness (saudade).
Eu não quero nem saber quem criou o amor, a paixão. Hoje quero apenas que as horas passem, que meus pensamentos não voem e sim permaneçam aqui, quietinhos.
Eu não quis gostar de ninguém e gostei.
Não quis sentir saudades e senti.
Não quis chorar, mais chorei e muito.
Hoje não!
Hoje quero paz de espírito e ser apenas carne, sem coração.
Emoções cansam, desgastam e te iludem.

Sentada na grama eu passei horas vendo as meninas brincarem... Olho para uma e vejo alguém... Olho para a outra e vejo mais pessoas. Quanta assombração! Poderiam ser minhas, só minhas e sem exceções.
Mas carrego comigo a estória delas. Acho que seria por demais egoísta se estragasse essa parte. Elas carregam no sangue a paternidade. São frutos lindos, mas não somente meus. Uma pena.
Eu quero protegê-las, só isso.
Quero ter na mente sempre o sorriso de cada uma, sem ter que dividi-los.
Se eu fosse pai seria um pai diferente. Amaria mais meus filhos, seria mais presente em todos os momentos. Ia querer participar, brincar... Daria as mãos aos pequenos e os protegerias (independentes de suas mães).
Quando uma estória de amor termina, o pai acaba achando que o filho também morreu com ela. Eu só lamento...
Embora muitas vezes cansada, eu não me arrependo de cada sorriso, de cada bronca que dei nas meninas... Não me arrependo de estar aqui morrendo de saudade e contando os minutos para chegar em casa logo para ver aquelas carinhas inocentes.
Elas são minhas. Pelo menos agora.
Por hora, estão debaixo das minhas asas, protegidas. Seguras. Não deixarei que nem uma gota de chuva molhe meus filhotinhos, que nem um vento as deixem com frio e muito menos que as retire de mim.
Sou assim... pãe... mãe...
E morrerei assim...

Janynha

sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

UFaaAA, SeXtAa


Sexta-feira! Após 14 dias seguidos trabalhando sinto-me com a sensação de dever cumprido. Em ritmo lento, quase parando eu sei, afinal já estamos em dezembro. Mês este que nos obriga a dar uma paradinha no ritmo para o estresse ser menor.
Hoje é meu último dia cobrindo as férias da Vânia (nusss passou tão rápido). Terça-feira retorno ao meu bom e velho, turno da tarde. Um pouco desanimada, pois o clima não é muito favorável. Mas consciente de que fiz a coisa certa e que não errei em nenhum momento com alguém, a não ser comigo mesma.
A vida nos coloca em cada situação. Uma pena. Logo eu que gostava tanto daquele ser... (ainda gosto claro), mas as coisas ainda estão balançadas aqui dentro. Preciso de um tempo para assimilar a verdadeira essência. Me enganei, só isso.

Mudando de assunto, estou decepcionada comigo. Passei por um momento triste esses dias e sem querer, olhei para meu cigarrinho e fumei... FOI INEVITÁVEL. Mas descobri que tenho sim opinião, basta eu querer, me impor. O cigarro me acalma, me coloca um freio e eu precisei disso esses dias. Mas continuo na batalha, não desisti não. Poxa, sou humana né e pelo visto, repleta de defeitos.

Bom, vou posta abaixo um texto legal. Escrevi esta manhã, mas ele já estava em minha mente há alguns dias...

BeijaçOoo a todos e um bom final de semana também e para o CAMPINEIRO nato, um delicioso feriadão nesta segunda!!!

Fui.............................................................................................................................................................................................................................................................

Eis o texto:


Egocêntrica, eu?


Eu queria entrar em sua vida, feito terremoto... Bagunçar seus sentidos, colocar em desarmonia seu jeito comportado de ser.
Sim, eu quero mudar tudo...

Quero fazer você agir loucamente, descontrolado.
Entrarei em seus sonhos, farei de você o meu escravo.
Quero seu amor, sua paixão, suas palavras doces, seu carinho, sua atenção.
Seremos um. Plenos e absolutos.

Meu perfume te embriagará e seus pensamentos serão meus, só meus.
Sua vida não será a mesma, afinal eu cheguei ou chegarei.

Não navegarás mais sem rumo, terás teu porto seguro em meus braços. Encontrarás em mim seu paraíso doce e secreto. Serei das flores, a mais exuberante. Terei a cor vermelha, a qual simboliza a paixão, o desejo... Mas se me tocar, sentirá a brisa da paz entrando em seu ser.

Seremos loucos. Crianças inconseqüentes!
Seremos apaixonados como num conto, atores principais dessa novela.

Eu não te dividirei. Quero exclusividade.
Somarei nosso sentimento e guardarei o resultado no coração.
O mundo não precisa da gente.
Precisamos apenas do tempo-rei, da eternidade.

Pois o amor é assim pra mim, louco, sem explicações.
Ele é forte, obsceno... mas é único. Tem a forma que EU quero dar.
Se você vai sentir tudo isso?
Não sei.
A única certeza que tenho, é que se não for assim, não precisarás de mim.
Entrego-te. Renuncio.
Afinal, quero-o pra mim. Apenas meu.
Para amar e não sonhar!

Janaína – 05/12/08 – 10:40h

quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

NoVoSs TeMpOs




Aff... encontrei um blog antigo que eu procurava feito loka (http://janalokacabulosa.zip.net). Pra começar, o título já não me agrada. Eu vivia um mundo de ilusão, viajando na maionese. Era meu primeiro ano ‘separada’, de vida fútil, sem bases e sem contar que retornava para junto dos meus paizinhus amados.

Quanta coisa mudou de lá pra cá. A começar pelo último post. Foi o pior momento da minha vida (e até poko tempo eu nem conseguia falar do assunto direito).
Eu não sabia se pulava em um abismo ou se tirava eu mesma minha vida com as mãos. Eh... eu estava me sentindo derrotada, no chão.

Tinha acabado de descobrir a minha gravidez (a da Luiza) e pelos acontecimentos, me vi sozinha com uma grande responsa pela frente. Decepção, raiva, tudo eu senti de mim (pois aquele ser não tinha culpa de nada).
Hoje sinto orgulho da minha decisão. Abandonei o pai biológico dela, mas não o meu bebezinho e muito menos meus princípios. Fui fraca, admito. Eu não deveria ter dúvidas naquela hora, mas é que me vi tão sozinha... tão sem chão.

Ufa! Tudo passou (fiquei a gestação toda oculta e nem mesmo postar eu conseguia, até perdi a senha do então blog). Uma pena, pois a minha gravidez foi tão calma, tão tranqüila (o problema estava no meu interior, mas fui maior que ele).
Hoje, a Luh é tudo.
Nosso amor é mútuo.
Não faço nada por remorso (isso nunca). Mas fiz questão de pedir desculpas quando ela chorando encostou o rostinho no meu ao nascer, e disse-lhe para que se sentisse bem vinda em minha vida.



Sou feliz com minhas princesinhas.
Ela, a Luiza já completou um aninho e todo sofrimento eu enterrei com aquela estória.
Nasci. Sinto-me diferente. Aprendi muito com meus erros e inconseqüências.
Estou firme, graças a Deus.

Sou feliz pelas palavras boas que recebi e ainda recebo (heinnn PLEIBA!!). Sou feliz pelos amigos sinceros e que me abraçaram com amor. Sou feliz por ter pais maravilhosos e que realmente são meu porto seguro. Sou feliz por ter batalhado, por ter opinião. Sou feliz por ser mãe...
Sou feliz por ser a Jana, horas bolas!!!


BjoOo
Jana

(in) SenSaTa eU sEi





Ontem a noite, sentada no sofá (ouvindo um CD antigaço) e com a cabeça nas nuvens, peguei um caderno qualquer e deixei rolar o pensamento.... Eis que escrevi:

********


19:55h – “Eu quero escrever um texto de saudade, pois é tudo que estou sentindo nesse momento nostálgico... Quando se tem um amor roubado ou arrancado forçadamente de você, é tudo diferente. Agora quando se tem que ‘abandonar um amor’ é tudo mais doloroso. Você acaba agindo por agir, tudo que é lembrança automaticamente se é deletado da vida.
O ser em si passa a ter vida apenas dentro de você, e o que é pior... secretamente. Pois não há razões para mostrar-lhe ao mundo casual.
Eu abandonei alguém, mas hora ou outra (como agora) ele ainda vive em mim. Sinto saudades, vejo seu sorriso, sinto seu perfume único e indescritível. Não quero sentir nada disso, é óbvio! Mas sinto.
Nesses momentos que percebo que sou frágil como uma taça, vulnerável ao meu próprio egoísmo e a todo este sentimentalismo barato.
Sentir saudades de alguém que lhe roubou os sonhos é loucura... Mas me calo diante da minha sanidade plena e absoluta.
Quero moldar mais uma vez meu coração, sem que haja qualquer contradição.
Odeio esse sentimento. Odeio carregá-lo dentro de mim, pois não me é favorável em nenhum minuto. Apenas me trás lágrimas aos olhos e me transporta para sensações que não quero senti-las.

Abro mão literalmente dessa saudade insana, intrusa em minha vida. “Xô, vai embora!
Deixe-me seguir sem você!

*********

Ligeramente romântica nãoOo???
Eh, eu sou assim. Sou feita de amor. Gosto do amor, mas não de sofrer por ele ou sem ele.
Gosto da simplicidade que tenho em admitir certos momentos. Sou sim, fiel a meus próprios sentimentos.
Embora eu sinta saudades, essa pessoa seria no mundo o ultimo ser que eu gostaria de ver novamente.
Uma nova vida me impulsiona. Deixei para trás momentos ruins para dar vazão aos novos. Busco a felicidade, ela sim é prioridade.
Ainda não estou muito legal hoje nãOoo.
Estou deprê. Mas tudo passará...

Buenos dias a todos
BjOo grande


segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

ViCiUs? AbAndOnE oOo SeU




Buenas tardes

BoOm, BoOm não está. Mais pode ficar!
Não sei o que houve, mas literalmente meu humor desceu pelo ralo. Logo eu que acordei de bem com a vida, cantando, dançando.
Acho que sei. Meu organismo está sentindo a falta grotesca do maldito cigarrinho e assim acaba brincando de roda gigante com meu humor. Claro, ainda não me considero uma ex-fumante, estou enfrentando a abstinência como todos. Eu fico deprê, e nesses momentos à vontade de fumar é absurda (mas me controlo, to segurando numa boa). Percebi que os elogios das pessoas te reanimam, dão coragem. Isso é positivo.
Tudo que nosso cérebro entende que é bom e que na verdade nos fazem apenas mal, é difícil abandonar... Hoje entendo perfeitamente aquelas pessoas que possuem vícios. A chance de recaída é maior. Você fica entre pular ou não pular e numa dessas se afoga, se trai.
Eu não pretendo me trair. Mas a tentação é foda.

O vício do cigarro chegou pra mim em um momento critico. Acabei me afeiçoando a fumacinha toda vez que estava com um problema sério ou passava por uma situação difícil. Não posso ser hipócrita, não irei mentir. Mas o cigarro tornou-se meu amigo em noites vazias, em momentos de solidão que nem eu mesma sei explicar. Ele substituía a minha carência por uma sensação (ilusória) de prazer, pelo menos em cada tragada eu deixava meus problemas para depois ou para trás.
Aí eu pergunto: - Como não sentir falta de um treco desses??? Que seu subconsciente adotou como ‘amigo’?
Mesmo sabendo dos riscos dessa amizade, eu me aliei. E hoje, estou sofrendo com sua partida, pois seu cheiro ainda está em mim (...). Ah, quanta loucura eu digo! E antes de mais nada, não estou fazendo apologia ao tabagismo (Deus me livre!). Estou apenas falando de mim, mas se for para abraçar uma campanha contra, serei a primeira a levantar a bandeira.




Aff... acho que falei tudo.
BjOo

domingo, 30 de novembro de 2008

DoMinGuEirA, NotE-se!




Domingo, dia lindo lá fora e graças a Deus estou aqui, garantindo o leitinho das crianças hehehehehehehe.
Olho para o lado e nada... Micros desligados, salas vazias e escuras. A arvore de natal até parece coisa insignificante no cantinho do lugar. O único barulho eu estou fazendo... digitando esse post.
Eu me sinto em plena madrugada, tudo quieto, sem barulho. Sei que é dia (pois além de acordar às 04:30h), vejo pela janela o sol reinando lá fora...
Engraçado...

Essa semana irei trabalhar direto, sem folga. Odeio fazer isso, mas pelo menos no próximo final de semana ficarei em casa, inclusive no feriado do dia 08/12. A única coisa que não gosto de planejar, é o tempo.
Ele é um Sr. sem freios, é independente e querendo ou não, passa como um trator em nossas vidas. Ele te trás lembranças e também chega com novidades. Ao mesmo tempo em que trás o nascimento, nos apresenta a morte. É sim, um verdadeiro “leva e trás” hahahahaha E nós, eternos escravos.

O tempo me gerou, me fez nascer, crescer. E hoje andamos lado-a-lado! Me trouxe momentos bons, outros ruins. Me apresentou pessoas maravilhosas que até agora (nesse mesmo tempo) permanecem em minha vida e outras, trouxe apenas para eu sentir saudades... pois já ficaram para trás com o que chamamos de “passado” – eis um dos filhos do “tempo”, pois como todos sabem são três: passado, presente e futuro.

Habituei-me ao “presente”. Gosto desse pedacinho do tempo. Vivo mais. O passado nem minhas lágrimas atuais me devolverão. E o futuro, esse me assusta.

O futuro é imaginar-te “velha” ou “velho”, andar cansado, olhos perdidos ao longe, cabelos grisalhos. Caramba! Tenho medo disso.
Embora a experiência da alma venha com o envelhecimento, eu queria morrer ignorante, mas jovem.
Os mais velhos sofrem demais. São abandonados pelo tempo e pelos filhos do tempo... isso quando não estão doentes de saudade. Agonizam e são obrigados a ceder para a mais simples necessidade. Não há mais juventude, força, garra... são entregues. O espírito sim continua intacto (mas do que adianta? Se não podem usufruir com a mesma intensidade do pensamento ou da vontade?). Isso é horrível.
Claro, não desejo trair o tempo e deixar meu corpo ainda tão cheio de vida (apenas tenho medo do futuro, da velhice).
Mas quem tem filhos (e como eu, ainda pequenos), o melhor é não se rebelar contra o tempo. A única opção digna é deixá-lo passar, respeitando suas vontades, estou certa quanto a isso.

Vou mesmo, ao sair daqui, aproveitar o meu ‘tempo-agora’. Vou respirar fundo até que ele (o tempo) encha meus pulmões de vida e eu expire todo agradecimento da minha alma em poder viver. Sou assim. Por enquanto, as cores vibram em meus olhos, posso tocá-las, senti-las. Posso amar, odiar. Posso querer, conseguir. Posso lutar ou desistir. “Ainda sou eu quem faz as escolhas”.

Buenos dias!!!


sábado, 29 de novembro de 2008

AmAnhEcEuuuu, eH hoRa d VoaR



Acordar às 5h da matina tem lá suas vantagens! Uma delas, eu posso dizer com toda certeza é o prazer que tenho de contemplar um novo dia chegando... Ver a noite se entregando ao dia é esplendido... Difícil é colocar em palavras isso sim.

Logo pela manhã sua cabeça não está funcionando direito (talvez seja por isso, que o ar matutino nos deixe tão embriagados da sensação de paz)... Tudo está ótimo, você se sente bem, respira melhor, se “vê” melhor... Aos poucos seu metabolismo acorda e seus sentidos começam o expediente e mais uma vez, você se depara com o novo, mas como formiga, admite que o negócio será mais garantido se o trabalho (de viver, é obvio) reiniciar.

A vida é mesmo uma correria e pela manhã, você consegue pelo menos, se deparar com a calmaria do seu ser. Isso é divino, já que estamos tão preocupados na busca incansável da realização dos nossos sonhos e esquecemos de viver a real, o dia-a-dia, o momento em si.

Falo “vocês” por também me incluir nessa. Sou como todos. Muitas vezes egocêntrica, idealista demais e esqueço-me que a vida não é só correr. Ela é viver.

Bom, mas mudando de assunto, acho que estou ‘desgostando’ do final de semana. Sinto tanto tédio nesses dias, um oÓo. Gosto de ficar em casa, de curtir meu pedaço, mas a solidão que bate é cansativa, pois o tempo não passa...
Eu tenho vontade de sair, correr, fugir... mas não posso. Tenho responsabilidades agora que antes não seguravam minhas vontades, agora é tudo planejado, como regras postas em um papel na porta da geladeira... “tal hora faço isso, na outra aquilo” e assim por diante. Aiiii... Socorro! Afinal hoje é sábado.
É incrível como eu mesma me coloquei regras (as mais absurdas, admito) mas estão aí, me cobrando a todo instante.
Ser mãe duplamente é um caso sério, mas totalmente MARA! Seja lá qual for a conseqüência e a que preço.
Eu apenas sinto falta dos meus momentos, tipo: eu e eu. Mas logo passa. No final das contas, o importante é acordar as 5h e por instantes esquecer de tudo, apenas viver...

Grande bjuuuuu

quarta-feira, 26 de novembro de 2008

sEm NaDaAaa!



Buenos dias minha gente

Claro, às 11:30h eu já diria, buenas tardes... e nessa quarta-feira eu nada queria mais do que estar com meus pés afundados na areia macia da praia. Ainda que o sol me rendesse queimaduras insuportáveis, mesmo assim eu gostaria de respirar o ar litorâneo.
Preciso de férias!
Mas isso está tão longe como o mar de mim.
Gostaria que os problemas flutuassem e como oferendas, fossem para o fundo do mar em busca do oculto, do místico.

O dia mal começou e parece que continuo na mesma pilha de ontem. Estou sufocada. Contas a pagar, TPM a chegar, inchaço, sensação de obesidade (me sinto o mais gorda possível), um leve transtorno bipolar e com uma vida inteira pra consertar. Aff, quanta coisa para alguém de 1, 54 cm não acham???

Uma coisa estou orgulhosa. PAREI DE FUMAR – ah, pelo menos desde a tarde de domingo não sei o que é aquela sensaçãozinha gostosa de acender um pito e soltar fumaça a fora (para desespero dos fumantes passivos né)... Por incrível que pareça, mesmo batendo aquela agonia, eu estou VIVA (e sem meus cigarrinhos).
Pra ser sincera cansei dessa vida de fumante. Cabelos, pele, unhas... nada fica igual. É uma alteração drástica no organismo e tudo a em busca da sensação de prazer indescritível. Não vou ser hipócrita... o cigarro me acalma e ilusoriamente me deixa mais segura.
Ah, mas não vou contar vitória antes do tempo, vai que tenho uma recaída, afinal são apenas três dias (Aiiii... TRES DIAS).

Pelo menos uma notícia boa em meio a tanta coisa.
Bom, já são 12h, agora falta pouco para sair daqui e seguir rumo a minha casa e assumir de vez o meu verdadeiro papel ...
Quanto ao resto, devo ter paciência e esperar...

bjoOO

sexta-feira, 21 de novembro de 2008

SejA + vOcÊ!



sexta-feira, 21 de novembro de 2008 10:47h

Manhã de sexta, um dia após um feriadão e nadinha pra contar.
Vamos falar do que então? Amor, paixão, tesão? Ah... essas coisas são mais fáceis senti-las e não argumentá-las.
Ouvi hoje (da boca de uma criança só para ressaltar) que o ser humano é feito de sonhos (bonito né!), mas a criança tem o dom de olhar o mundo com os olhos da alma, totalmente alheio a maldades, puro feito água cristalina. Quisera eu ter toda essa inocência. Mas ao contrário, estou mais para um anjo com chifres (pois, cara, penso besteira 24h do meu dia).
A minha honestidade te assusta?
Hahahahahaha... legal isso.

O amor, por exemplo, é algo que desconheço. Paixão, vixi... já vivi algumas, agora tesão sinto por tudo de bom que faço.
Sinto tesão pela vida, mas preciso de um amor para me apaixonar mais por ela (vai entender). Não dizem que cada louco tem sua mania? Eu tenho as minhas.
Meu problema está em ser intensa em tudo. Se tenho uma amizade, sou fiel e intensa. Se trabalho no que gosto, sou toda entregue, se me apaixono estou literalmente dentro d’água e numa dessas as expectativas criam-se automaticamente gerando grandes decepções.
Poxa, sou fiel a minhas ações e reações, talvez um defeito de fábrica, mas “bingo” essa sou eu.
Costumo me caracterizar como um jogo de quebra-cabeça de 200 peças ou mais, mas no final não há nada de anormal comigo, torno-me uma simples paisagem... basta ter olhos sinceros pra decifrar. Ei, mas não esquenta. Não estou fazendo propaganda, isso é apenas um post onde falo tudo que penso, lembra?

A perfeição existe mesmo somente em comerciais de margarida. Aqui a vida é real, pés no chão, esse é um dos meus lemas. Não tenho que ser perfeita ou fazer tudo de forma perfeita, eu erro e erro muito (o gostoso é admitir isso). Sou uma boa mãe (não perfeita), mas tenho a felicidade das gurias em primeiro plano... Depois vem as responsas, e por ultimo chego até essa muralha aqui (deveria ser ao contrário, mas é assim desde o principio). Não posso ser egocêntrica a ponto de cuidar apenas de mim, já que nessa mente elas (as florzinhas) são prioridade, são minha vida.

A maternidade me chegou bem cedo, no auge de uma adolescência problemática. Com ela chegou novos valores, novas razões. Isso nunca me fez melhor que ninguém, apenas tenho figurinhas pra trocar. Eu nem sei como seria se não fosse dessa forma, afinal em algum plano astral escolhi isso, então devo viver intensamente.

Sei minha estória assusta, impõe certos receios e que devo ter deixado passar o amor da minha vida sem se quer notá-lo (alias eu estava preocupada com outros assuntos). Mas se dessa vez, a Deusa da Felicidade passar por mim, vou agarrá-la nem que seja pelos cabelos. Só assim poderei dizer que obtive a ‘figurinha’ principal, a coringa. E juntarei de uma vez por todas, amor, paixão e tesão (na mais perfeita desordem).

BjoOO
Janynha

segunda-feira, 17 de novembro de 2008

OpÇõEs!

segunda-feira, 17 de novembro de 2008 18:12h

Ei, ei... gostaria de ter agora um lapso de memória. Algo que me limitasse a lembrar apenas do segundo que se passou e não ter uma bagagem infinita de estórias!
A minha independência acaba sendo algo que me arranha a imagem. A transparência nas ações assusta, espanta e as pessoas caminham sempre para o obscuro e se traem. Está sendo difícil ‘dançar conforme a música’, já que meus conceitos são outros.
Amigos já não são mais amigos, tornam-se colegas descartáveis. Já os relacionamentos têem sua data de validade, nada é certo. Não se cultivam raízes e tudo se torna superficial, emoções, sentimentos... nada tem mais seu valor próprio.
Acreditei um dia no meu idealismo, mas sou fraca e optei mesmo pelo realismo (já que não me restam saídas).
Tive o ideal de ser feliz a todo custo. Tive o ideal de ter um relacionamento perfeito e fui mais idealista ainda quando lutei para melhorar aqueles que ‘um dia amei’. Tudo em vão.
A realidade é forte como erva daninha (difícil de ser arrancada com sonhos e fantasias).
Estou de um lado da balança não muito favorável. Tempos difíceis tudo fora de controle... e toda essa busca real me cansa.
Admito que sai sim com seqüelas gigantescas de dois relacionamentos complicados (um seguido do outro – um erro grave), mas nem por isso coloquei como opção a curtição pelo sexo oposto (embora muitos da ala mereçam, francamente!). Sempre busco solidez (talvez seja esse meu erro). Mas não há como ser relapsa comigo mesma. Não gosto de futilidades ainda mais quando minhas atitudes estão em jogo. Tenho 27 e não 15 anos, faça mil favores!

Ah, mas mudando de assunto, sexta-feira (dia 14/11) minha florzinha Luiza completou um aninho. Cara, que satisfação. Eu nem sei explicar o amor que sinto por aquele ser tão pequeno. Tanto sofrimento de minha parte, mas estou definitivamente dando conta do recado. Sinto-me agraciada por Deus por ter em minha vida duas pequenas flores...
Ainda não consigo relatar em palavras toda mudança que a Luiza me trouxe...
No sábado a noite comemoramos dignamente seu aniversário, foi uma festinha simples, mas regada de amor, afinal era um pedacinho de mim que recebia seus primeiros votos de felicidade conjunta (pois os da mamãe babona aqui são outros quinhentos).




Paro pra pensar... Há exatamente um ano eu colocava no mundo um pedacinho meu, só meu. Entre tormentas e furacões eu optei pela sua vinda, afinal meu lado maternal sempre gritou mais alto aqui dentro. Foi assim com a Bruna e teria que ser da mesma forma com a Luiza. Estórias totalmente diferentes, pois com a Bruna eu estava aninhada dentro de um castelinho de areia que muitos anos depois se desfez, agora com a Luiza eu tive que ter a coragem de fazer meu próprio alicerce, extraído do fundo do meu ser.

O amor maternal que tenho pelas minhas pequenas é a única certeza que me agarro... pois ele é sincero demais diante de tantas frustrações dessa minha vida louca.




A Luiza minha pequena Luz e para a Bruninha meu porto seguro, todas felicidades e que eu possa ser seu anjo-protetor para todo o sempre! Amo demais vocês, minhas flores - mamãe

BjOo
Janynha