Pular para o conteúdo principal

OpÇõEs!

segunda-feira, 17 de novembro de 2008 18:12h

Ei, ei... gostaria de ter agora um lapso de memória. Algo que me limitasse a lembrar apenas do segundo que se passou e não ter uma bagagem infinita de estórias!
A minha independência acaba sendo algo que me arranha a imagem. A transparência nas ações assusta, espanta e as pessoas caminham sempre para o obscuro e se traem. Está sendo difícil ‘dançar conforme a música’, já que meus conceitos são outros.
Amigos já não são mais amigos, tornam-se colegas descartáveis. Já os relacionamentos têem sua data de validade, nada é certo. Não se cultivam raízes e tudo se torna superficial, emoções, sentimentos... nada tem mais seu valor próprio.
Acreditei um dia no meu idealismo, mas sou fraca e optei mesmo pelo realismo (já que não me restam saídas).
Tive o ideal de ser feliz a todo custo. Tive o ideal de ter um relacionamento perfeito e fui mais idealista ainda quando lutei para melhorar aqueles que ‘um dia amei’. Tudo em vão.
A realidade é forte como erva daninha (difícil de ser arrancada com sonhos e fantasias).
Estou de um lado da balança não muito favorável. Tempos difíceis tudo fora de controle... e toda essa busca real me cansa.
Admito que sai sim com seqüelas gigantescas de dois relacionamentos complicados (um seguido do outro – um erro grave), mas nem por isso coloquei como opção a curtição pelo sexo oposto (embora muitos da ala mereçam, francamente!). Sempre busco solidez (talvez seja esse meu erro). Mas não há como ser relapsa comigo mesma. Não gosto de futilidades ainda mais quando minhas atitudes estão em jogo. Tenho 27 e não 15 anos, faça mil favores!

Ah, mas mudando de assunto, sexta-feira (dia 14/11) minha florzinha Luiza completou um aninho. Cara, que satisfação. Eu nem sei explicar o amor que sinto por aquele ser tão pequeno. Tanto sofrimento de minha parte, mas estou definitivamente dando conta do recado. Sinto-me agraciada por Deus por ter em minha vida duas pequenas flores...
Ainda não consigo relatar em palavras toda mudança que a Luiza me trouxe...
No sábado a noite comemoramos dignamente seu aniversário, foi uma festinha simples, mas regada de amor, afinal era um pedacinho de mim que recebia seus primeiros votos de felicidade conjunta (pois os da mamãe babona aqui são outros quinhentos).




Paro pra pensar... Há exatamente um ano eu colocava no mundo um pedacinho meu, só meu. Entre tormentas e furacões eu optei pela sua vinda, afinal meu lado maternal sempre gritou mais alto aqui dentro. Foi assim com a Bruna e teria que ser da mesma forma com a Luiza. Estórias totalmente diferentes, pois com a Bruna eu estava aninhada dentro de um castelinho de areia que muitos anos depois se desfez, agora com a Luiza eu tive que ter a coragem de fazer meu próprio alicerce, extraído do fundo do meu ser.

O amor maternal que tenho pelas minhas pequenas é a única certeza que me agarro... pois ele é sincero demais diante de tantas frustrações dessa minha vida louca.




A Luiza minha pequena Luz e para a Bruninha meu porto seguro, todas felicidades e que eu possa ser seu anjo-protetor para todo o sempre! Amo demais vocês, minhas flores - mamãe

BjOo
Janynha

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

FrOntEirAs dA ViDa

As fronteiras são simultâneas, vão e vem sem que gritemos por sua necessidade, elas apenas acontecem e se colocam como uma linha imaginável entre o certo e o errado. Somos educados apenas para respeitá-las, como reais limitações. A fronteira de uma vida tem fases, nomes, sentimentos e emoções. Quando pequenos nossa fronteira chama-se tempo. Ela nos impede de termos a noção de nossas escolhas, nos colocam um freio e vivenciamos um mundo infantil, totalmente alheio, tão imensamente inocente. Depois a fronteira se estende e entramos numa espécie de confusões e anseios infinitos e de difícil moderação. Somos enfim, adolescentes.
Apáticos, alegres e dificilmente compreendidos. A fronteira é única, a de um mundo de ilusões sem fim. Tudo acontece, tudo se perde da maneira como se chega.
A fronteira da maturidade é a felicidade...
Certo? Errado? Não mais. A questão agora é tudo ou nada. Ou tenho tudo ou não tenho nada. Quero meus sonhos aqui agora, ou não os quero mais. Abandono-os na fronteira …

Amizade conveniente

Hoje acordei com saudade de ter um amigo por perto. De jogar conversa fora, de dar aquelas velhas gargalhadas ou simplesmente de olhar para o tal amigo e desvendar suas mensagens codificadas, sejam elas quais forem (através de um olhar, de um gesto, de meias palavras ou de seu próprio silêncio). Li certa vez que “amigos são anjos que Deus colocou a nossa volta”, será que isso bate com a realidade??
Só acho uma tarefa um tanto quanto difícil. Imagina entender a alma alheia? Decifrar códigos, saber suas cores preferidas, o que gosta ou que não gosta, aceitar numa boa suas opiniões (mesmo tendo a sua totalmente contrária) e acima de tudo apoiar-lhe quando as chances de acertos são nulas e “seu amigo” não enxerga isto.
A probabilidade de ser ter um amigo fiel – justo – perfeito é de 0,05% (acha pouco?) então saia pelas ruas e pergunte ao número de pessoas que quiser se este ou aquele já não foi traído por um amigo??? Cara, você vai se surpreender... As pessoas se traem a todo instante. E …

** Na BrinCadeiRa, eu diGo a VerDade **

Certas palavras são ditas como por brincadeira, meio sem jeito... toda tímida... Mas são palavras... Que não voam com o tempo, permanecem com vida! Às vezes digo que amo, outras nem isso...
Mas basta ver aqui na menina dos meus olhos a alegria de estar com você o êxtase, o sorriso solto, minha maneira sem jeito de mostrar que me faz falta
Falta da felicidade eternizada na memória das lembranças boas
Fico sempre com a platéia das emoções, do seu cheiro inconfundível, da batida calma do seu coração que adoro (adorava) escutar facilitando sentir seu amor próximo ali adormecido velado muitas noites  pelo meu...
(by JanNe)