Pular para o conteúdo principal

DoMinGuEirA, NotE-se!




Domingo, dia lindo lá fora e graças a Deus estou aqui, garantindo o leitinho das crianças hehehehehehehe.
Olho para o lado e nada... Micros desligados, salas vazias e escuras. A arvore de natal até parece coisa insignificante no cantinho do lugar. O único barulho eu estou fazendo... digitando esse post.
Eu me sinto em plena madrugada, tudo quieto, sem barulho. Sei que é dia (pois além de acordar às 04:30h), vejo pela janela o sol reinando lá fora...
Engraçado...

Essa semana irei trabalhar direto, sem folga. Odeio fazer isso, mas pelo menos no próximo final de semana ficarei em casa, inclusive no feriado do dia 08/12. A única coisa que não gosto de planejar, é o tempo.
Ele é um Sr. sem freios, é independente e querendo ou não, passa como um trator em nossas vidas. Ele te trás lembranças e também chega com novidades. Ao mesmo tempo em que trás o nascimento, nos apresenta a morte. É sim, um verdadeiro “leva e trás” hahahahaha E nós, eternos escravos.

O tempo me gerou, me fez nascer, crescer. E hoje andamos lado-a-lado! Me trouxe momentos bons, outros ruins. Me apresentou pessoas maravilhosas que até agora (nesse mesmo tempo) permanecem em minha vida e outras, trouxe apenas para eu sentir saudades... pois já ficaram para trás com o que chamamos de “passado” – eis um dos filhos do “tempo”, pois como todos sabem são três: passado, presente e futuro.

Habituei-me ao “presente”. Gosto desse pedacinho do tempo. Vivo mais. O passado nem minhas lágrimas atuais me devolverão. E o futuro, esse me assusta.

O futuro é imaginar-te “velha” ou “velho”, andar cansado, olhos perdidos ao longe, cabelos grisalhos. Caramba! Tenho medo disso.
Embora a experiência da alma venha com o envelhecimento, eu queria morrer ignorante, mas jovem.
Os mais velhos sofrem demais. São abandonados pelo tempo e pelos filhos do tempo... isso quando não estão doentes de saudade. Agonizam e são obrigados a ceder para a mais simples necessidade. Não há mais juventude, força, garra... são entregues. O espírito sim continua intacto (mas do que adianta? Se não podem usufruir com a mesma intensidade do pensamento ou da vontade?). Isso é horrível.
Claro, não desejo trair o tempo e deixar meu corpo ainda tão cheio de vida (apenas tenho medo do futuro, da velhice).
Mas quem tem filhos (e como eu, ainda pequenos), o melhor é não se rebelar contra o tempo. A única opção digna é deixá-lo passar, respeitando suas vontades, estou certa quanto a isso.

Vou mesmo, ao sair daqui, aproveitar o meu ‘tempo-agora’. Vou respirar fundo até que ele (o tempo) encha meus pulmões de vida e eu expire todo agradecimento da minha alma em poder viver. Sou assim. Por enquanto, as cores vibram em meus olhos, posso tocá-las, senti-las. Posso amar, odiar. Posso querer, conseguir. Posso lutar ou desistir. “Ainda sou eu quem faz as escolhas”.

Buenos dias!!!


Comentários

Pleiba disse…
Bom dia!
Bom dia mundo, bom dia vida, bom dia Janynha!
que poster mais lindo ...
não acredito q escrevel esses palavras tão singela, tão meiga...
para falar a verdade, eu acredito pois veio do coração neh!?
Um beijo
Seu blog é msm o seu mundo!
parabens adorei seu blog \o/

Postagens mais visitadas deste blog

FrOntEirAs dA ViDa

As fronteiras são simultâneas, vão e vem sem que gritemos por sua necessidade, elas apenas acontecem e se colocam como uma linha imaginável entre o certo e o errado. Somos educados apenas para respeitá-las, como reais limitações. A fronteira de uma vida tem fases, nomes, sentimentos e emoções. Quando pequenos nossa fronteira chama-se tempo. Ela nos impede de termos a noção de nossas escolhas, nos colocam um freio e vivenciamos um mundo infantil, totalmente alheio, tão imensamente inocente. Depois a fronteira se estende e entramos numa espécie de confusões e anseios infinitos e de difícil moderação. Somos enfim, adolescentes.
Apáticos, alegres e dificilmente compreendidos. A fronteira é única, a de um mundo de ilusões sem fim. Tudo acontece, tudo se perde da maneira como se chega.
A fronteira da maturidade é a felicidade...
Certo? Errado? Não mais. A questão agora é tudo ou nada. Ou tenho tudo ou não tenho nada. Quero meus sonhos aqui agora, ou não os quero mais. Abandono-os na fronteira …

Amizade conveniente

Hoje acordei com saudade de ter um amigo por perto. De jogar conversa fora, de dar aquelas velhas gargalhadas ou simplesmente de olhar para o tal amigo e desvendar suas mensagens codificadas, sejam elas quais forem (através de um olhar, de um gesto, de meias palavras ou de seu próprio silêncio). Li certa vez que “amigos são anjos que Deus colocou a nossa volta”, será que isso bate com a realidade??
Só acho uma tarefa um tanto quanto difícil. Imagina entender a alma alheia? Decifrar códigos, saber suas cores preferidas, o que gosta ou que não gosta, aceitar numa boa suas opiniões (mesmo tendo a sua totalmente contrária) e acima de tudo apoiar-lhe quando as chances de acertos são nulas e “seu amigo” não enxerga isto.
A probabilidade de ser ter um amigo fiel – justo – perfeito é de 0,05% (acha pouco?) então saia pelas ruas e pergunte ao número de pessoas que quiser se este ou aquele já não foi traído por um amigo??? Cara, você vai se surpreender... As pessoas se traem a todo instante. E …

** Na BrinCadeiRa, eu diGo a VerDade **

Certas palavras são ditas como por brincadeira, meio sem jeito... toda tímida... Mas são palavras... Que não voam com o tempo, permanecem com vida! Às vezes digo que amo, outras nem isso...
Mas basta ver aqui na menina dos meus olhos a alegria de estar com você o êxtase, o sorriso solto, minha maneira sem jeito de mostrar que me faz falta
Falta da felicidade eternizada na memória das lembranças boas
Fico sempre com a platéia das emoções, do seu cheiro inconfundível, da batida calma do seu coração que adoro (adorava) escutar facilitando sentir seu amor próximo ali adormecido velado muitas noites  pelo meu...
(by JanNe)