sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

** É sEmpRe BoOm paRar Um poUquiNho **


Ainda se tem tempo de correr,
Ainda dá pra ficar mais um pouquinho que seja, sei lá.
O dia a dia vai varrendo tudo, como essas enchentes inesperadas no fim da tarde.

Sinto-me enfadada diante da ansiedade futura
Tenho medo, tenho coragem
Tenho tudo,
Menos autocontrole para as coisas mais simples

A impressão que tenho, que o melhor seria fechar os olhos e deixar tudo passar como aquelas filmagens aceleradas,
Mas não dá.
Coração, razão, profissão, sonhos e vida...
Um caldeirão de loucura pra uma pessoa só
Teria que ser milhares em uma
Mas nem sei se sou alguma

Confusão né?
Mas é como se resume as tais buscas

A gente corre, corre... e tenta agarrar a Deusa da Oportunidade pelos cabelos
Meio a força, meio sem jeito
Finge não ver isso, aquilo
Pula esse obstáculo, se cansa com o outro logo ali na frente
Como num joguinho infantil
E os bônus não somam, acumulam-se... e Pra quê? Por quê?


E tudo continua a atropelar os sentidos
Se esquece do querer
Imobiliza o coração e nem se pensa em emoção

Sente as ausências apenas
Num dia frio, solitário

Ai sim lembro-me de que a alma está sedenta
De emoções, de risos soltos, do afago nos cabelos
De sentimentos...
Água pura que me esqueço de beber!

Mas o tempo está dopado de obrigações
E a alma num cantinho, sentadinha a espera de algo para comemorar

Talvez um novo dia diferente,
Talvez um pouco mais de vida presente...

By JanNe


* Não espere se ausentar do corpo cansado, para invadir dimensões desconhecidas, achando que irá encontrar a alma de fato. É preciso parar por instantes (por os pés no freio bruscamente) para que a sinta e a veja sorrindo para você...



sábado, 15 de janeiro de 2011

** IgnOrar pra quE? **


De livre e espontânea vontade,
Eu me deixo um pouco
E sinto sua falta

Amanheci com seu olhar a me observar
Olhos que me viam por dentro
E que amava tanto quando estávamos frente a frente

O contorno do seu rosto e seu sorriso pragmático ficaram
 E perco-me na falta de sua boca
A me falar de coisas amenas
A deixar sair eu amo você

Gostava quando adormecia ouvindo seu coração
Depois de uma entrega profana
                E ainda assim,
Eu escolhia o
Seu prazer em meio a minha própria satisfação

Sempre foi assim
A prioridade sempre foi você

Hoje o vento ainda trás sua alma
Recuso-me a vê-la
Mas o coração ainda discute comigo

Finjo ter paciência,
Deixo tudo vir
Talvez assim a saudade machuque menos
E decepa-se logo como nuvem

E segue nessa estrada de um tempo descartado, onde na garupa
A chuva molhava meu corpo e riamos da felicidade

Lavava com águas do céu
Meu sorriso
E hoje molha apenas

Como se perder fosse o ultimo golpe
Como sentir sua alegria fosse só mais um dos tormentos
Acostumei com isso, e assim nem vou mais te ver como fazia antes

Mas hoje acordei perto de você sem querer
Como se precisasse te por no colo e vê-lo chorar pela revolta dos seus erros
Como se ainda precisasse ouvir minhas poucas palavras
Ou eu as suas...


...

- by JanNe -





terça-feira, 11 de janeiro de 2011

** A vida Não Pára **




Mesmo que eu queira parar tudo por instantes
Tudo continua a rodar, fechando ciclos, abrindo novos horizontes
E como num furacão sinto-me no meio dele
Vendo tudo girar

É como abrir os olhos depois de uma breve ausência
E perceber que tudo mudou
...Ápice
...Avalanche
...Silêncio

Não há chances de se parar o tempo
E muito menos de se prender a ele
Vai ver que somos mesmo livres
Mas presos ilusoriamente num viver
Sem perceber o mundo em si

Às vezes acho que ninguém sabe mesmo onde quer chegar
Vai seguindo um caminho como se alguma placa indicasse a felicidade logo ali adiante
Onde as pedras machucam os pés
onde sente vontade de correr, mas não pode!
 e onde os passos devem ser lentos

Para que se sinta a alma
Para que perceba a vida
dentro
e
fora

Uns destroem tudo
Outros colorem – como eu.
E centenas apenas passam...

Os sentimentos oprimem o ser quando se quer chorar
E os mesmos, estufam o ego quando a alegria chega

Mas vá...
Siga!
O caminho é só seu/nosso

Cruzaremos os caminhos em tempos certos
E assim as flores brotam outra vez
Saiba apenas que a separação é inevitável (mas não chores)

O que todos não vêem é o que importa mesmo é a Alma
E essa pode estar em todos os cantos, em qualquer tempo
Em meio a furacões e em dia ensolarados...

Onde se tem vida e toca-se com a mão, lá está ela
Junto e parte de ti
Num conjunto de obra divina
Alimentada pelo coração

Só não pare de caminhar...
Continue a moldá-la com fé e esperança
E acredite...  
é tão bom "ainda" estar no meio do caminho...
Apenas valorize mais a sua volta

E se cuide com mais carinho!



- by JanNe -

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

** ReTriBuiNdOo **

Recebi palavras em versos feitos flores
Vermelhas de paixão momentânea
Saudosas de um tempo que já se foi
Mas que todos os dias se faz presente
Como gritasse pra mim: - Ei, saia daí, se dê uma chance!

De todos os incômodos da mente
Receber amor físico e distante cutuca a alma
E a faz sorrir

Como num filme de amor impossível
Vive-se o dia por partes
Ah, ele é apenas um guri!
Mas que sabe brincar bem com as cores que deixo expostas

Hein!! Qual você quer, diz pra mim?
Azul, amarela, laranja, rosa... são mesmo aquarelas vistas do alto
Do céu que pintamos
Das gargalhadas que damos
Do horizonte sem formas, do amanhã que não é necessário

Havia esquecido do hoje
Porque sempre rabisquei o futuro com muita gana
Adormecia sem saber o que era agora

E numa noite me dei, me entreguei e recebi
Ignorei minhas próprias censuras
E descobri que duas pessoas juntas é uma soma
E se virar um
Perde-se tudo

Então fico com minha própria definição de felicidade:
“É água que seguramos por pouco tempo entre as mãos
Mas que logo se escorre entre os dedos sem se perceber”

Pois até onde consegue, ela sacia a sede...
Hidrata o seco
Preenche o espírito vazio
E transforma a noite em dia

O verde é mais verde, o azul do céu é mais intenso
As pessoas são perfeitas
O deserto era só ilusão

Parece que tudo foi bobagem e que não houve destruição
Pois o Jardim continua lindo
Intacto
Escondido no peito
Inabitável
Só meu!

E enxergá-lo daqui
Faz-me esquecer do desassossego
Do apego ruim

E assim volto (por instantes) em mim!
Afinal sou mesmo, uma metáfora sem fim

(risos)

- by JanNe –
00:45h






domingo, 9 de janeiro de 2011

** Um GranDe AmiGo FiéL **


Dia triste hoje.
Estive ao lado da morte e fiquei observando ela fazer seu trabalho lentamente.
Mas uma vez tive que assistir a vida sendo levada embora num ultimo suspiro e como diz minha mãe, vai ver que tenho mesmo o dom pra isso – de estar ao lado na hora certa, da partida de alguém.

Passei horas (e dias) acompanhando e tentando reverter algo que eu já previa. No ponto de vista físico é sempre bom manter as esperanças, mas na visão espiritual eu já tinha visto o final de tudo.

Minha família perdeu um ente queridíssimo esta manhã (não uma pessoa), mas um animalzinho que eu amava como se fosse meu, nosso querido cãozinho – o Toffy.
Estive esses dias controlando as lágrimas para que ele tivesse forças... cuidei como se tivesse cuidando de um filho... dei amor, tentei ocultar sua dor... mas não consegui!

E a única coisa que eu via era a morte a rondar seus passos. Como uma sombra, um anjo (que nunca achei tão mal assim) esperando... esperando...

Isso é um tanto quanto frustrante. Logo eu que sou a favor da vida ter que concordar com a morte e até mesmo desejá-la para que o sofrimento seja decepado, me deixou arrasada.
Sou assim sempre, com as pessoas que cuido e com qualquer ser que tenha vida dentro do peito.
E por cargas d’águas sou eu sempre a estar ali, nos momentos finais... A fortaleza em pessoa, como se tivesse embutido em mim esse dom antes mesmo de desejar respirar nesse mundo.

Mas confesso, é penoso.
Não sei chorar nessas horas, não sei ser outra coisa a não ser uma cuidadora com o espírito pronto a abraçar qualquer situação.

Às vezes acho que é este o meu jeito de lidar com a morte: saber que ela está ali e ignorá-la. Respeitando seus atos, suas decisões drásticas, mas necessárias.
Aceito... Faço uma oração em silencio e entrego a chama da vida nas mãos do Nosso Papai.
Todos têm seu tempo.
Tudo tem inicio – meio e fim.

E a vida continua...
Mas sentirei saudades infinitas...


"Os animais dividem conosco o privilégio de terem uma alma." (Pitágoras)


- by JanNe -

sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

** Talvez queM sAbe **


Ousa amar quem amou menos
Ou talvez nunca soube amar.

Choras, sente... deixa-se viver
Por algo que não tem característica alguma

É só suspiro e poesias
Será que os poetas sabiam (ou sabem) mesmo amar?
Ou só tentavam decifrar o amor...

O amor nasce no coração ou na mente?
De onde vem essa semente que cresce violentamente
Torna-se grande, pequena
Falsa ou verdadeira

Talvez nem seria amor se assim o fosse
E egoísta demais para se mostrar presente

Apenas se sente
Gigante, massacrante, viciante

Uma dose diária de sabe lá o que
Mas que embriaga
Que machuca
E castiga o ser

Falam de amores perfeitos
Almas metades
Como Romeu e Julieta

Você acredita?
Nem eu

Acredito no amor cego, malcriado, abusado, envolvente.
Que furte as vontades
Que sugue meu bom senso

Que me faça diferente
Em meio às malicias do dia a dia
E que embaralhe essas cores abafadas
Do meu céu Inocente

-         by JanNe




quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

** Dia Especial **

Falar de amor quando se ama muito mais do que a própria palavra tenta traduzir, acho meio impossível.
Há exatos doze anos eu olhava para esse rostinho em minha frente meio assustada, temerosa, mas sentia que a felicidade ia explodir todo meu ser.

Dizem que quando um filho nasce... nasce também uma mãe e isso é a mais pura verdade. Eu nasci quando vi o rostinho da Bruna e renasço sempre quando ouço sua voz doce dizer que me ama.

Hoje ela completa 12 anos.
É minha amiga, minha parceira, a melhor coisa que Deus poderia ter colocado nos meus braços, em minhas mãos para poder zelar.

E assim falo o mesmo da minha caçulinha, a Luiza.

Bom, só quero deixar registrado esse meu amor alem dessa vida por um ser tão especial como a Bruna (e como a Luiza).
Que Deus continue me dando forças para poder estar ao lado dela, segurando suas mãozinhas, orientado, amando... cuidando.

Filha, que eu possa estar do seu lado em tantas outras datas especiais como essas para rirmos juntas como fazemos todos os dias...
Que eu possa estar ao seu lado quando as lágrimas ousarem escorrer por essa face inocente e possa te dizer que tudo ficará bem, pois eu te amo muito.

Que a força divina que está em mim te proteja a cada segundo
E te faça uma pessoa feliz...

POIS ESTOU DO SEU LADO ATÉ MESMO QUANDO ESTAMOS DISTANTES FISICAMENTE...

PARABÉNS!!!
(meu porto seguro)

beijos nessa buchecha gostosa

mãe
- JanNe -



segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

** EOo t AchOo **

Mesmo que o mundo te esconda, eu te encontrarei...
Não me importo com o tempo – te espero o quanto for necessário, desde que chegue.
Sinto-te em cada movimento do ar.
Imagino-te juntando um pouco do que preciso.

Desenhei seu rosto na areia
Enchi-te de vida e imperfeições, afinal não desejo o perfeito.
Preciso do simples,
do humano
Que me renda insensatez
Que me traga um sorriso nos dias que sou feito criança chorona

Seguro suas mãos imaginárias
Ouço sua vida bater dentro do peito
E me entrego

Ao sono profundo

De calmaria profana
De desejo oculto
Do encontro de almas
Num só momento e a todo instante

Não vou me preocupar na sua ausência
Não vou trair suas lembranças

Tracei um plano este ano,
De te encontrar

Sem muita gana, sem euforias para que não haja desenganos.
Vou sentar nessa beira de banco, abrir meu livro preferido e me perder nele enquanto está por aí
Existem outras prioridades agora,
Mas você sabe
Que estou aqui te esperando...

Não vai ser amor de verão
Nem paixão súbita que machuca o coração

Serás parte de mim,
Num ultimo sussurro...

Como um sonho sem fim
Serás meu encontro...


- by JanNe

sábado, 1 de janeiro de 2011

Antes de mais nada, Feliz 2011!

Eu deveria ter feito uma lista (gigantesca), ter comido as tais uvas e feitos vários pedidos de olhos fechados à meia noite... mas achei melhor não. Nada de tradição, nada de regra, nada de seguir alguma coisa a não ser meu coração... e este estava batendo freneticamente como se quisesse de um salto pular pra fora do meu ser.

Como eu disse, de certa forma eu morri.
Fiquei em algum lugar do ano passado e fechei tudo, como num balanço anual necessário.

De algum jeito esquisito, essa vibração universal invade mesmo sem querer.
Paz, Saúde, Esperança, Amor, Paixão, Luz Divina... e Vida. É isso que renovei aqui dentro mais uma vez.
Idealizei esse novo ano.
Mas de uma forma especial. Talvez diferente de tudo que já desejei.

Deixo um adeus ao que se foi... sem choros, sem muitas lembranças, pois acabo de enterrar meu apego.
E abro meus braços para o inesperado.

Há uma sensação boa me cutucando. Me fazendo sorrir.
E isso basta.

Não somente hoje, primeiro de janeiro de 2011... mas como sempre, desejo as pessoas que amo e meus caros blogueiros (as) muita luz no coração... que corram atrás do planejado, que amem mais, se entreguem mais e vivam mais...
A vida é muito curta para se esquecer de vivê-la.
Cuidem de si.
Cuidem da alma com uma pitada a mais de carinho...

É tudo que temos!

“Maravilhosos 365 dias pela frente nos esperam de braços abertos, assim como vários outros dias... e mais outros... mais outros...”

AmOoo vocês de S2


- by JanNe