Pular para o conteúdo principal

CulTuRa é TuDoOo



quarta-feira, 27 de agosto de 2008 17:14h

Realmente a cultura de uma pessoa não se resume apenas em ler bons livros, tem que se atualizar. Saber oque se fala e como fala. A prática requer atenção e simplicidade para não sair da linha e acabar ridicularizado por sua façanha. Sempre fui sincera em dizer que um homem culto me atrai. Se ele for misterioso, calmo e calado, vixi perco as estribeiras (mas nada de dar na vista, tudo discretamente admirado).
Hoje em dia é praticamente raro ver alguém com um livro a tira a colo (seja no ônibus, em um banco qualquer ou naquela hora gostosa do almoço). Esses dias até assustei. Era domingão (eu vinha do trabalho, mais cansada por perder meu domingo trancada nesse marasmo, do que com o trabalho em si). Nem acreditei quando cheguei ao ponto de ônibus e lá estava o microônibus me aguardando... Não pensei duas vezes para jogar o cigarro (que acabará de acender, já imaginando as horas de espera do tal ônibus) e passar a roleta. Sentei-me no fundo. Dois minutos depois, entra um homem (talvez beirando minha idade). Lindo (alto, forte, moreno, olhos claros e com um perfume digno de um Deus)... poxa, para minha fraqueza sentou-se ao meu lado e em seguida retirou de sua mochila um livro volumoso (mas infelizmente minha curiosidade não pode ser sanada e acabei desistindo de tentar ver o título ou do que se tratava – ah, só por curiosidade).
Sempre tive o hábito de observar o semelhante em si. Posso estar à toa, mas reparo cada gesto, cada movimento (isso é como uma brincadeira, não há maldade nenhuma nisso) e assim fiz com o tal rapaz até o momento onde ele fechou aquele livro para seguir seu destino.
Cara, esse desconhecido nem imagina os pontos que teve comigo (ta certo, que entre uma página e outra ele talvez tenha notado minha admiração, pois houve um momento que olhou para mim e sorriu discretamente). Eu simplesmente retribuí o sorriso (como forma de desculpas, por tentar invadir seu mundo, sua intimidade).
Ele desceu. Foi embora e eu fiquei imaginando como iria postar essa minha indignação contra a não-leitura.
E pensar que descobri a leitura aos meus 12 anos e tive como foco nada menos que aquelas revistinhas de romances (do tipo Sabrina, Bianca). Ah, eu chorei muito com as histórias e em poucas horas devorava duas edições sem perceber. Acabei pegando gosto pela coisa e comecei a devorar tudo que via pela frente (até na Biblioteca municipal eu me enfiava, não a trabalho-escolar, mas sim por curiosidade). Graças à modernização, hoje posso me considerar uma internauta de porte. Mexo em tudo que é site, leio tudo que me prende a atenção. Sinto saudades de um velho livro. Da sua companhia fiel. Mas não o deixei por completo. Ainda encho o saco dos amigos para sempre me trazerem algo para ler e assim vou indo.
Como aquele homem no ônibus, com certeza, devo instigar a curiosidade alheia (pois não penso duas vezes em tirar meu livro da bolsa e dar-lhe espaço em minha vida). Pois não há nada mais gostoso do que se prender a uma historia fascinante totalmente fora da realidade... Enfim, a imaginação continua sendo prazerosa se usada positivamente.

BjoO
Jana

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

FrOntEirAs dA ViDa

As fronteiras são simultâneas, vão e vem sem que gritemos por sua necessidade, elas apenas acontecem e se colocam como uma linha imaginável entre o certo e o errado. Somos educados apenas para respeitá-las, como reais limitações. A fronteira de uma vida tem fases, nomes, sentimentos e emoções. Quando pequenos nossa fronteira chama-se tempo. Ela nos impede de termos a noção de nossas escolhas, nos colocam um freio e vivenciamos um mundo infantil, totalmente alheio, tão imensamente inocente. Depois a fronteira se estende e entramos numa espécie de confusões e anseios infinitos e de difícil moderação. Somos enfim, adolescentes.
Apáticos, alegres e dificilmente compreendidos. A fronteira é única, a de um mundo de ilusões sem fim. Tudo acontece, tudo se perde da maneira como se chega.
A fronteira da maturidade é a felicidade...
Certo? Errado? Não mais. A questão agora é tudo ou nada. Ou tenho tudo ou não tenho nada. Quero meus sonhos aqui agora, ou não os quero mais. Abandono-os na fronteira …

Amizade conveniente

Hoje acordei com saudade de ter um amigo por perto. De jogar conversa fora, de dar aquelas velhas gargalhadas ou simplesmente de olhar para o tal amigo e desvendar suas mensagens codificadas, sejam elas quais forem (através de um olhar, de um gesto, de meias palavras ou de seu próprio silêncio). Li certa vez que “amigos são anjos que Deus colocou a nossa volta”, será que isso bate com a realidade??
Só acho uma tarefa um tanto quanto difícil. Imagina entender a alma alheia? Decifrar códigos, saber suas cores preferidas, o que gosta ou que não gosta, aceitar numa boa suas opiniões (mesmo tendo a sua totalmente contrária) e acima de tudo apoiar-lhe quando as chances de acertos são nulas e “seu amigo” não enxerga isto.
A probabilidade de ser ter um amigo fiel – justo – perfeito é de 0,05% (acha pouco?) então saia pelas ruas e pergunte ao número de pessoas que quiser se este ou aquele já não foi traído por um amigo??? Cara, você vai se surpreender... As pessoas se traem a todo instante. E …

** Na BrinCadeiRa, eu diGo a VerDade **

Certas palavras são ditas como por brincadeira, meio sem jeito... toda tímida... Mas são palavras... Que não voam com o tempo, permanecem com vida! Às vezes digo que amo, outras nem isso...
Mas basta ver aqui na menina dos meus olhos a alegria de estar com você o êxtase, o sorriso solto, minha maneira sem jeito de mostrar que me faz falta
Falta da felicidade eternizada na memória das lembranças boas
Fico sempre com a platéia das emoções, do seu cheiro inconfundível, da batida calma do seu coração que adoro (adorava) escutar facilitando sentir seu amor próximo ali adormecido velado muitas noites  pelo meu...
(by JanNe)