domingo, 15 de janeiro de 2012

** AmaNhã tE eSqUeçO **


Nada lava a alma, nada me faz sair desse submundo exteriorizado, marcado.
Marcado pela sua presença, pelo vulto desfocado ou pelo sorriso vago.

E quando penso que estou liberta, lá vem você estagnar minhas vontades e então não faço mais nada.

Tudo que sinto é vontade de sair de mim. Fugir pra onde minha sensibilidade não me perturbe, onde

eu não o veja e muito menos o sinta... Apenas respire.


Certa vez eu te vi como o sol...

Irradiando, queimando feito fogo.

Mas me escondi debaixo da sombra e permaneci.


Tive e sempre terei medo que manches minha pele... que me faça transpirar de cansaço

Que como ladrão furte minhas energias boas

E me faça apenas louca.



Insana de paixão, de desejos, de verão.

Que me faça sair dessa chuva,

Que me roube o mundo cinza

E que me mostre seu rosto escondido



Sentir você na multidão é imperfeito demais para alguém como eu.

Que só idealiza

Que rabisca versos feitos poetiza

Mas que pra você nunca ganham vida



Estou farta de você

Que transborda meu copo vazio



Cansada das suas idas e vindas

E desse amor estranho

Que soa como minha canção preferida em seus dedos

E como palavras suaves em madrugadas irreais



Te esqueci certa vez... e esqueço sempre quando seu silencio finge compreender

Na verdade te esqueço amanhã

Porque por hoje, ainda está aqui...



De costas, blusa branca e calça jeans!





(by JanNe)



Um comentário:

Janaína Pupo disse...

Que saudade de vc e daqui!
Tudo bem, minha linda?
Beijos