Pular para o conteúdo principal

** FuManTeS S.A **


- Eiiii, alguém para esse trem da abstinência porque necessito descer!
Algo em mim não vai bem, uma confusão estrondosa, mente e corpo em um ringue estilo MMA.
A idéia foi boa, diga-se de passagem, de uma mente cansada e já se sentindo escrava. O corpo vem reagindo como pode, gritando sua grotesca falta de nicotina, atormentado: ô coitado!

Sete dias. Uma semana. 168 horas sob a mira da força de vontade – é tudo que tenho e que utilizo para tranqüilizar o animo.
Opinião não se tem muito valor a quem deseja suicidar um vício. As correntes de apoio também não, afinal serão as mesmas que se tornarão criticas fatais caso vacile na minha decisão e obedeça a recaída.
Não, não quero isso. Juro.

Mas citarei alguns dos malefícios e benefícios desse ato excelente, mas insano vai... ou o contrário? Ráh, já nem sei.

  1. Eu gostava de fumar.
  2. A fumaça tinha algo encantador, sedutor... e invadia meus pulmões com o mesmo propósito e me levava em segundos a um êxtase de satisfação pura.
  3. O hábito de estar com ele em todos os lugares, momentos e em todo tipo de emoção era mais que uma amizade sincera, éramos quase irmãos (com o diferencial de que este amigo eu bem sabia dos males que vinham com ele e talvez por ‘ter ciência disso’ é que eu aceitava numa boa devido a ‘não decepções’ no depois ou decorrer.
  4. Estar entre grupos sempre foi mais divertido, o teor de nicotina nunca afetou nosso olfato, tato e expressões. O cheiro que ficava tinha que ser suportado, afinal grupo que é grupo não se tem discriminação. É unido e ponto.
  5. Depois de qualquer refeição sempre foi melhor que sobremesa... era a fumaça mais esperada do dia... Simplesmente muito bom.
  6. Calmante, relaxante, amigo, companheiro... Inibidor de surtos, controlador dos nervos e muitos dizem, emagrecedor – querem mais? 

Mas já chega. Não vou dar muita ênfase a um corpo viciado como o meu.
Então partimos aos benefícios e até acho que todos vão querem acrescentar alguma parte (e realmente espero).

  1. Desapego. Confiança. Força. Autocontrole.
  2. Sentir o próprio cheiro novamente não tem preço.
  3. O vento não me faz desejar passar creme nas mãos ou tomar banho de perfume a cada trago.
  4. O cheiro de shampoo é extraordinário e ele fica nos cabelos – já nem acreditava mais nisso (hahaha)
  5. Os alimentos têm sabor... e como são gostosos, hmmmm.
  6. A pele está diferente, brilhando talvez.
  7. Consegui caminhar depressa e não me senti tão cansada como se tivesse andando por léguas e com mais de 90 anos.
  8. Minha mente é quem manda (Ufa)
  9. Os hábitos são substituídos numa boa, basta ter originalidade em se mudar (ler, escrever, exercícios, dietas ou comer rs).
  10.  Os grupos são os mesmos, mas o diferencial é que não me sinto tentada a cair numa tentadora fumaça flutuante em minha frente.

Dentre outras e mais outras e outras coisas. Estou sabendo que os benefícios são enormes, sem contar a tagarelice de um profissional ou um médico no discurso. Mas melhor deixar pra lá, nessas horas muito blá-blá-blá incomoda mais que mil elefantes fumantes.
Os dias vão se arrastando e vou solicitando forças aos céus para que toda essa paranóia tenha fim e que logo, isso se torne apenas mais uma experiência.
Não existe melhor hora de parar. Existe melhor hora para ouvir sua própria voz.

Eu quis parar. Desejei. Limitei-me.
É uma luta para poucos, mas possível.
Talvez uma guerra intima, onde podemos sair vencedores ou perdedores. Vivos ou mortos de nossa própria vontade.
Acho que seria mais fácil quando recebemos uma ajuda. Mas preferi o anonimato de outras vezes, afinal é uma guerra fria e só minha e quando dá, divido.
Sete dias pra muitos são apenas sete dias. Mas pra mim é uma vitória, afinal pra quem fumava toda hora de um dia inteiro... Sete dias é um marco, é uma glória.


E a Libido??? Vai bem, obrigada!!!


by JanNa



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Amizade conveniente

Hoje acordei com saudade de ter um amigo por perto. De jogar conversa fora, de dar aquelas velhas gargalhadas ou simplesmente de olhar para o tal amigo e desvendar suas mensagens codificadas, sejam elas quais forem (através de um olhar, de um gesto, de meias palavras ou de seu próprio silêncio). Li certa vez que “amigos são anjos que Deus colocou a nossa volta”, será que isso bate com a realidade??
Só acho uma tarefa um tanto quanto difícil. Imagina entender a alma alheia? Decifrar códigos, saber suas cores preferidas, o que gosta ou que não gosta, aceitar numa boa suas opiniões (mesmo tendo a sua totalmente contrária) e acima de tudo apoiar-lhe quando as chances de acertos são nulas e “seu amigo” não enxerga isto.
A probabilidade de ser ter um amigo fiel – justo – perfeito é de 0,05% (acha pouco?) então saia pelas ruas e pergunte ao número de pessoas que quiser se este ou aquele já não foi traído por um amigo??? Cara, você vai se surpreender... As pessoas se traem a todo instante. E …

** Na BrinCadeiRa, eu diGo a VerDade **

Certas palavras são ditas como por brincadeira, meio sem jeito... toda tímida... Mas são palavras... Que não voam com o tempo, permanecem com vida! Às vezes digo que amo, outras nem isso...
Mas basta ver aqui na menina dos meus olhos a alegria de estar com você o êxtase, o sorriso solto, minha maneira sem jeito de mostrar que me faz falta
Falta da felicidade eternizada na memória das lembranças boas
Fico sempre com a platéia das emoções, do seu cheiro inconfundível, da batida calma do seu coração que adoro (adorava) escutar facilitando sentir seu amor próximo ali adormecido velado muitas noites  pelo meu...
(by JanNe)

FrOntEirAs dA ViDa

As fronteiras são simultâneas, vão e vem sem que gritemos por sua necessidade, elas apenas acontecem e se colocam como uma linha imaginável entre o certo e o errado. Somos educados apenas para respeitá-las, como reais limitações. A fronteira de uma vida tem fases, nomes, sentimentos e emoções. Quando pequenos nossa fronteira chama-se tempo. Ela nos impede de termos a noção de nossas escolhas, nos colocam um freio e vivenciamos um mundo infantil, totalmente alheio, tão imensamente inocente. Depois a fronteira se estende e entramos numa espécie de confusões e anseios infinitos e de difícil moderação. Somos enfim, adolescentes.
Apáticos, alegres e dificilmente compreendidos. A fronteira é única, a de um mundo de ilusões sem fim. Tudo acontece, tudo se perde da maneira como se chega.
A fronteira da maturidade é a felicidade...
Certo? Errado? Não mais. A questão agora é tudo ou nada. Ou tenho tudo ou não tenho nada. Quero meus sonhos aqui agora, ou não os quero mais. Abandono-os na fronteira …