terça-feira, 8 de setembro de 2009

··¤(`×[¤ Se MolHe, Se EnTrEgUe¤]×´)¤··

—(•·÷[Ah! Chuva, chuva...
Chuva que não acaba mais.
Que chega de sopetão, que vai embora quando estamos quase nos acostumando...
Lava a alma, arrasta consigo os grandes males de um coração!

Chuva quero que molhe meu rosto, meus lábios, todo meu corpo e me faça sentir que estou viva, cheia de vida...
Quero sentir aquele frio e depois calor...
Misturar suas gotas com minhas lágrimas, inundando meu sorriso de sei lá o que ou por que.
Por mais que o céu esteja cinza, escuro e tenebroso, ainda assim me sinto feliz...
Ainda assim eu continuo a brincar feito criança, deixando de propósito meu guarda-chuva em casa... Não quero proteção!

Quero ser livre
Pular entre as poças, me jogar no chão, brincar... Quem sabe assim meu espírito infantil não volta?
Quem sabe assim eu deixe de pensar na vida e nas pessoas e pare de dar ouvidos ao meu coração?

Ah, chuva se não gostasse tanto do calor do sol, juro que ficava com você!
Mas acho que amamos mais quando sentimos saudades, quando sentimos aquela falta grotesca, quando queremos preencher as lacunas de uma vida,
E só por isso chuva, assim que terminar seu tempo, vá...

Ficarei com saudades, mas de volta em mim.
Com a alma lavada, mas pronta para um novo dia, quente, que me aqueça e permaneça entre meus braços sempre assim!]÷·•)—


by Jana





Nenhum comentário: