segunda-feira, 7 de março de 2011

** TrAnsiÇõEs **


É exagero amar assim,
De maneira profana e exibida.
Carregar no peito essa cúpula de sensações e desejos esquisitos,
Mas sinto...

Em abstinência do mundo lá fora
Na inércia de um momento

Não há necessidade de respostas
Para perguntas que não são mais feitas

Deixo passar...
O vento leva e trás um sorriso
Este mesmo que agora acalma e transporta para outro tempo
Sem choros, sem dramas.

É como não sentir a força das ondas me tocando
Como ter o corpo todo adormecido
Só algo aqui batendo... batendo...

Sei que as cores estão lá
Elas me iludem em alguns instantes
Mas ainda não posso tocá-las
Por alguma razão, este é meu momento.

Preciso de mim
Estou me reencontrando

É como estar em transe
Apenas o espírito presente
O qual sente... mas nada pode fazer enquanto tudo toma novos rumos ou formas
Tudo se desenha

Mas não em um rabisco comum
Não como as flores que desenho quando estou triste
Afinal preciso do compasso certo, das tintas exatas e mãos firmes...
Para que seja um esboço seguido de sua obra prima

Já até sei o desenho que vai estar lá quando eu terminar
Talvez margaridas brancas, num campo sem fim
E um céu que nunca vi...
Um descanso para minhas mãos cansadas
Que passaram o tempo todo tocando o escuro e o claro, num mesclado a surgir...

(...)
by JanNe



2 comentários:

Janaína Pupo disse...

Nossa, adorei!
Tudo bom com vc, querida? passando pra desejar um ótimo feriado.
Beijos.

Janaína Pupo disse...

Minha linda, vim te desejar uma ótima semana.
Beijos.