Pular para o conteúdo principal

** ReVerÊnciA a Volta **


Há tempos venho deixando meus textos de lado e escrito apenas versos... Bastou algum comentário para que levasse o tal ‘choque’ e refleti muito essa noite. Acho que vou voltar no ‘antes’ e deixar o monstrinho de lado.
Em reverencia ao retorno, eis que voltarei às páginas desse caderno e continuarei do ponto de partida (e inclusive vou amadurecer de vez a idéia de escrever meu romance – uma meta que tracei quando chegasse aos 30).
Descobri que o destino nos coloca em ciladas e confesso que algumas delas me tornaram meio PhD no assunto... autodidata dos assuntos que elevam e em queda livre arranham a alma.
As fronteiras existem apenas quando nos vemos limitados a dar pequenos passos e por algum tempo me vi assim.
Sabe, o monstrinho (o amor minha gente!) nos transforma em deficientes emocionais e adictos a tais sensações. Queremos amar e ser amados sim... Queremos sorrir sozinhos e para o nada, necessitamos saber que nossa existência completa alguém e VICE-VERSA. Isso é fato e nem adianta entrar na contramão. O amor faz bem e o desamor é meramente o efeito contrário.
E nesse meio tempo, o antídoto certeiro contra esse veneno age ao seu tempo.
Falo de amor, de paixões, medos e confusões. E prefiro dar asas ao que fica preso, angustiado em algum lugar do coração, pois as alegrias são egoístas demais para saírem da lembrança e circularem sem proteção.
Há sempre um momento do dia (ou noite) que dou vazão ao que vive aqui... e então saem os versos... e depois volto a rotina. Não que não seja feliz, não é isso e muito menos vejo assim... o blog até poderia se chamar ‘momentos’, admito. Mas retratar esses momentos e paralisá-los numa tela é tão gratificante que o nome que escolhi chega a ser predestinado.
Voltarei a juntar as palavras como anotações e observar a inspiração do dia. Era assim que tudo fluía e os textos nasciam, sem que a emoção contaminasse a mente e todo o resto.
O silencio é mesmo um orientador. Aprende-se tudo na percepção. Ora ou outra o breu te toma como fosse seu dono e os pensamentos entram em desalinho e em outras se enxerga uma luz te atraindo e quanto mais se caminha em sua direção, mas se fortifica.
O monstrinho é bonzinho, do tipo bicho papão que só pega meninas e meninos malcriados.
Talvez eu tenha sido assim durante alguma porcentagem da vida ou fiquei tempo desnecessário acuada, por medo.

(...)
by JanNe


Comentários

Janaína Pupo disse…
Ah esse monstrinho, conheço bem!
Bora deixar o medo de lado.
Beijos minha linda
Thatica. disse…
Riqueza. Primeiro quero fazer aqui um brinde a nossa amizade. Hoje você conhece minhas fraquezas. E fico feliz por essa troca de confidências.

Olha. Em você eu sinto uma amiga sincera e verdadeira. Saiba que é reciproco.

Você sabe que estou passando por uma situação dificil. E ao refletir, vi que seu conselho foi um dos melhores que recebi. Acordei bem melhor. Obrigada, pois na verdade eu nem sei como agradecer.

Temos um ponto em comum (na verdade, devemos ter vários, mas percebi fortemente esse) escrevemos de acordo com nossas emoções, sentimentos e afins. Expomos nossa realidade. Damos a cara e o coração a tapa doa a quem doer.

Te admiro. Pela mulher que é. Pela mãe que é. No mundo que, quando a gente liga a tv e só vê besteira. Vc é uma mãe dedicada que coloca os filhos em primeiro lugar.

ME ESPELHO EM VC MULHER GUERREIRA E BATALHADORA.

Beijos.

E quem disse que mulheres não são amigas?rs

Postagens mais visitadas deste blog

FrOntEirAs dA ViDa

As fronteiras são simultâneas, vão e vem sem que gritemos por sua necessidade, elas apenas acontecem e se colocam como uma linha imaginável entre o certo e o errado. Somos educados apenas para respeitá-las, como reais limitações. A fronteira de uma vida tem fases, nomes, sentimentos e emoções. Quando pequenos nossa fronteira chama-se tempo. Ela nos impede de termos a noção de nossas escolhas, nos colocam um freio e vivenciamos um mundo infantil, totalmente alheio, tão imensamente inocente. Depois a fronteira se estende e entramos numa espécie de confusões e anseios infinitos e de difícil moderação. Somos enfim, adolescentes.
Apáticos, alegres e dificilmente compreendidos. A fronteira é única, a de um mundo de ilusões sem fim. Tudo acontece, tudo se perde da maneira como se chega.
A fronteira da maturidade é a felicidade...
Certo? Errado? Não mais. A questão agora é tudo ou nada. Ou tenho tudo ou não tenho nada. Quero meus sonhos aqui agora, ou não os quero mais. Abandono-os na fronteira …

Amizade conveniente

Hoje acordei com saudade de ter um amigo por perto. De jogar conversa fora, de dar aquelas velhas gargalhadas ou simplesmente de olhar para o tal amigo e desvendar suas mensagens codificadas, sejam elas quais forem (através de um olhar, de um gesto, de meias palavras ou de seu próprio silêncio). Li certa vez que “amigos são anjos que Deus colocou a nossa volta”, será que isso bate com a realidade??
Só acho uma tarefa um tanto quanto difícil. Imagina entender a alma alheia? Decifrar códigos, saber suas cores preferidas, o que gosta ou que não gosta, aceitar numa boa suas opiniões (mesmo tendo a sua totalmente contrária) e acima de tudo apoiar-lhe quando as chances de acertos são nulas e “seu amigo” não enxerga isto.
A probabilidade de ser ter um amigo fiel – justo – perfeito é de 0,05% (acha pouco?) então saia pelas ruas e pergunte ao número de pessoas que quiser se este ou aquele já não foi traído por um amigo??? Cara, você vai se surpreender... As pessoas se traem a todo instante. E …

** Na BrinCadeiRa, eu diGo a VerDade **

Certas palavras são ditas como por brincadeira, meio sem jeito... toda tímida... Mas são palavras... Que não voam com o tempo, permanecem com vida! Às vezes digo que amo, outras nem isso...
Mas basta ver aqui na menina dos meus olhos a alegria de estar com você o êxtase, o sorriso solto, minha maneira sem jeito de mostrar que me faz falta
Falta da felicidade eternizada na memória das lembranças boas
Fico sempre com a platéia das emoções, do seu cheiro inconfundível, da batida calma do seu coração que adoro (adorava) escutar facilitando sentir seu amor próximo ali adormecido velado muitas noites  pelo meu...
(by JanNe)