Pular para o conteúdo principal

SeM pAlAvRaSs

quinta-feira, 18 de setembro de 2008 20:51h

Estou há mais de uma semana tentando atualizar o blog, mas me faltam palavras, coerência e principalmente paciência. Gosto de escrever quando estou sozinha – ou pelo menos quando me ‘deixam’ com meus pensamentos a vagar por um mundo incerto, mas ultimamente venho sendo perturbada (muito barulho, falação, aff, chego a ficar irritada).
Creio que essa coisa de blog realmente vicia – eu pelo menos quase tenho um ataque de fúria quando fico sem net ou quando uma pessoa não pára de falar ao meu lado, justo na hora que estou tentando escrever. Cara, isso pode até parecer chatice, mas é verdade.
Um bom texto, seja ele breve ou não, precisa ser trabalhado delicadamente, afinal em um blog você acaba se expondo, então a necessidade que as pessoas lêem e te entendam é maior.
Trabalhar a noite está sendo bom... Passo mais tempo com as crianças, fico mais em casa... mas em compensação estou aprendendo na marra a lidar de vez com a solidão. Sabe, você decide as coisas, você faz e acontece. Se eu quiser passar o dia de calcinha sem tomar banho eu posso (não que faça isso, afinal amo um velho e quente chuveiro), pois o tempo que tenho agora comigo é maior. Sou eu que dito as regras, não fico mais atropelando as coisas para encerrar meu dia com a sensação de expediente comprido, tanto em casa como no trabalho.

Eu queria falar aqui de coisas atuais, as quais ocorrem no mundo ou pelo menos pertinho de mim... Uma delas é a satisfação de ler que definitivamente a licença-maternidade foi estendida para seis meses por lei, autorizada pelo nosso então Presidente Lula. Lamento apenas não ter sido eu beneficiada por essa lei (ela chegou tarde para mim). Mas fico feliz em saber que o vínculo entre as futuras mamães e seus bebês foi estendido. Qual a mãe que não quer passar cada minuto grudada em seu filhote? Nem que seja meio segundo, uma fração faz a diferença.

Falar das atrocidades que andam acontecendo eu não quero não. Pai e madrasta que matam, esquartejam e jogam partes dos membros de dois garotos em sacos de lixos, crianças que são vítimas de quedas em edifícios (depois do caso Isabella, até parece que virou rotina), crianças que são mantidas presas sob cárcere privado, amarradas, torturadas... Ah, isso é negativo demais, ainda mais se tratando de crianças as quais são privilegiadamente inocentes... Sem contar a tão famosa política (época de eleição, todos se pintam de cordeirinho com tintas de ouro, enganando o povo humilde, cegando a galera a qual faço parte), e as guerras? Furacões? e inundações pelo mundo a fora (isso já é a resposta certíssima da nossa mãe terra contra seus ilustres habitantes, fico até sem comentários).

Sim a informação enobrece, mas eu particularmente prefiro ignorar as ruins (ou pelo menos entregá-as nas mãos de Deus). Então acabo resolvendo falar de mim mesma, dessa vida incomum ou comum? Ah sei lá... Esse assunto pelo menos sei de cor... posso me criticar, posso me consertar... Dependo das minhas ações e reações.

É isso aí.
Prometo amanhã um post decente, mas por enquanto eh esse Aki MeMoooo...

BjoOo
Jana

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

FrOntEirAs dA ViDa

As fronteiras são simultâneas, vão e vem sem que gritemos por sua necessidade, elas apenas acontecem e se colocam como uma linha imaginável entre o certo e o errado. Somos educados apenas para respeitá-las, como reais limitações. A fronteira de uma vida tem fases, nomes, sentimentos e emoções. Quando pequenos nossa fronteira chama-se tempo. Ela nos impede de termos a noção de nossas escolhas, nos colocam um freio e vivenciamos um mundo infantil, totalmente alheio, tão imensamente inocente. Depois a fronteira se estende e entramos numa espécie de confusões e anseios infinitos e de difícil moderação. Somos enfim, adolescentes.
Apáticos, alegres e dificilmente compreendidos. A fronteira é única, a de um mundo de ilusões sem fim. Tudo acontece, tudo se perde da maneira como se chega.
A fronteira da maturidade é a felicidade...
Certo? Errado? Não mais. A questão agora é tudo ou nada. Ou tenho tudo ou não tenho nada. Quero meus sonhos aqui agora, ou não os quero mais. Abandono-os na fronteira …

Amizade conveniente

Hoje acordei com saudade de ter um amigo por perto. De jogar conversa fora, de dar aquelas velhas gargalhadas ou simplesmente de olhar para o tal amigo e desvendar suas mensagens codificadas, sejam elas quais forem (através de um olhar, de um gesto, de meias palavras ou de seu próprio silêncio). Li certa vez que “amigos são anjos que Deus colocou a nossa volta”, será que isso bate com a realidade??
Só acho uma tarefa um tanto quanto difícil. Imagina entender a alma alheia? Decifrar códigos, saber suas cores preferidas, o que gosta ou que não gosta, aceitar numa boa suas opiniões (mesmo tendo a sua totalmente contrária) e acima de tudo apoiar-lhe quando as chances de acertos são nulas e “seu amigo” não enxerga isto.
A probabilidade de ser ter um amigo fiel – justo – perfeito é de 0,05% (acha pouco?) então saia pelas ruas e pergunte ao número de pessoas que quiser se este ou aquele já não foi traído por um amigo??? Cara, você vai se surpreender... As pessoas se traem a todo instante. E …

** Na BrinCadeiRa, eu diGo a VerDade **

Certas palavras são ditas como por brincadeira, meio sem jeito... toda tímida... Mas são palavras... Que não voam com o tempo, permanecem com vida! Às vezes digo que amo, outras nem isso...
Mas basta ver aqui na menina dos meus olhos a alegria de estar com você o êxtase, o sorriso solto, minha maneira sem jeito de mostrar que me faz falta
Falta da felicidade eternizada na memória das lembranças boas
Fico sempre com a platéia das emoções, do seu cheiro inconfundível, da batida calma do seu coração que adoro (adorava) escutar facilitando sentir seu amor próximo ali adormecido velado muitas noites  pelo meu...
(by JanNe)