Pular para o conteúdo principal

LiVrE-Se ou Ame-Os


Assombrações, você acredita?
Eu sim, não necessariamente em assombrações, pois esse termo é meio forte para nossos próprios fantasmas, ok?
Ressaltando que não vou mencionar aqui ‘assombrações’ do tipo almas penadas e afins, pois creio que os fantasmas têm residência própria, no fundo da alma de cada um.

Uns são fantasmas vivos que necessariamente por um motivo qualquer colocamos de molho dentro de nosso ego, outros vivem lá apenas como lembranças. Mas sempre... Sempre um deles aparece numa tarde ou noite qualquer para nos assombrar, pelo menos os meus, é óbvio.

O passado pra mim é um fantasma com nome e sobrenome. Coisas que não quero lembrar, que insisto em esquecer, do nada me aparecem como criaturas horripilantes, de causar medo (opa, não que eu tenha sido algo monstruoso, mas falo sim de fantasmas sentimentais).
Quando o sentimento está vivo feito uma flor egoistamente bela, tudo se é maravilhoso. O céu, a terra, as pessoas, você... Seu eu, sua alma, sua cor... Agora quando o sentimento quer abandonar a cena da felicidade, morrer, sumir, desaparecer... transforma-se então, fantasma!

Confesso que já enterrei vivo alguns amores (alias, estou craque nisso) e devido ao fato, todos me assombram... hora num sorriso alheio, hora numa palavra que ouço, hora com uma música ou hora num perfume que sinto. Grande sacanagem! A memória poderia morrer junto com aquilo que não queremos mais lembrar, dar um delete ou coisa assim.
Eu fujo dos fantasmas como fujo de mim mesma muitas vezes. Se aparecem eu dou uma de inconseqüente e finjo não notá-los...

E cá entre nós, não é somente os fantasmas sentimentais que nos assombram... Pode ser qualquer coisa que ficou mal resolvida no passado, um medo, uma frustração, traumas de crianças e outras mil coisitas a mais. Conheço pessoas que cultivam os fantasmas alimentando-os diariamente, como se precisassem disso para levar uma vida melhor. Eu indiretamente acho que cultivo os meus, mas sou bem prática na questão de controlar a mente. Claro, fico meio atordoada, mas logo me livro deles sem maiores danos.

As pessoas são hipócritas em afirmar que passado é passado ou que passado está morto, mas a questão é que somos feitos de passados bons e ruins, são eles que constroem uma história em si dentro da gente. Cada ser constrói a sua a seu modo, pinta-a das cores que deseja ou muitas vezes preferem deixá-la sem cor – grande desperdício. O bom mesmo é que passado é intacto, inatingível, não à toa, memorável. Os fantasmas é que estamos em uma espécie profunda de ‘adaptação’ – querer ou não querê-los por perto, eis a questão. Mas aí, você meu amigo, vai estar se questionando: Se agora são fantasmas é porque já morreram (não fazem parte do presente), porque então aceitar a convivência??
Hmmm... complicado! Eles são surdos meu amigo... não escutam nossas apelações, nossos pedidos de Xô, vai embora, suma daqui!
O negócio é se habituar, encarar e botar ordem no barraco seja lá como for... Seu coração coitado continuará sempre mole, abrigando esses desamparados cretinos que passam por nossas vidas e não nos deixam tão fácil... Querem sempre estar ali, malditos filhos do passado!

Uma sugestão: Ria deles e seja feliz!

BoOomm Final de semana a todos.
Mil bjux

JanyNha

Comentários

Pleiba disse…
Oie , sim não devemos olhar p o passado mas devemos olhar para ele como uma experiencia vivida e concluida, dessa forma eu acredito em fantasma tbm linda hhaahah

Otimo final de semana p vc tbm bjuz
End Fernandes disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
End Fernandes disse…
um dia vo escreve bem q nem ela kkk

sobre o post
as vezes as pessoas gostam tanto de seus fantasmas q da ate medo

Postagens mais visitadas deste blog

FrOntEirAs dA ViDa

As fronteiras são simultâneas, vão e vem sem que gritemos por sua necessidade, elas apenas acontecem e se colocam como uma linha imaginável entre o certo e o errado. Somos educados apenas para respeitá-las, como reais limitações. A fronteira de uma vida tem fases, nomes, sentimentos e emoções. Quando pequenos nossa fronteira chama-se tempo. Ela nos impede de termos a noção de nossas escolhas, nos colocam um freio e vivenciamos um mundo infantil, totalmente alheio, tão imensamente inocente. Depois a fronteira se estende e entramos numa espécie de confusões e anseios infinitos e de difícil moderação. Somos enfim, adolescentes.
Apáticos, alegres e dificilmente compreendidos. A fronteira é única, a de um mundo de ilusões sem fim. Tudo acontece, tudo se perde da maneira como se chega.
A fronteira da maturidade é a felicidade...
Certo? Errado? Não mais. A questão agora é tudo ou nada. Ou tenho tudo ou não tenho nada. Quero meus sonhos aqui agora, ou não os quero mais. Abandono-os na fronteira …

Amizade conveniente

Hoje acordei com saudade de ter um amigo por perto. De jogar conversa fora, de dar aquelas velhas gargalhadas ou simplesmente de olhar para o tal amigo e desvendar suas mensagens codificadas, sejam elas quais forem (através de um olhar, de um gesto, de meias palavras ou de seu próprio silêncio). Li certa vez que “amigos são anjos que Deus colocou a nossa volta”, será que isso bate com a realidade??
Só acho uma tarefa um tanto quanto difícil. Imagina entender a alma alheia? Decifrar códigos, saber suas cores preferidas, o que gosta ou que não gosta, aceitar numa boa suas opiniões (mesmo tendo a sua totalmente contrária) e acima de tudo apoiar-lhe quando as chances de acertos são nulas e “seu amigo” não enxerga isto.
A probabilidade de ser ter um amigo fiel – justo – perfeito é de 0,05% (acha pouco?) então saia pelas ruas e pergunte ao número de pessoas que quiser se este ou aquele já não foi traído por um amigo??? Cara, você vai se surpreender... As pessoas se traem a todo instante. E …

** Na BrinCadeiRa, eu diGo a VerDade **

Certas palavras são ditas como por brincadeira, meio sem jeito... toda tímida... Mas são palavras... Que não voam com o tempo, permanecem com vida! Às vezes digo que amo, outras nem isso...
Mas basta ver aqui na menina dos meus olhos a alegria de estar com você o êxtase, o sorriso solto, minha maneira sem jeito de mostrar que me faz falta
Falta da felicidade eternizada na memória das lembranças boas
Fico sempre com a platéia das emoções, do seu cheiro inconfundível, da batida calma do seu coração que adoro (adorava) escutar facilitando sentir seu amor próximo ali adormecido velado muitas noites  pelo meu...
(by JanNe)