Pular para o conteúdo principal

AmIGoS e AmOrEs eM bRancO



domingo, 27 de julho de 2008 14:56h

Perdi a noção dos minutos que passei entre um cigarro e outro para escrever este post... Me senti feito a fumaça que exalava do fundos dos meus pulmões. Cinza, sem vida, vagando. O ar aqui está parado, o silêncio é absoluto.
Estive esse final de semana na casa de uma amiga, mas confesso, trouxe de lá minhas piores conclusões.
As pessoas mudam, principalmente se estão em seu próprio habitat. Na verdade odeiam terem seus espaços invadidos e toda aquela movimentação fora do habitual. Eu senti falta da amiga que tive e que por cargas d’águas não terei de volta jamais. Os anos não só mudaram nossas expressões físicas como também nossas almas... Somos diferentes agora, mas antes éramos iguais. A gente tinha a mesma opinião das cores do horizonte e nos achávamos parte uma do mundo da outra.
Agora é diferente.
O seu mundo me é estranho, sua casa, suas coisas e seu comportamento.
Estou ali presente em meio a fotos atuais e recordações expostas na parede, mas estou num cantinho, quase caindo, pendurada a um imã qualquer. A julgar pelo glamour que já tive, estou meio ofuscada entre as novas amizades.
Não. Isso não é de maneira alguma uma cobrança. São fatos. Senti o potencial dos novos tempos e me calei perante eles.
Ninguém trará de volta os velhos tempos, as risadas por motivos banais, a felicidade de dividir os minutos em conversas longas e demoradas. Acho que já nos conhecemos demais, e é hora de ser “novidade” para outras pessoas, novos amigos.
Lamentei sim, sou franca a dizer.
Pois ainda sou do tipo que se tem uma amiga só até o final. Mas respeito à opinião e atitude alheia, principalmente se mantenho o mesmo carinho pela pessoa. É hora de voltar para casa, levar comigo apenas o que esteve do meu lado, as minhas filhas (essas um dia também partirão rumo a felicidade. Eu não estarei inclusa é claro, mas me conforta saber que nosso vínculo é eterno). Amo minhas pequenas além de dessa vida, muito antes dela existir e de descobrir seu lado podre.

P.s.; Vou fumar novamente!
Depois de cinco minutos (eternos) retorno.

Entro pela sala em silêncio, tentando ordenar meus pensamentos. Essa madrugada eu aprendi a perder, ou melhor, aprendi a aceitar tais coisas do coração. Aceitei que estou triste por ter perdido o que ou quem eu nunca tive. Aceitei a perder uma amiga numa boa (sem necessidade de questioná-la, de culpá-la, nada). Vi claramente que meu mundo é só meu, está na hora de fechar as lacunas, preencher os espaços com o que tenho. Nada de sobras, nada de restos. Sem me gabar, acho que mereço conhecer o melhor dessa vida e talvez isso estará nas mãos de desconhecidos, que não tardam a chegar (já os sinto). Afinal, para se receber algo novo é necessário deixar cair das mãos coisas preciosas e estou abrindo mão de tudo e todos (amizades, amores).
Jogo essa estrela no ar. Se brilhar novamente, estarei aqui a observá-la no mesmo instante. Pois no momento só quero esquecer, fugir, correr...


BjoOo
Jana

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

FrOntEirAs dA ViDa

As fronteiras são simultâneas, vão e vem sem que gritemos por sua necessidade, elas apenas acontecem e se colocam como uma linha imaginável entre o certo e o errado. Somos educados apenas para respeitá-las, como reais limitações. A fronteira de uma vida tem fases, nomes, sentimentos e emoções. Quando pequenos nossa fronteira chama-se tempo. Ela nos impede de termos a noção de nossas escolhas, nos colocam um freio e vivenciamos um mundo infantil, totalmente alheio, tão imensamente inocente. Depois a fronteira se estende e entramos numa espécie de confusões e anseios infinitos e de difícil moderação. Somos enfim, adolescentes.
Apáticos, alegres e dificilmente compreendidos. A fronteira é única, a de um mundo de ilusões sem fim. Tudo acontece, tudo se perde da maneira como se chega.
A fronteira da maturidade é a felicidade...
Certo? Errado? Não mais. A questão agora é tudo ou nada. Ou tenho tudo ou não tenho nada. Quero meus sonhos aqui agora, ou não os quero mais. Abandono-os na fronteira …

Amizade conveniente

Hoje acordei com saudade de ter um amigo por perto. De jogar conversa fora, de dar aquelas velhas gargalhadas ou simplesmente de olhar para o tal amigo e desvendar suas mensagens codificadas, sejam elas quais forem (através de um olhar, de um gesto, de meias palavras ou de seu próprio silêncio). Li certa vez que “amigos são anjos que Deus colocou a nossa volta”, será que isso bate com a realidade??
Só acho uma tarefa um tanto quanto difícil. Imagina entender a alma alheia? Decifrar códigos, saber suas cores preferidas, o que gosta ou que não gosta, aceitar numa boa suas opiniões (mesmo tendo a sua totalmente contrária) e acima de tudo apoiar-lhe quando as chances de acertos são nulas e “seu amigo” não enxerga isto.
A probabilidade de ser ter um amigo fiel – justo – perfeito é de 0,05% (acha pouco?) então saia pelas ruas e pergunte ao número de pessoas que quiser se este ou aquele já não foi traído por um amigo??? Cara, você vai se surpreender... As pessoas se traem a todo instante. E …

** Na BrinCadeiRa, eu diGo a VerDade **

Certas palavras são ditas como por brincadeira, meio sem jeito... toda tímida... Mas são palavras... Que não voam com o tempo, permanecem com vida! Às vezes digo que amo, outras nem isso...
Mas basta ver aqui na menina dos meus olhos a alegria de estar com você o êxtase, o sorriso solto, minha maneira sem jeito de mostrar que me faz falta
Falta da felicidade eternizada na memória das lembranças boas
Fico sempre com a platéia das emoções, do seu cheiro inconfundível, da batida calma do seu coração que adoro (adorava) escutar facilitando sentir seu amor próximo ali adormecido velado muitas noites  pelo meu...
(by JanNe)