Pular para o conteúdo principal

MulHeRes, Oq NaUm PaSsaM!



7h - Acordei sorrateiramente... E como de costume, passei pelo banheiro e em seguida olhei-me ao espelho, já lavando o rosto – como se a água fria tivesse o dom de me trazer a realidade do novo dia. Tudo bem. Olhei novamente meu reflexo e não tive como evitar um “PUTS” em desabafo a tristeza ao ver meus olhos ainda inchados (devido à bendita conjuntivite, aff... que saco! Pensei que tivesse me curado).

É estranho, mas essa sensação de querer fugir de algo não me abandona. Voltei pra cama como se desejasse só por mais algumas horas o escuro da madrugada, com todo seu silencio. Sem fazer um único ruído, entrei por debaixo do cobertor e fechei os olhos.

Ah... em menos de cinco minutos tive a sensação de estar sendo observada por alguém (alguém com o nome de Luiza, é claro – meu bebezinho).

Levantei – agora pra valer – liguei o som para tentar alegrar algo aqui dentro. Preparei uma mamadeira, dei um banho na pequena e fui cuidar de mim (afinal a dona Bruna continuava dormindo). Acho que meu banho, nesses dias esquisitos, dura mais ou menos, uns 20 a 30 minutos.

Estava claro que “ela” iria chegar. Identifico rápido sua semi-presença devido a tantos anos de convivência forçada. De repente tudo me pareceu pesado e irritante. Senti minha taxa hormonal subi e descer quando experimentei mil e uma roupa e nada me parecia perfeito. Aos poucos meu olhar foi se tornando critico (já era “ela” quem estava ali do meu lado, rindo... debochando).

Sua presença é tão egocêntrica, tão insuportável que instantaneamente enterro meu bom e velho humor, meu sorriso e me entrego – afinal como fugir dela?
Bateu-me uma certa revolta em saber que em meu organismo, não tenho nem o direito absoluto do livre arbítrio, uma injustiça isso!

Eu queria acordar de bom humor sempre (sem ter a necessidade, “nesses dias” de ficar com a irritabilidade impreguinada no meu corpo). Queria estar sempre pronta e decidida, sem passar mensalmente por esse rio de indecisões e sensibilidade à flôr da pele.
Gostaria que o gosto de um chocolate fosse o mesmo nos dias normais. Sentiria mais feliz se tivesse à certeza que essa “compulsão alimentar” não me rendesse tantos quilos extras após essa avalanche de emoções.

Credo! Como estou chata!
Devo atribuir a culpa em “Eva” que comeu aquela maldita maça e nos trouxe os mais terríveis dissabores? Creio que sim (pelo menos assim me sinto isenta de culpas).
Isso vai passar... “Ela” – a famosa TPM Tensão Pré Menstrual – irá pegar suas malas e partir daqui uns cinco ou seis dias. Até lá, tenho que conviver com os exercícios de Respiração para me acalmar, que aprendi lendo em algum lugar, bem do tipo assim (ah, não riem):

******* Feche os olhos por alguns segundos e
******* Inspire amor bem fundo
******* e expire lentamente amor (isso umas 5x a cada 1h)

Coisa de maluco?
Pode ser. Mais resolve. Trás um pouquinho que seja de paz e sem contar que “ela” (a tal da TPM) vai se esconder de tanta vergonha, te deixando em paz por alguns minutinhos.

As coisas que de praxe fazemos quando estamos tomadas por essa Maledita TPM, as quais me refiro ao GRITAR, xingar, bufar, quebrar, etc, etc... isso vai continuar se você não por em prática o seu auto-controle.

Eu ainda continuo achando que o melhor remédio está no sexo oposto, pelo menos nessas horas 'eles' vêem como um alívio!!!! Hahahahahahahaha

Um beijoO
Janynha


P.s.; 1º dia de convivência com ela.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

FrOntEirAs dA ViDa

As fronteiras são simultâneas, vão e vem sem que gritemos por sua necessidade, elas apenas acontecem e se colocam como uma linha imaginável entre o certo e o errado. Somos educados apenas para respeitá-las, como reais limitações. A fronteira de uma vida tem fases, nomes, sentimentos e emoções. Quando pequenos nossa fronteira chama-se tempo. Ela nos impede de termos a noção de nossas escolhas, nos colocam um freio e vivenciamos um mundo infantil, totalmente alheio, tão imensamente inocente. Depois a fronteira se estende e entramos numa espécie de confusões e anseios infinitos e de difícil moderação. Somos enfim, adolescentes.
Apáticos, alegres e dificilmente compreendidos. A fronteira é única, a de um mundo de ilusões sem fim. Tudo acontece, tudo se perde da maneira como se chega.
A fronteira da maturidade é a felicidade...
Certo? Errado? Não mais. A questão agora é tudo ou nada. Ou tenho tudo ou não tenho nada. Quero meus sonhos aqui agora, ou não os quero mais. Abandono-os na fronteira …

Amizade conveniente

Hoje acordei com saudade de ter um amigo por perto. De jogar conversa fora, de dar aquelas velhas gargalhadas ou simplesmente de olhar para o tal amigo e desvendar suas mensagens codificadas, sejam elas quais forem (através de um olhar, de um gesto, de meias palavras ou de seu próprio silêncio). Li certa vez que “amigos são anjos que Deus colocou a nossa volta”, será que isso bate com a realidade??
Só acho uma tarefa um tanto quanto difícil. Imagina entender a alma alheia? Decifrar códigos, saber suas cores preferidas, o que gosta ou que não gosta, aceitar numa boa suas opiniões (mesmo tendo a sua totalmente contrária) e acima de tudo apoiar-lhe quando as chances de acertos são nulas e “seu amigo” não enxerga isto.
A probabilidade de ser ter um amigo fiel – justo – perfeito é de 0,05% (acha pouco?) então saia pelas ruas e pergunte ao número de pessoas que quiser se este ou aquele já não foi traído por um amigo??? Cara, você vai se surpreender... As pessoas se traem a todo instante. E …

** Na BrinCadeiRa, eu diGo a VerDade **

Certas palavras são ditas como por brincadeira, meio sem jeito... toda tímida... Mas são palavras... Que não voam com o tempo, permanecem com vida! Às vezes digo que amo, outras nem isso...
Mas basta ver aqui na menina dos meus olhos a alegria de estar com você o êxtase, o sorriso solto, minha maneira sem jeito de mostrar que me faz falta
Falta da felicidade eternizada na memória das lembranças boas
Fico sempre com a platéia das emoções, do seu cheiro inconfundível, da batida calma do seu coração que adoro (adorava) escutar facilitando sentir seu amor próximo ali adormecido velado muitas noites  pelo meu...
(by JanNe)