Pular para o conteúdo principal

As cortinas de 2009 se fecham para mim. Final de uma longa temporada, final de mais um espetáculo – pois viver de qualquer forma é um espetáculo peculiar, só nosso.
Encerro o ano com gostinho agridoce.
Azedo no começo e adocicado no final.

Choros, sorrisos. Decisões importantes. Crescimento interior.
Alias cresço a cada dia quando meu pai celestial me permite modificar a linha do pensamento... quando me faz analisar, observar e modificar.
Não sou mais como antes. Pow, tenho 28 agora (risos)!

A cada ano da minha vida que sou obrigada a dar adeus, sinto que ganho muito mais em troca. Perco-me na nostalgia da infância, de minha saudosa adolescência, mas o que eu sempre quis mesmo era ser gente grande. Queria ser mulher, daquelas de tirar o chapéu, cheia de autoconfiança, segura de si, potente. Sim. Nunca pensei que fosse ser menos que isso.
Construí minhas próprias muralhas, cerquei-me de todos os lados. Mas é inevitável não ser atingida vez ou outra... Pois mulheres com “M” maiúsculo dependem de um coração mole para sobreviver (eis uma grande verdade). E ao permitir que o encontre... mostramos mesmo que somos apenas seres carentes de amor, de proteção, confiança e de paixão. No fundo somos meras meninas desprotegidas onde certas escolhas nos roubaram boa parte dos sonhos.

E sonhos foram os que eu mais desenhei nesses 365 dias – faltou-me certo fôlego para lhes dar vida, apenas isso. Mas ainda estão aqui intactos e guardados como tesouros e terão vida futura sim.

A promessa da vez, para 2010 é não planejar nada. Vou ficar quietinha esperando as promessas dos céus. Pois sei que Deus olha por mim sempre. Sempre aqui comigo, meu amigo, meu pai, minha busca maior e razão por todos meus suspiros e indagações.
É seu colo que me acalenta, me faz adormecer em paz e acordar disposta a encarar as surpresas por detrás de uma bela manhã.

Aquele sabor doce que minha alma procurava foi encontrado.
Provo dele a cada dia e não me canso. Estou feliz.
Os percalços são aprendizados que meu espírito escolheu como lições de vida. São coisas que tenho que passar e pagar certo preço. Coisa justa.

Choro de cansaço sim.
As cordas da minha vida que seguro firmemente vez ou outra machucam minhas mãos, as fazem sangrar e me desespero... mas é coisa passageira, momentos de insegurança eu diria. Penso em soltá-las, desistir (ei sou humana), mas minutos depois do nada me vejo numa boa, como se as feridas e a batalha de segurar firme até o fim não fossem nada pra mim.
Só momentos. Uma hora você explode, mas basta encher os pulmões de ar que tudo se renova. Forças brotam como nascentes e esperanças se mostram sempre presentes.

Sou assim. Um misto de tudo.
Apenas mais uma a pensar com o coração como tantos outros.
E para aqueles que não o sentem... desejo que em 2010 botem a mão no peito e sinta o leve pulsar da vida. Um tum-tum suave. Sem pressa, que acalma e tão cheio de mistério.
Quero apenas que viva!

“Feliz AnoOo Novo”
Viva diferente...

By Jana

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

FrOntEirAs dA ViDa

As fronteiras são simultâneas, vão e vem sem que gritemos por sua necessidade, elas apenas acontecem e se colocam como uma linha imaginável entre o certo e o errado. Somos educados apenas para respeitá-las, como reais limitações. A fronteira de uma vida tem fases, nomes, sentimentos e emoções. Quando pequenos nossa fronteira chama-se tempo. Ela nos impede de termos a noção de nossas escolhas, nos colocam um freio e vivenciamos um mundo infantil, totalmente alheio, tão imensamente inocente. Depois a fronteira se estende e entramos numa espécie de confusões e anseios infinitos e de difícil moderação. Somos enfim, adolescentes.
Apáticos, alegres e dificilmente compreendidos. A fronteira é única, a de um mundo de ilusões sem fim. Tudo acontece, tudo se perde da maneira como se chega.
A fronteira da maturidade é a felicidade...
Certo? Errado? Não mais. A questão agora é tudo ou nada. Ou tenho tudo ou não tenho nada. Quero meus sonhos aqui agora, ou não os quero mais. Abandono-os na fronteira …

Amizade conveniente

Hoje acordei com saudade de ter um amigo por perto. De jogar conversa fora, de dar aquelas velhas gargalhadas ou simplesmente de olhar para o tal amigo e desvendar suas mensagens codificadas, sejam elas quais forem (através de um olhar, de um gesto, de meias palavras ou de seu próprio silêncio). Li certa vez que “amigos são anjos que Deus colocou a nossa volta”, será que isso bate com a realidade??
Só acho uma tarefa um tanto quanto difícil. Imagina entender a alma alheia? Decifrar códigos, saber suas cores preferidas, o que gosta ou que não gosta, aceitar numa boa suas opiniões (mesmo tendo a sua totalmente contrária) e acima de tudo apoiar-lhe quando as chances de acertos são nulas e “seu amigo” não enxerga isto.
A probabilidade de ser ter um amigo fiel – justo – perfeito é de 0,05% (acha pouco?) então saia pelas ruas e pergunte ao número de pessoas que quiser se este ou aquele já não foi traído por um amigo??? Cara, você vai se surpreender... As pessoas se traem a todo instante. E …

** Na BrinCadeiRa, eu diGo a VerDade **

Certas palavras são ditas como por brincadeira, meio sem jeito... toda tímida... Mas são palavras... Que não voam com o tempo, permanecem com vida! Às vezes digo que amo, outras nem isso...
Mas basta ver aqui na menina dos meus olhos a alegria de estar com você o êxtase, o sorriso solto, minha maneira sem jeito de mostrar que me faz falta
Falta da felicidade eternizada na memória das lembranças boas
Fico sempre com a platéia das emoções, do seu cheiro inconfundível, da batida calma do seu coração que adoro (adorava) escutar facilitando sentir seu amor próximo ali adormecido velado muitas noites  pelo meu...
(by JanNe)