Pular para o conteúdo principal

** TaLvEz sEjA UmA cHanCe **



O ar está parado... como se esperando alguma decisão minha ou alguma coisa do tipo.
Botei uma música pra tocar. Daquelas que só ouvia quando estava preste a mudar algo essencial do lugar ou quando queria sair do submundo escuro e cinza em que muitas vezes eu me metia sem saber muito bem o porque.
Preciso reunir as forças... preciso levantar e sair dessa névoa densa e pesada.
Santo Deus! O que ando fazendo comigo... E não falo como se estivesse numa posição de uma vítima por exemplo, falo para me chacoalhar... me tirar desse transe... como se ouvisse gritos autoritários os quais me fizessem acordar com medo de levar uma surra por estar fazendo algo errado.

E ao contrário do que se parece, dou a máxima importância às palavras que recebo. Elas alimentam meu brio de alguma forma ou outra... Afinal a vida escolhida foi essa, sem truques, sem belas flores, sem paisagens para se orgulhar... Poxa! Mas nem tudo é uma porcaria... calma lá!
Reencontrando-me, me conhecendo, estando mais comigo ando com tempo de pensar em tudo, sem afogar as lembranças numa privada qualquer.
Em certos momentos a vida sorriu sim...
Fez de mim essa moldura patética do sentimentalismo (que já ando aceitando numa boa), mas também me fez renascer na própria vida várias vezes.

O que há de importante naquele que me levou tudo?
Nada.
Talvez tenha levado apenas coisas que criei para aquele momento.
Talvez ninguém morra se ‘der férias’ para o coração. Se deixar pulsar apenas a razão.

E minha razão está voltando.
É o que essa música me trouxe hoje.

Espaços minúsculos estão sendo abertos. E como toda boa curiosa, a brecha da porta me faz querer saber o que há por trás dela. Já provei de amores (antigos ou novos) sem me encantar por eles como antes. Já estou conseguindo viajar numa retina sem me perder nela ou simplesmente sem procurar nada.
Algo banal, mas que pra mim tem certo valor (inexplicável).

Uma flor no deserto!
É assim que me sinto toda vez que olho no espelho.
Mas como ela... eu sei que sua permanência ali tem algum significado que agora não se pode ser descoberto...
Se é da terra que ela puxa toda sua força...
Sua beleza é só mais um complemento indiscutível.
Porque justo euzinha fujiria a régra?

Trilhões de beijos


***

(by JanNe)

P.s.; Salve! Salve Metálica.

Comentários

Anônimo disse…
Eita lêlê... coisa barra pesada este processo de olhar no espelho e fazer cobranças, criticas e blá e blá. Ja escrevi sobre isto.

Não se cobre tanto Amore Mio. Como falei temos de ter coragem p. suportar as crises, os tais dos ciclos q. abrem e fecham... Sei q. é foda... Muito foda meRmo, mais temos duas opções: ENCARAR COM A CARA E CORAGEM ou se ACOVARDAR NA TOTAL INSIGNIFICÂNCIA DO NOSSO MEDO.

Fica assim não... procura sim, ler livros de auto ajuda e pensamentos positivos, estar com pessoas de alto astral e escutem as suas músicas...Música é tudo...Na minha casa ja acordamos ouvindo musica, tocamos violão, guitarra, bongô e cantamos o dia todo... Qdo podemos é claro.

Bjitos e não consgio ser sua seguidora onde enfiou o quadro de seguidores.kkkk..

Fica difícil de te achar la no meu canto, tem de ser seguidora fica mais fácil...Bjitos
Janaína Pupo disse…
Oi linda, está melhorzinha?
Beijos e boa semana.

Postagens mais visitadas deste blog

FrOntEirAs dA ViDa

As fronteiras são simultâneas, vão e vem sem que gritemos por sua necessidade, elas apenas acontecem e se colocam como uma linha imaginável entre o certo e o errado. Somos educados apenas para respeitá-las, como reais limitações. A fronteira de uma vida tem fases, nomes, sentimentos e emoções. Quando pequenos nossa fronteira chama-se tempo. Ela nos impede de termos a noção de nossas escolhas, nos colocam um freio e vivenciamos um mundo infantil, totalmente alheio, tão imensamente inocente. Depois a fronteira se estende e entramos numa espécie de confusões e anseios infinitos e de difícil moderação. Somos enfim, adolescentes.
Apáticos, alegres e dificilmente compreendidos. A fronteira é única, a de um mundo de ilusões sem fim. Tudo acontece, tudo se perde da maneira como se chega.
A fronteira da maturidade é a felicidade...
Certo? Errado? Não mais. A questão agora é tudo ou nada. Ou tenho tudo ou não tenho nada. Quero meus sonhos aqui agora, ou não os quero mais. Abandono-os na fronteira …

Amizade conveniente

Hoje acordei com saudade de ter um amigo por perto. De jogar conversa fora, de dar aquelas velhas gargalhadas ou simplesmente de olhar para o tal amigo e desvendar suas mensagens codificadas, sejam elas quais forem (através de um olhar, de um gesto, de meias palavras ou de seu próprio silêncio). Li certa vez que “amigos são anjos que Deus colocou a nossa volta”, será que isso bate com a realidade??
Só acho uma tarefa um tanto quanto difícil. Imagina entender a alma alheia? Decifrar códigos, saber suas cores preferidas, o que gosta ou que não gosta, aceitar numa boa suas opiniões (mesmo tendo a sua totalmente contrária) e acima de tudo apoiar-lhe quando as chances de acertos são nulas e “seu amigo” não enxerga isto.
A probabilidade de ser ter um amigo fiel – justo – perfeito é de 0,05% (acha pouco?) então saia pelas ruas e pergunte ao número de pessoas que quiser se este ou aquele já não foi traído por um amigo??? Cara, você vai se surpreender... As pessoas se traem a todo instante. E …

** Na BrinCadeiRa, eu diGo a VerDade **

Certas palavras são ditas como por brincadeira, meio sem jeito... toda tímida... Mas são palavras... Que não voam com o tempo, permanecem com vida! Às vezes digo que amo, outras nem isso...
Mas basta ver aqui na menina dos meus olhos a alegria de estar com você o êxtase, o sorriso solto, minha maneira sem jeito de mostrar que me faz falta
Falta da felicidade eternizada na memória das lembranças boas
Fico sempre com a platéia das emoções, do seu cheiro inconfundível, da batida calma do seu coração que adoro (adorava) escutar facilitando sentir seu amor próximo ali adormecido velado muitas noites  pelo meu...
(by JanNe)